sábado, 22 de outubro de 2011

A Esquizofrenia é uma doença que atinge à todos. Porém a genética aumenta para 10% contra 1%, de filhos de esquizofrenicos desenvolverem a doença. No homem ela se manisfesta entre 15 e 20 anos. Na mulher vai um pouco mais longe podendo aparecer dos 20 aos 30 anos. Porém, como se manisfesta na adolescencia, é comum que nós os pais, acreditemos fazer parte da transição. Típico da idade. Sem fazermos idéia do quanto o buraco é mais em baixo. E quando aos 22 percebe se que é algo maior, ou seja quando acontece uma crise, ja nao vemos como normal para a idade. Mas ai o filho é maior, e o tratamento é todo mais complicado, pois alem de negarem a possibilidade da doença, somente de forma judicial podemos obter algum resultado. E ai começam os problemas, pois como outras doenças, esta e uma que adoence a familia toda. Me separei de um marido esquizofrenico. E orei muito para ele nao me deixar semente. Porem a semente, cresceu e germinou.E diante dos fatos que vivenciei com outro dos rebentos, nao percebi antes.. [E dificil e os sentimentos se confundem na gente, uma vez que como maes, fica dificil separar o racional do emocional. Ouviremos coisas que nos confundirão, nos magoarão,ficaremos na duvida quanto a nossa própria sanidade. questionaremos coisas que nao sabemos em que momento falhamos tanto. E se permaencemos neste estado de auto comiseração nao ajudamos nem a nós mesmos e menos ainda aos filhos. A saida é conseguir uma indicação medica para uma avaliação psiquiatrica. E ingressar em juizo, obrigando o paciente a realizar o exame, que obviamente desde o primeiro momento ele passará a aceitar e se dispor a fazer. No entanto jamais farão. E quando a crise acontece, o surto propriamente dito, nao teremos sucesso. E seremos rotuladas de tiranas, que ja sao adultos, que maes nao devem se meter na vida dos filhos. Se nem nós que somos maes conseguimos lidar, que dirá os irmaos. Vivo hoje um momento destes. E tomei somente as decisoes necessarias. No inicio chorei muito novamente, me culpando por nao ter percebido antes. Ai resolvi ler sobre. E saber que eu nao sou a unica me confortou e me fez percorrrer desta vez o caminho das pedras enfrentando menos obstaculos. A indicação medica ja foi obtida. A petição foi batida e protocolada. E graças a Deus, neste ítem, um juiz nao pode dizer não à uma indicação médica. Afinal, como os proprios juizes costumam dizer, "a sra. nao tem competencia para falar disso, pois nao tem formação academica". Um medico tem. E ao juiz cabe apenas acatar o pedido, uma vez que a vida humana é o bem mais precioso. E mais uma vez o EStado é responsavel por isso. E fica ainda um conselho: caso algum magistrado estupido tente complicar, pegue o filho a força,coloque dentro do carro e interne de forma compulsoria e involuntária. Se for o caso chame a policia em momentos de descontrole e mande levar. Sem sentir culpa alguma. Afinal se pensarmos, seja qual for o orgao ou autoridade envolvida, só quem conhece nossos filhos somos nós. E ninguem os ama ou amará mais do que nós mesmas. Nao será uma pessoa totalmente estranha em nossa vida, que nada sabe ou vivenciou que julgará se um tratamento medico é necessario ou não. Não sem que se obtenha um diagnostico. E mais jamais cometem dação dolosa contra filho. Ai quem estaria surtado seria o magistrado. Entendo que os fins justificam os meios... Jamais pais serao processados por excesso de zelo. Por negligencia sim. Pela negligencia não so seremos condenados, como seremos consumidos pela culpa e remoroso. Nossa vida de qualquer forma terá acabado, ou a viveremos eternamente pela metade. Nao podemos nós levarmos a internação, a nao ser no RG, que como sempre atenta para o importante, onde existe uma clinica que trata do urgente e encaminha para para o importante. Ha uma clinica que interna de maneira involuntaria para um primeiro atendimento. Isso custa caro. Mas conseguimos. E caso contrario, chame a policia no momento da crise, mande levar ao PS mais proximo e enquanto o paciente é acalmado, converse com o medico, e obtenha dele a indicação para avaliçaõ psiquiatrica. Ele tambem nao poderá afirmar nada, pois é clinico. Porem ainda é um médico. E se for responsavel e comprometido, nao quererá isso na sua carreira. Ele estará vendo o estado do paciente naquele momento. Eu tive esta sorte. E isso de certa forma me encurtou o caminho. Ai vai de graça os sintomas a serem observados. E de brinde, o modelo de uma petição perfeita, com pedido de medida protetiva. Que é só o que uma mae pode desejar, antes de encontrar um filho morto, por ter cometido suicidio.Se nao for por amor ao filho, façamos pelo simples fatos de termos deixas los nascer. E se nao for para ter uma vida plena por negligencia nossa, ou por aceitarmos ordens de uma Justiça hoje completamente falha e falida, muito antes façamos à moda antiga: quando a palavra de uma mae tinha muito mais valor do que agora. De qualquer forma há maes e maes. Porem somente merece o titulo, quem age com coragem e determinação. As preguiçosas, as que se economizam ou as que ignoram os fatos por "os outros vao pensar", merece viver partida ao meio para o resto de seus dias. Estou divindo o conhecimento obtido e as formas que me facilitaram. Para mim esta custando todo um novo aprendizado..E como sempre, fazendo solitáriamente a caminhada. by Deise

Tentativas de assassinato, conspirações mirabolantes, histórias mais alucinantes dignas de filmes de Hollywood, de repente tomam conta da mente humana.
 Sem saber diferenciar o que é real e o que é delírio, no auge do desespero muitos cometem suicídio.
 Cenas como essas são típicas de pessoas que estão passando por uma crise de esquizofrenia, doença mental incurável que afeta o raciocínio e as emoções.
De acordo com especialistas a esquizofrenia é uma doença genética, passada de pai para filho, mas que também ninguém está livre de desenvolvê-la. Já que o surto psicótico é o aumento de uma substancia do cérebro chamada dopamina, quando em excesso causa uma série de sintomas que o individuo deve ser medicado. A esquizofrenia acontece principalmente entre 17 e 30 anos de idade. De acordo com o Ministério da Saúde 1,5 milhão de pessoas sofrem de esquizofrenia no Brasil.
Os episódios ou surtos da esquizofrenia só acontecem se tiver um fator desencadeante, associados ao estresse muito grande, desidratação, infecções, uso de substâncias químicas que geram estresse dentro do cérebro como a maconha, cocaína e até remédios para emagrecimento.
2m3qtye
O indivíduo passa a ter sintomas, delírios e alucinações. O esquizofrênico tem percepções que estão fora do normal, vê coisas que não existem, ouve coisas que não estão acontecendo, vozes do além, paranóia de estar sendo perseguido, como também desorganização do pensamento. Além disso, passa a ter um retraimento social, evitam contatos com os amigos, familiares, não tendo interesse para trabalhar, estudar. Portadores de esquizofrenia ainda podem ter alucinações táteis, como se insetos estivessem rastejando em sua pele.
Sem tratamento, sem o amparo da família, uma vítima da esquizofrenia pode viver como mendigo, perambulando pelas ruas, gritando e gesticulando.
Não existe cura para a doença, mas existe controle. Uma pessoa portadora da doença fazendo acompanhamento médico apropriado poderá ter uma vida normal, voltar a trabalhar, estudar, ter uma vida social que nem como tinha antes da doença ter se manifestado. O tratamento inclui uma combinação de medicamentos chamados antipsicóticos, psicológicos e sociais.
Por a esquizofrenia ser uma doença que não tem cura é muito importante não interromper o tratamento até mesmo depois dos sintomas terem desaparecidos, porque existe uma probabilidade alta dos surtos voltarem, entrar em crise enquanto o paciente está sem medicamento e cada episódio pode ser pior.

No Brasil, estima-se que haja cerca de 1,8 milhão de esquizofrênicos. A doença que atinge uma em cada 100 pessoas no mundo geralmente se manifesta no final da adolescência e muitas famílias não reconhecem ou ignoram os sintomas, por isso a pessoa fica anos sem tratamento.

A possibilidade de diagnóstico e intervenção precoces está em estudo em centros de referência como o Projeto Esquizofrenia (Projesq) do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Ipq-HC-FMUSP).

Convivendo com a doença

A esquizofrenia apresenta um conjunto de sintomas (ver listagem abaixo) que pode passar despercebido pela família, já que ela não afeta a inteligência. As pessoas que sofrem do mal muitas vezes são vítimas de preconceito, porque podem relatar que escutam vozes ou que são perseguidas, sendo consideradas como "loucas".

Apesar desses delírios, os esquizofrênicos não são perigosos e podem levar uma vida produtiva: " No imaginário popular, esse tipo de paciente pode estar sentado ao seu lado, talvez no ônibus ou no metrô, e de repente te esfaquear, sem motivo algum. Idéias como essa se alimentam do desconhecimento sobre o assunto, que se alia ao preconceito e à fantasia”, diz o médico Mário Rodrigues Louzã Neto, coordenador do Projeto Esquizofrenia do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo. Ele é autor do livro Convivendo com a Esquizofrenia — Um Guia para Portadores e Familiares (Prestígio Editorial).

Primeiros sinais

A esquizofrenia — classificada como transtorno mental, em geral crônico — começa a dar sinais no fim da adolescência e início da vida adulta. Por se tratar de doença, é importante não ter preconceito e procurar ajuda logo que se manifestarem os sintomas. O psiquiatra de uma rede pública pode estar apto a dar o diagnóstico e tratamento. Além dele, a busca de informação em livros e grupos de apoio a doentes e familiares pode ser de extrema utilidade.

Culpa e vergonha são sentimentos que rondam a família quando um parente recebe esse diagnóstico, o que costuma adiar o início do tratamento em cerca de dois anos. “Os pais tendem a se sentir responsáveis e muitos resistem a admitir a presença de um esquizofrênico na família", explica o Dr Mario.
A família pode e deve ajudar
O psiquiatra Leonardo Palmeira, a psicóloga Maria Thereza Geraldes e a psicopedagoga Ana Beatriz Bezerra também se aprofundaram no estudo da doença e escreveram um livro: Entendendo a Esquizofrenia – Como a família pode ajudar no tratamento? (Editora Interciência)

O dr. Leonardo explica como surgiu a proposta de escrever um livro para familiares de portadores de esquizofrenia: “ Nós desenvolvemos de 2000 a 2007 um programa de psicoeducação, que vem a ser um curso educativo sobre a esquizofrenia seguido de grupos terapêuticos com as famílias, no Centro Psiquiátrico Rio de Janeiro (CPRJ). Esse programa era permanente e tinha um curso semestral sobre esquizofrenia, oferecido aos familiares. Esse foi um dos trabalhos mais gratificantes que fiz nos meus dez anos de psiquiatria. Aprendi muito com os familiares, era uma troca intensa de informações e experiências e eles sempre insistiram muito para que houvesse um material didático, que pudessem levar para casa e deixar na cabeceira da cama”.

Além do livro, a equipe tem a expectativa de levar a experiência para a criação de programas similares em outras instituições no país: “ Precisamos falar mais dessa doença nos CAPS, nos centros comunitários, nos espaços da sociedade. Na Suíça, no estado de Vaud, eles organizaram um dia anual para lembrar a esquizofrenia, o Schizophrenia Day, quando ocorrem atividades culturais e são divulgadas informações sobre a doença. Um familiar foi entrevistado e justificou que era preciso falar da esquizofrenia, caso contrário ela voltaria a ser uma doença esquecida pela sociedade e é esta a sensação que tenho”, explica o dr. Leonardo.

Ele também alerta para o papel da família no bem-estar do doente: “ Diversos estudos em vários centros pelo mundo já comprovaram cientificamente que a informação para a família é a principal aliada do tratamento médico na recuperação do paciente. O número de recaídas e internações é significativamente menor entre pacientes que possuem uma família mais esclarecida e acolhedora”, conclui.
Principais sintomas da esquizofrenia
- Delírios
- Desorganização do pensamento
- Alucinações
- Perda da capacidade de reagir afetivamente
- Retraimento social e diminuição da motivação
- Tristeza, desesperança
- Idéias de ruína e de suicídio
- Dificuldade de memória e de concentração
- Dificuldade de planejamento e abstração

Mais informações: Projeto Esquizofrenia, Hospital das Clínicas de São Paulo


Quem desejar o modelo, escreva para o email acima no blog, que enviarei a petição pronta.

COMO AS SOGRAS SÃO CALUNIADAS. Falta de sorte a minha, que sou sogra, e nao me chamo Esperança...

Fernado Jorge
Ir para artigo inteiro
Conta Augusto de Lima que foi visitar, num dos arrabaldes de Ouro Preto, o romancista Bernardo Guimarães.
 O autor de A escrava Isaura vivia os seus últimos anos quase na miséria, numa deprimente e humilhante pobreza. Queixando-se da sorte, lamentou:
- O meu destino é de tal ordem, meu amigo, que a minha sogra tem o nome de Felicidade!...
Estaria sendo injusto o iniciador do sertanismo no romance nacional? Não compreenderia sua sogra, como Leandro, personagem de Aluisio de Azevedo? Afirma um dito popular, registrado por Perestrello da Câmara na sua Collecção de proverbios, adagios, rifãos, anexins, sentenças moraes e idiotismos da lingoa portuguesa, que “amizade de genro é sol de inverno”.
Pobres criaturas! Como são caluniadas! Poucos sabem compreende-las. Tanto os povos selvagens como os civilizados vem revelando, através dos séculos, uma invencível sografobia...
Os cafres jamais vivem com elas. Nem lhe pronunciam, muito menos, o nome. Os índios omáguas, da América do Norte, não permitiam que tivessem comunicação direta com os genros. Em Minahaça era proibido, a estes, mencionar o nome da sogra.
 Se, por distração, o nome lhes escapava, cuspiam logo no solo, exclamando:
- Enganei-me!
Os espanhóis costumam soltar este provérbio:
Suegra, ni aun de azúcar es buena.
Mas nem todas sogras são inimigas íntimas...
Edgar Allan Poe teve em Marie Clemm, mãe de sua esposa, um anjo tutelar. A senhora Clemm lhe arranjava dinheiro quando não tinha um níquel, consolava-o nas desventuras, fazia-o adormecer perpassando a mão rechonchuda pela sua atormentada fronte. O poeta amou-a como se fosse sua progenitora. Numa carta, das últimas que escreveu, confessou:
“Você tem sido tudo... tudo para mim, querida e sempre amada mãe, a mais querida e verdadeira amiga."
E a mãe da meiga Virgínia, depois que o autor de "O Corvo" desapareceu, disse um dia:
"Jamais gostava de ficar sozinho, e eu costumava sentar-me com ele, muitas vezes até as quatro horas da madrugada. Ele, na sua mesa, escrevendo, e eu cochilando na minha cadeira. Quando estava compondo 'Eureka', costumávamos passear para lá e para cá no jardim, abraçados um ao outro, até ficar eu tão cansada, a ponto de não poder mais andar. Ele parava alguns minutos e me explicava as suas ideias, perguntando-me se o entendia. Sempre me sentava perto dele quando estava escrevendo, e dava-lhe uma xícara de café quente, de uma ou de duas em duas horas. Em casa era simples e afetuoso como uma criança e durante todos os anos que viveu comigo, não me recordo de uma só noite em que tenha deixado de vir beijar sua ‘mãe’, como me chamava, antes de ir para a cama."
Que dirão, lendo este sentimental depoimento, os inimigos das sogras?
Excelente sogra, não podemos deixar de lembrar, foi a imperatriz Maria Teresa da Áustria, que persuadiu sua filha, a leviana Maria Antonieta, a respeitar o augusto e bonachão marido, Luís XVl. Chegou mesmo, esta dedicada sogra, a passar severa descompostura na rainha de França, ao ver que esta se havia referido ao esposo de maneira irônica:
“Que linguagem! – exclama a austríaca numa carta dirigida à filha – Le pauvre homme! Onde estão o respeito e a gratidão por tanta bondade?”.
Terêncio escreveu no ano 165 antes de Cristo, uma comédia chamada Hecyra, na qual mostra uma sogra bondosa, simpática, ideal, cujo nome é Sostrata. Talvez, por causa disto, sua peça não obteve sucesso ao ser representada...
Goldoni, na comédia La famiglia dell’ antiquario, explorou o antagonismo de uma sogra com a nora. A sogra "satânica" chama-se Isabella e a nora "seráfica" Doralice...
Há uma curiosa narrativa de Salomão Jorge, da qual me permito, com ousadia, fazer uma transposição literária. Narra que certo califa recebeu como presente de um soberano chinês um estranho metal.
Segundo afirmava o ofertante, este não se derretia de nenhum modo. Não existia fornalha capaz de torná-lo menos frio, mais inconsistente. Era um metal único na terra. O califa fez diversas experiências e verificou que realmente possuía natureza inamolgável. Não obstante, mandou apregoar por todo o país que se alguém conseguisse alterá-Io, ainda que fosse de maneira mínima, ganharia três valiosos prêmios.
 O primeiro era uma cornucópia de bronze, contendo mil rubis mais rubros do que as sedas de Damasco.
O segundo, um palácio de alabastro, coberto de topázios, com portas de ouro, todo pavimentado de esmeraldas, onde num lago de águas verdes e nenúfares de flores amarelas, deslizavam peixes azuis e prateados.
O terceiro, uma dançarina circassiana, de lábios mais vermelhos que os abrunhos escarlates, cútis tão alva como o lódão sagrado dos egípcios, e olhos merencórios, à semelhança de uma ave cujas asas estivessem partidas
Surgiram três candidatos.
 O califa mandou colocar o metal em cima de uma rígida pedra e reclinou-se em fofas almofadas de seda. Ia presenciar as experiências cercado por lânguidas odaliscas cobertas de véus transparentes. Guardavam sua sagrada pessoa trinta núbios de torsos desnudos, trajados de bombachas brancas e calçados com pantufas encarnadas.
O primeiro que surgiu, disposto a vergar o singular metal, era um homem de barba ruiva, carregando um alfanje esguio, curvo como o crescente. Trazia escudo oblongo, onde se desenhava um dragão alado, de bocarra ignescente.
 Vestia uma cota feita de couro de javali e via-se, pelo seu punhal de cabo lavrado, pelo seu elmo cintilante, que era um guerreiro. Avançou com passos hieráticos, marciais... Ergueu o alfanje e desferiu no metal um violento golpe, que silvou como a mais rápida das serpentes. Não aconteceu nada. Apenas sua arma encurvou-se ainda mais...
Depois surgiu um gigante de quase quatro metros de altura.
Segurava, numa das manzorras calosas, um pesado machado de ferro. Cada brinco de cobre que pendia de suas orelhas acabanadas, semelhantes às de um orangotango, tinha a largura e a espessura de um grosso bracelete. Levantou, qual homem das cavernas, sua tosca arma, e arremessou-a, num relâmpago, sobre o metal. O machado pulverizou-se em estilhas, espalhando no ar uma tênue poeira clara.
Por fim apareceu um mercador franzino, rosto lívido, cabelos crescidos até as costas, traje curto e surrado, de mãos amarelas e finas como pergaminhos.
 Desamarrou, ante o olhar surpreso de todos, um minúsculo embrulho. Dentro se achava um pedacinho róseo, sanguíneo, de carne. Com muita delicadeza encostou, de leve, aquela matéria flácida, roxa, mal cheirosa, no elemento invencível, que por escárnio parecia rebrilhar com fulgor diabólico.
Uma chispa acendeu-se e ouviu-se um pavoroso estrondo. A sala foi invadida por calor causticante. Todas fisionomias ficaram congestionadas e o ambiente, dando a impressão de haver sido incendiado, tornou-se purpúreo. O califa levantou-se, lesto, dos seus macios coxins e correu para perto do metal que se tinha transformado, ó milagre!, em matéria visguenta, pastosa, a esparramar-se pelo chão.
- Homem! - exclamou louco de espanto o califa - de que extraordinária substância é feito o teu talismã maravilhoso? Que naco de carne é este, tão virulento que é capaz de derreter o mais sólido, o mais vigoroso, o mais inabalável de todos os corpos? Diga-me, por Alá!
- Emir dos Crentes - respondeu o homenzinho - este talismã tão poderoso é apenas um pedaço da língua de minha sogra...
 

Mas eu sempre tento. Apesar De. E faltam ainda as duas ultimas amarras, para eu me desacorrentar. Depois disso, voarei tao alto tao alto, que ninguem mais podera me alcançar.

Dizem que sou louco por pensar assim
Se eu sou muito louca por eu ser feliz
Mas louca é quem me diz
E não é feliz, não é feliz
Se eles são bonitos, sou Alain Delon
Se eles são famosos, sou Napoleão
Mas louca é quem me diz
E não é feliz, não é feliz
Eu juro que é melhor
Não ser o normal
Se eu posso pensar que Deus sou eu
Se eles têm três carros, eu posso voar
Se eles rezam muito, eu já estou no céu
Mas louca é quem me diz
E não é feliz, não é feliz
Sim sou muito louca, não vou me curar
Já não sou o único que encontrou a paz
Mais louca é quem me diz
E não é feliz
Eu sou feliz

Bom humor é inevitavel. www.euodeio PT.com.br. Mas como sou uma anarkista respeito a opiniao e o pensamento alheio. Nao significa em momento algum que concorde. Eu odeio o Pt. e nao é por que dizem "coisas". É porque fui petista, e conheço os bastidores. E me retirei em tempo mais rapido do que o que entrei. Tenho idade suficiente para compreender quando querem comprar meus valores e principios. Mesmo quando eu nao os quero vender.

by Anais Políticos
..." Sendo assim, eis que este indigitado escriba resolveu ler o entulho diário publicado no site da revista Veja, notadamente, a coluna do sr. Reinaldo Azevedo. Pensei "vamos ver em qual parte do PT ele está batendo hoje". Será que ele estaria culpando Lula e Dilma pelo aquecimento global? Será que estaria culpando pelas inundações na Tailândia? Ou pela chuva de meteoros que se aproxima da Terra?
Qual não foi a suspresa deste que vos escreve ao perceber que na coluna em que falou da morte de Kadafi* ele não falou NENHUMA vez no nome de Lula, Dilma ou do PT?
Mas claro, almoço grátis não existe. Ele criticou as "esquerdas" pelo trololó de sempre. Incrivelmente esse homem não consegue dormir sem sentir raiva de alguém, sem espumar pela boca e vociferar seus impropérios para suas diatribes cotidianas. Reinaldo deve mesmo, ser um cérebro atormentado. Conseguiu colocar a culpa em Karl Marx, que já em seu túmulo há vários decênios. Azevedo pensa realmente que é Nietzsche. Nietzsche podia até ser um convencido rabugento, mas ao menos, tinha conteúdo. E não era vendido. Criticava igualmente cristãos e não cristãos, ricos e pobres. Azevedo só é falastrão com quem está do outro lado do muro. Quem o apóia, ele preserva. Quem lhe paga o salário, ele adula.

Lhe falta brilhantismo e vocabulário, além de tudo.
Bem, o resumo da ópera é que ele culpou Obama pela morte de Kadafi. Não que não seja culpa dele, mas Azevedo fala isso pra justificar a sua visão de que os republicanos deveriam novamente tomar o poder na América.
Até as pedras sabem que os republicanos são muito mais carniceiros que os democratas. E pior, eles não escondem seus intentos de açougueiros. Os republicanos dizem em alto e bom som para todos que queiram ouvir, que os EUA vieram ao mundo para dominar o planeta. Nada menos que isso.
Claro que gente da lavra de Azevedo não se interessa por nossa independência. Curiosamente esse tipo de gente tem um incompreensível apego ao império americano e um incontrolável desejo de submissão, característico dos desejos dos sodomizados.
Só na sexta-feira mesmo, pra poder ler um negócio assim e ainda continuar com o humor inabalado.

* Kadafi com "K" nos diferencia da Folha, que, preservando sua subserviência aos veículos em inglês, resolveu chamalo de Gadafi, com "G". Fazem isso ignorando que existe pronúncia e tradução típica do árabe para o português. Igual quando eles escreviam "Algeria" ao invés de Argélia.
 Bem a cara da nossa mídia, mesmo.

"Esta é a unica coisa util do artigo e que concordo em genero, grau e numero.
E postei porque acredito que ninguem é tao pobre que nao tenha nada para dar. Nem tao rico, que nada tenha a receber'.
by Deise

Reforma do Código Penal será discutida nas duas Casas do Congresso Nacional

Congresso Nacional inicia a discussão da Reforma do Código Penal
  
COMISSAO DE JURISTAS
Instalada no dia 18 de outubro (3ª feira), a Comissão de Reforma do Código Penal é composta por 16 juristas e tem como objetivo apresentar um anteprojeto de reforma do Decreto Lei 2.848, que é de 1940
Sob a presidência do Ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Gilson Dipp terá 180 dias para apresentar um anteprojeto que torne o código adequado aos princípios da Constituição de 1988 e às novas exigências da sociedade contemporânea. O requerimento para criação do colegiado foi do senador Pedro Taques (PDT/MT).
Além do Ministro Dipp, também foram indicados para integrar a comissão a ministra Maria Teresa Moura, do STJ; Antonio Nabor Areias Bulhões; Emanuel Messias de Oliveira Cacho; Gamil Föppel El Hireche; o desembargador José Muiños Piñeiro Filho; a defensora Juliana Garcia Belloque; a procuradora Luiza Nagib Eluf; o procurador Luiz Carlos Gonçalves; o professor Luiz Flávio Gomes; o promotor Marcelo André de Azevedo; Marcelo Leal Lima Oliveira; Marcelo Leonardo; professor René Ariel Dotti; Tiago Ivo Odon; e Técio Lins e Silva.
A participação na Comissão de Juristas não será remunerada, constituindo serviço público relevante prestado ao Senado. As despesas logísticas necessárias ao funcionamento da comissão deverão ser aprovadas em Plenário.
SENADO FEDERAL
A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal instalou ontem (20/10) uma subcomissão permanente de Segurança Pública.
Foram eleitos, por aclamação, Presidente da Subcomissão, o Senador Pedro Taques e Vice-Presidente, o Senador Aloysio Nunes Ferreira. Foi designado Relator, o Senador Eduardo Braga.
A Subcomissão deverá trabalhar em conjunto com recém-criada comissão de juristas para colaborar na redação do projeto de reforma do Código Penal.
O senador Pedro Taques afirmou que o principal desafio do colegiado é concretizar mudanças em relação à segurança pública e reunir os projetos de lei que tratam do assunto. Entre os temas de maior destaque citou a redução da maioridade penal e a unificação das forças policiais.
Também participarão dos trabalhos os senadores Lindbergh Farias (PT-RJ), Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), Demóstenes Torres (DEM-GO) e Jayme Campos (DEM-MT)
Ainda não está definida a primeira reunião de trabalho.
CÂMARA DOS DEPUTADOS
Na Câmara dos Deputados os trabalhos já estão mais adiantados. A Subcomissão Especial de Crimes e Penas da Câmara, também criada no âmbito da Comissão de Justiça, já avalia mudanças na legislação penal há três meses.
Esta subcomissão irá trabalhar em parceria com a comissão de juristas do Senado A informação é do relator da subcomissão, deputado Alessandro Molon (PT-RJ). Segundo ele, foi marcada uma reunião conjunta entre os colegiados no dia 4 de novembro.
A subcomissão deve apresentar o seu relatório final em dezembro, sendo que o maior desafio, destacado pelo relator, está em apresentar uma proposta que torne a legislação mais equilibrada, punindo de forma grave os crimes de grande potencial ofensivo e dando penas menores aos delitos mais leves.
O autor do pedido de criação da subcomissão foi o deputado Alessandro Molon (PT-RJ). Dentre os integrantes está o representante da CONAMP, promotor de Justiça no Rio Grande do Sul Mauro Fonseca.
Instalada em 10 de agosto o evento contou com a presença do presidente da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (CONAMP). , César Mattar Jr. e de diversos representantes da entidade.
A subcomissão de crimes e penas já realizou vários seminários para discutir a lei penal, com a participação de integrantes de associações de juízes, advogados, do Ministério Público e da Defensoria Pública, entre outros.
Dentre as sugestões que estão sendo analisadas a alteração no tamanho das penas deverá ser uma delas. É possível que haja tanto a extinção de crimes quanto a criação de novos tipos penais que não faziam sentido há 40 ou 70 anos.
O código em vigor é de 1940, porém já sofreu diversas modificações ao longo dos anos. A última delas, em 2010, alterou pontos relativos à prescrição (Lei 12.234/10). Antes disso, em 2009, uma nova lei modernizou o tratamento dos crimes sexuais (12.015/09). O Código Penal é a lei fundamental na definição de crimes e penas, mas há ainda uma série de normas específicas que também tratam de crimes, como é o caso da lei antidrogas (11.343/06).
Fonte: CONAMP

Dentro do mesmo time

                                                                                                                 Nando Reis

Entra pela porta da frente
Mas pula para o banco de trás
Abre a janela contente
Pra ver o sol fervendo no ar
E depois que o olhou
Fica sem falar
Escolhe o esmalte meticulosamente
Por ver razões na cor, que irão se explicar
Pra tudo funcionar simplesmente
Como gesto espontâneo, invulgar
E depois da cor
O que virá?
Se o mundo combinar felicidade e tristeza
Dentro do mesmo time
Lugar que não se vá
É o que há pra duvidar
Se é só isso que existe
Vai confirmar o olho que olhou
Ou esperar o sonho
Que ninguém sonhou
Onde você quer chegar
Espalha graça ao pleno presente
E mesmo ausente é doce sua falta
Espelho é o mar, o lago, meus dentes
Com um beijo posso ver sua alma
E depois que eu vou
Não vou voltar.
Enorme o seu lugar, quase o vento
Mas é dentro de mim mesmo que cabe
Não há vogais a mais no silêncio
Que morre se faltar a palavra
E depois falou:
- preciso mais!

E para compensar a loucura, um pocuo de sabedoria e muita lucidez. E melhor: de uma Justiça sem precedentes. São apenas lendas. Como diz o poeta, "A vida é realmente diferente, quer dizer, na vida é muito pior"

Reinado de Salomão
                                   

Existem diferentes datas para divisão do reino de Israel. Veja isso em Cronologia Bíblica.
Adonias, o filho primogénito de David, proclamou-se pretendente ao Trono e sucessor de seu pai. Segundo os profetas, era da vontade Divina que o sucessor fosse Salomão, filho de David e Bate-Seba. Visto que Salomão não era o herdeiro imediato ao Trono, isso levou a intrigas e conspirações pelos partidários de Adonias. O direito de Salomão ao trono é assegurado mediante ação decidida de sua mãe, do Sumo Sacerdote Zadoque e do profeta Natã, com aprovação do idoso Rei David. Logo que se tornou rei, Salomão eliminou todos os conspiradores e consolidou o seu reinado.
Diferente de seu pai, Salomão não se tornou num líder guerreiro, e isso, não foi preciso. Soube manter a grande extensão territorial que herdara de seu pai. Mostrou, de acordo com a tradição judaica cristã, ser um grande governante e um juiz justo e imparcial. Soube habilmente desenvolver o comércio externo e da indústria, as relações diplomáticas com países vizinhos, o que levou a um progresso considerável das cidades israelitas.
Salomão casou com uma filha de Faraó (Anelise) e recebeu como dote de casamento a cidade cananéia de Gezar. Renovou a aliança comercial com Hirão, Rei de Tiro.

  História do Bebê

A Salomão é atribuída a famosa história de que duas mulheres foram ao seu palácio.
 Duas mulheres tiveram filhos juntos, um dos filhos morreu e a mãe do que morreu, pegou a da outra mãe. De manhã, ela percebeu que aquele que tinha morrido não era seu filho e começaram a discutir.
 Foram até o palácio do Rei Salomão e contaram-lhe a história.
Ele mandou chamar um dos guardas e lhe ordenou: "Corte o bebê ao meio e dê um pedaço para cada uma".
Falado isso, uma das mães começou a chorar e disse:
 "Não, eu prefiro ver meu filho nos braços de outra do que morto nos meus", enquanto a outra disse: "Pra mim é justo".
Salomão, reconhecendo a mãe na primeira mulher, mandou que lhe entregassem o filho. 1 Reis 3:16-28.

Tradição posterior
A tradição posterior imputaria a Salomão grande sabedoria e ao seu reinado o status de época áurea. Ele é considerado dentro da tradição judaico-cristã, como o homem mais sábio que já viveu até então. A Bíblia nos relata que no seu reinado diversos reis e governantes vinham a Israel fazer perguntas e receber conselhos do Rei Salomão, incluindo a Rainda de Sabá.
 Durante os séculos posteriores, diversas obras de outros autores eram imputadas a Salomão, para dar-lhes valor.

Vendo pela milesima vez o filme "Ilha do Medo" , me veio a mente uma lenda. Medéia: um mito entre o bem e o mal

by Renata de Salvi

Os fascinantes mitos gregos não envelhecem. Criados há milhares de anos, representam padrões de comportamento presentes em qualquer tempo ou lugar.

 A história de Medéia, por exemplo, ensina que, na vida real, não existem mocinhos nem bandidos.

Ou seja:
De Santo e Louco, todos temos um pouco.

 
Medéia era uma mulher apaixonada. Tanto que, quando teve que optar entre ser fiel ao pai, o rei Aeetes, e ajudar Jasão, o destemido guerreiro que chegara ao reino para tomar posse do Velocino de Ouro e, com ele, salvar sua cidade da dominação de Pelias, a moça escolheu o herói, a quem amara desde a primeira vista. Perdidamente apaixonada por Jasão, Medéia fez uso de todos os artifícios de que dispunha para salvá-lo dos males aos quais o rei pretendia submeter-lo. Tanto que seus conhecimentos em magia foram usados para trair o próprio pai e garantir ao amado a guarda do velocino que tanto almejava. Porém, o esquema foi descoberto e o casal teve que fugir do reino.
Estava pronto o cenário ideal para a revelação de um dos lados mais cruéis da moça. Para atrasar o pai, que perseguia a embarcação na qual escapavam de sua fúria, Medéia matou e esquartejou o próprio irmão, que os acompanhava, jogando seus pedaços ao mar. O rei, então, parou para recolher os pedaços do filho e decretou que a moça acabara de perder a família. Já em local seguro, ela acreditava que teria uma vida invejável ao lado de Jasão. Puro engano. O herói voltou atrás na promessa de ser o seu marido, abandonando-a para casar-se com a filha do rei Creonte – união muito mais vantajosa para suas ambições políticas. Medéia não suportou a desilusão, nem os risos de sua nova inimiga. Foi então que, por vingança, matou os dois filhos que teve com Jasão, deixando-o desolado. E não parou por aí. Utilizando novamente seu conhecimento em magia, envenenou a futura mulher do amado e também o seu pai, o rei Creonte.
A Antiguidade foi marcada pelo silêncio de mulheres como Medéia, que só não foi perpetuado porque, na arte, eram abertos espaços para contar suas histórias. Nas mãos de Eurípedes, a narrativa dessa tragédia mitológica ganhou nova forma e expôs dimensões impressionantes da fascinante personagem, que viveu a dualidade do amor e ódio e levou às últimas conseqüências a dor de uma traição.

Outra parte da lenda conta as honras de Medéia:

Segundo a lenda grega, a feiticeira Medéia ajudou Jasão, líder dos argonautas, a obter o velocino de ouro. O mito é conhecido pelas versões literárias que lhe deram Eurípides, Ésquilo, Ovídio e Sêneca. Medéia era filha de Eetes, rei da Cólquida. Eetes possuía o velocino de ouro, que Jasão e os argonautas buscavam, e o mantinha guardado por um dragão.
A maga Medéia apaixonou-se por Jasão e, depois de ajudá-lo a realizar sua missão, seguiu com o grupo para a pátria de Jasão, Jolcos, na Tessália.
Mais tarde, Jasão apaixonou-se por Glauce e abandonou Medéia. Inconformada, ela estrangulou os filhos que tivera com Jasão e presenteou a rival com um manto mágico que se incendiou ao ser vestido, matando-a.
Medéia casou-se, depois, com o rei Egeu, de quem teve um filho, Medos. Por ter, porém, conspirado contra a vida de Teseu, filho de Egeu, foi obrigada a refugiar-se em Atenas.
Medéia foi honrada como deusa em Corinto e sobretudo na Tessália.
Sua lenda serviu de tema a obras artísticas e literárias de todos os tempos, das quais a mais conhecida é a tragédia Medéia, de Eurípides.

O Pato.

Havia dois irmãos que visitavam seus avós no sítio, nas férias. Felipe o menino, ganhou um estilingue para brincar no mato. Praticava sempre, mas nunca conseguia acertar o alvo.

Certa tarde viu o pato de estimação da vovó... Em um impulso atirou e acabou acertando o pato na cabeça e o matou. Ele ficou chocado e triste.

Beatriz,
a sua irmã viu tudo mas não disse nada aos avós.

 Após o almoço no dia seguinte, a avó disse: "Beatriz, vamos lavar a louça"

Mas ela disse: " Vovó, o Filipe me disse que queria ajudar na cozinha". E olhando para ele sussurrou: "Lembra do pato?"
 Então o Felipe lavou os pratos.
Mais tarde o vovô perguntou se as crianças queriam pescar e a vovó disse:
 "Desculpe, mas eu preciso que a Beatriz me ajude a fazer o jantar."

Beatriz apenas sorriu e disse,
"Está bem, mas o Felipe me disse que queria ajudar hoje", e sussurrou novamente para ele, "Lembra do pato?"
  
Então a Beatriz foi pescar e Felipe ficou para ajudar.

Após vários dias Felipe sempre ficava fazendo o trabalho da Beatriz até que ele, finalmente não agüentando mais, confessou para a avó que tinha matado o pato.
A vovó o abraçou e disse:
 "Querido, eu sei... eu estava na janela e vi tudo, mas porque eu te amo, eu te perdoei.
 Eu só estava me perguntando quanto tempo você iria deixar a Denise fazer você de escravo!"
 Qualquer que seja o nosso  passado, ou o que  tenhamos feito... (mentir, enganar, seus maus hábitos, ódio, raiva, amargura, ferir, grosseria,  etcetal ). Seja o que for...
 precisamos  saber que Deus estava na janela e viu tudo como aconteceu.

Ele conhece toda a nossa vida.
Ele quer que saibamos que Ele nos ama e que  sempre estamos perdoados.
 Ele está apenas querendo saber quanto tempo vamos deixar de  o diabo  fazer de nós um escravo.

Deus só está esperando que peçamos perdão. Ele não só perdoa,
como  Ele se esquece.
É pela graça e misericórdia de Deus que somos salvos. Temos  que ir em  frente e fazendo a diferença na vida de alguém hoje.

Pensando que
 Deus está na janela e sabe de tudo!
E acreditar firmemente que

"A vontade de Deus nunca irá nos levar onde a Graça de Deus não irá nos proteger".

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Enfim acho alguma coisa boa. E um homem parecido comigo no pensar. e sem medo de dizer o que pensa. Quase posso apostar que ele é gaúcho. e a proprosito, isso foi em 2005, E 6 anos após, o atual Senador Requiao continua uma vaca. E cada vez mais louca. by Deise

Postado: 17/09/2005
<>
<>
<>
Prezado Sr. Governador Roberto Requião

Venho mui respeitosamente requerer minha exoneração da casa militar do aeroporto do Bacacherí, a qual trabalho como piloto de helicóptero.

Tenho vários anos de prestação de serviço, e digo que chegou a hora de desabafar, pois o Sr. sabe muito bem que sou seu amigo pessoal, ou melhor, amigo na política não existe, por isso mesmo, me abro agora com o Sr. como um simples conhecido, e não como amigo, e não sou homem de voltar atrás em minha palavra.

Na época do governador Jaime Lerner, na minha opinião um judeu gordo e porco, o qual não me agradava nem um pouco, apoiou aquele japonês do Tanigushi para a prefeitura de Curitiba, que sucedeu aquele homossexual indecente o qual todos conhecem muito bem.

Na verdade estou farto da sua política de clientelismo e dos seus parentes que o Sr. deu 26 vagas de emprego, na verdade, estou farto do Sr. que atira pedras para todo o lado e acusa todos os seus adversários, não poupando absolutamente ninguém, não é a toa que recebeu o apelido popular de "vaca louca", e ainda sou obrigado a pilotar para o Sr. no helicóptero do governo do estado, quando e na hora que o Sr. bem entende, e não tenho direito nenhum de reclamar ou fazer alguma reinvidicação, afinal de contas, não passo
de funcionário público, e nada mais.

Por todas estas razões expostas acima, Sr. governador Roberto Requião, venho mais uma vez requerer meu pedido de exoneração da casa militar do aeroporto do Bacacherí, pois já venho há muitos anos aguentando calado e engolindo muitos sapos dos escândalos na política brasileira, incluindo os escândalos do seu atual governo do estado do Paraná.

Passar bem.

Sinceramente
Cmte. Wanderley Dull
Piloto Comercial de Helicóptero da Casa Militar do Aeroporto do Bacacherí - PR

Nunca acredite no que seus olhoe]s veem. Confie no seu cérebro. Se tentar inverter, o erro será inevitável. E o caos estara instalado. by Deise

Relembrando o passado...E continuando meus questionamentos, do porque escolhi viver minha vida da forma que vivo. Penso que preciso apenas disso. e isso é pouco. e no entanto nao consigo.Pelo simples fato que sempre vem ou tem alguem para se meter e estragar. Simplesmente complicando. O que para mim parece tao fácil.




A graça da vida é não saber.
 Fica sereno quem
arruma, com os entes e as coisas, o seu museu de
encantamentos.
Sem fichas.
Nunca que eu quis
explicações sobre o que eu tenho sentido. Vejo os
meus sonhos.
Ouço as minhas músicas.
 Ando pelos
meus jardins.
 Dou à minha gulodice o prazer que ela me
fantasia.
 Estas mãos, tantas vezes pousadas em livros,
em flores, em outros alimentos terrestres, continuam
mãos abertas a todas as surpresas.
 Um dia, na praia, o
cavalheiro erudito, indo até lá, como disse: “para sorver
o ar isolado”, porque me encontrou adorando a cor do
céu, logo se manifestou:
 — Sabe por que é azul a cor do
céu?
Confessei humilde:
 — Não.
 E não me conte,
pelo amor de Deus!



MOREYRA, Álvaro. As amargas, não. RJ: Editora Lux, 2ª ed., 1955

Quem obtiver a resposta, por favor repasse. E se alguem puder, me desminta. by Deise

Cenário 1:
Luis, de sacanagem quebra o farol de um carro, no seu bairro.
        Ano 1959: Seu pai tira a cinta e lhe aplica umas  sonoras bordoadas no traseiro. A Luis nem lhe passa pela cabeça fazer outra nova "cagada", cresce normalmente, vai à universidade e se transforma num profissional de sucesso.
· Ano 2011: Prendem o pai de Luis por maus tratos. O condenam a 5 anos de reclusão e, por 15 anos deve abster-se de ver seu filho. Sem o guia de uma figura paterna, Luis se volta para a droga, delinqüe e fica preso num presídio especial para adolescentes.
Cenário 2:
José cai enquanto corria no pátio do colégio, machuca o joelho. Sua professora Maria, o encontra horando e o abraça para confortá-lo...
· Ano 1959: Rapidamente, João se sente melhor e continua brincando.
· Ano 2011: A professora Maria é acusada de não cuidar das crianças. José passa cinco anos em terapia pelo susto e seus pais processam o colégio por danos psicológicos e a professora por negligência, ganhando os dois juízos. Maria renuncia à docência, entra em aguda depressão e se suicida...
Cenário 3:
Disciplina escolar
Ano 1959: Fazíamos bagunça na classe... O professor nos dava uma boa "mijada" e/ou encaminhava para a direção; chegando em casa, nosso velho nos castigava sem piedade e no resto da semana não incomodávamos mais ninguém.
· Ano 2011: Fazemos bagunça na classe. O professor nos pede desculpas por repreender-nos e fica com a culpa por fazê-lo. Nosso velho vai até o colégio dar queixa do professor e para consolá-lo compra uma moto para o filhinho.
Cenário 4:
Horário de Verão.
· Ano 1959: Chega o dia de mudança de horário de inverno para horário de verão. Nada acontece.
· Ano 2011: Chega o dia de mudança de horário de inverno para horáriode verão. A gente sofre transtornos de sono, depressão, falta de apetite, nas mulheres aparece até celulite.
Cenário 5:
Fim das férias.
· Ano 1959: Depois de passar férias com toda a família enfiados num Gordini ou Fusca, é hora de voltar após 15 dias de sol na praia. No dia seguinte se trabalha e tudo bem.
· Ano 2011: Depois de voltar de Cancun, numa viagem 'all inclusive', terminam as férias e a gente sofre da síndrome do abandono, "panic attack", seborréia, e ainda precisa de mais 15 dias de readaptação...
Cenário 6:
Saúde.
· Ano 1959: Quando ficávamos doentes, íamos ao INPS aguardávamos 2 horas para sermos atendidos, não pagávamos nada, tomávamos os remédios e melhorávamos.
B7 Ano 2011: Pagamos uma fortuna por plano de saúde. Quando fazemos uma distensão muscular, conseguimos uma consulta VIP para daqui a 3 meses, o médico ortopedista vê uma pintinha no nosso nariz, acha que é câncer, nos indica um amigo dermatologista que pede uma biópsia, e nos indica um amigo oftalmologista porque acha que temos uma deficiência visual. Fazemos quimioterapia, usamos óculos e depois de dois anos e mais 15 consultas, melhoramos da distensão muscular.
Cenário 7:
Trabalho.
· Ano 1959: O funcionário era "pego" cera (fazendo nada). Tomava uma regada do chefe, ficava com vergonha e ia trabalhar.
· Ano 2011: O funcionário pego "desestressando" é abordado gentilmente pelo chefe que pergunta se ele está passando bem. O funcionário acusa-o de bullying e assédio moral, processa a empresa que toma uma multa, o funcionário é indenizado e o chefe é demitido.
Cenário 9:
Assédio.
· Ano 1959: A colega gostosona recebe uma cantada de Ricardo. Ela reclama, faz charminho mas fica envaidecida, saem para jantar, namoram e se casam.
· Ano 2011: Ricardo admira as pernas da colega gostosona quando ela
nem está olhando, ela o processa por assédio sexual, ele é condenado a
prestar serviços comunitários. Ela recebe indenização, terapia e proteção
paga pelo estado.
Cenário9 :
Comportamento.
Ano 1959: Homem fumar era bonito, dar o rabo era feio.
Ano 2011: Homem fumar é feio, dar o rabo é bonito. A proposito, neste item não sei se é feio ou bonito. O rabo é dele. Eu mal consigo cuidar do meu. Mas há de se pensar....e...
PERGUNTAR:

Em que momento
 entre 1959 e 2011
 nos tranformamos
neste
?????????????

Sabias sao mães que conhecem seus filhos. Felizes os filhos que escutam suas maes. Se isso ocorre eles alçam voo. E chegam onde jamais puderam imaginar. by Deise


Um filho de Deus pode passar um longo tempo até reconhecer que é um filho. De fato muitos verdadeiros cristãos são como a história da aguiazinha que foi chocada debaixo de uma galinha. A águia é um tipo de verdadeiro crente. Bem, um fazendeiro pegou um ovo de um ninho de águia e o colocou debaixo da galinha. No devido tempo todos os ovos debaixo da galinha oclodiram. Os pintinhos entendiam-se bem com a mãe galinha, mas aquela aguiazinha não podia compreender o cacarejar e o ciscar em busca de alimento no monte de esterco. Ela conseguia levar a vida, mas estava muito confusa acerca daquilo tudo. Mas um dia, lá de cima nos ares a águia mãe que tinha posto o ovo avistou aquela aguiazinha no chão. Ela lançou-se para baixo com tremenda velocidade e gritou com toda voz para ela subir voando a encontrá-la. Ela nunca tinha ouvido um grito de águia, mas quando ouviu aquele 1º grito algo nela se agitou e ela desejou ardentemente lançar-se em direção a ele. Mas ela estava com medo de tentar. Novamente aquela mãe gritou para ela. Ela gritou em resposta que estava com medo. Mas uma vez ela bradou, gritando que ela tentasse. Batendo suas asas ela arrojou-se ao ar, e respondendo ao grito de sua mãe, levantou-se aos céus azuis. Veja você que ela sempre foi uma águia. Ela agiu como uma galinha por um pouco de tempo, mas não podia estar satisfeita. Porém, quando ouviu o chamado da grande águia ela chegou ao seu lugar próprio. E uma vez que um verdadeiro filho de Deus ouve o grito do Espírito pela Palavra, ele também, se dará conta de quem ele é e correrá para o Grande Profeta Águia e estará com Ele para sempre assentado em lugares celestiais em Cristo Jesus."
 As Sete Eras da Igreja, William Marrion Branham profeta de Deus para este tempo final

Quatro réus, entre eles o pai e a madrasta da criança, respondem por homicídio e ocultação de cadáver. Eles estão presos desde 2014

Caso Bernardo: quatro anos depois, como vivem os acusados de matar o menino EDUARDO MATOS Aos 11 anos, Bernardo morreu após ingerir alta dos...