Curto-circuito provocou incêndio no Mercado Público, diz perícia.

lico / Fotos / A
 08/07/2013 17h27 - Atualizado em 08/07/2013 17h41


Perito Rodrigo Ebert afirmou que fogo começou em um restaurante.
Delegado responsável pelo caso descartou incêndio criminoso no prédio.

Do G1 RS

HISTÓRIABombeiros combatem incêndio no Mercado Público de Porto Alegre (Foto: Maurício Gonçalves/RBS TV)Bombeiros combatem incêndio no Mercado Público
(Foto: Maurício Gonçalves/RBS TV)
O incêndio que atingiu o segundo andar do Mercado Público no último sábado (6), em Porto Alegre, foi provocado por um curto-circuito, iniciado em instalações elétricas de um restaurante, entre o forro e o telhado da banca 46. A conclusão preliminar é do Instituto Geral de Perícias (IGP) do Rio Grande do Sul. "Tivemos um arco voltaico de grandes proporções que chegou a estar acima da fiação elétrica do local. Isso ajudou muito na propagação do fogo. Houve uma sequência de curtos”, disse o perito Rodrigo Ebert, chefe da equipe que trabalha no prédio.
Ainda conforme o perito, somente uma análise mais aprofundada definirá o que realmente aconteceu e se há outro fator que tenha influenciado na propagação das chamas. De acordo com a análise preliminar do IGP, cerca de 20 lojas foram atingidas no segundo pavimento do Mercado Público, que segue isolado para o trabalho da perícia. O laudo deve ser concluído em 30 dias.
O delegado Hilton Muller, responsável pela investigação, descartou que o incêndio tenha sido criminoso. “Não houve incêndio criminoso. Isso é um dado importante. Não foi um ato de vandalismo, como chegou a ser cogitado. O que houve foi um incêndio culposo. Depois vamos definir quem foi o culpado por isso”, ressaltou. Segundo Muller, o proprietário e o gerente da banca onde o fogo começou já foram ouvidos. “Todos os extintores eram novos, as mangueiras estavam funcionando”, afirmou o delegado, isentando de culpa a administração do Mercado Público.
O incêndio
O fogo começou por volta das 20h30 e os bombeiros conseguiram controlar o incêndio às 22h30. Depois, trabalharam no rescaldo. Não houve registro de feridos. Quem estava no prédio conseguiu sair. A prefeitura afirma que todos os equipamentos de proteção contra incêndio do prédio estavam em dia, sendo 57 extintores que foram revisados há 15 dias e 10 mangueiras substituídas por novas. No entanto, como os profissionais que estavam no Mercado precisaram sair rapidamente, não puderam usar os extintores e mangueiras.
Segundo moradores da cidade, hidrantes falharam e faltou água para apagar o fogo. A população que se aglomerava em volta do prédio gritou revoltada "água, água" e vaiou os bombeiros. O prefeito garante que não houve falhas. "O que eu posso dizer é do enorme esforço dos profissionais", disse.
História do Mercado Público
Patrimônio Histórico e Cultural de Porto Alegre, o Mercado Público foi inaugurado em 1869 para abrigar o comércio de abastecimento da cidade. Tombado como um Bem Cultural, passou entre 1990 e 1997 por um processo de restauração, agregando mais qualidade a sua estrutura e recuperando a concepção arquitetônica original. Com as obras, o Mercado também ampliou o seu número de estabelecimentos comerciais. Além de oferecer bons produtos, procurando praticar uma boa política de preços, o Mercado Público também atua como espaço para manifestações culturais e comunitárias, proporcionando mais qualidade de vida a população.

DADOS

  • Inauguração: 03.10.1869
  • Projeto: Eng. Frederico Heydtmann, realizado em 1861
  • Estilo arquitetônico original: neoclássico
  • Estilo arquitetônico atual: eclético (após diversas reformas)
  • Possui a forma de um quadrilátero e foi inaugurado somente com 1 pavimento e 4 torreões (nas esquinas).
  • Adaptando-se ao crescimento da cidade e suas demandas, sofreu várias alterações, dentre as quais a construção, na sua parte interna, de chalés em madeira.
  • Em 1912 foi construído o 2º pavimento para abrigar escritórios comerciais e industriais e repartições públicas.
O Mercado Público passou por incontáveis mutações arquitetônicas e sobreviveu a diversas enchentes, incêndios e ameaças de demolição:
  • Enchente: 1941;
  • Incêndios: 1912 (que destruiu os chalés internos), 1976 e 1979;
  • Foi ameaçado, na Administração Telmo Thompson Flores, de ser demolido para construção de uma avenida.
Em 12 de dezembro de 1979, o Mercado Público foi tombado pelo Patrimônio Histórico e Cultural de Porto Alegre (Lei 4.317/77).
Em 1990, a Administração Popular organizou uma equipe multidisciplinar de técnicos para desenvolver o Projeto de Restauração,  no qual ficavam claros os seguintes objetivos:
  • Resgate da qualidade estética da edificação;
  • Otimização de seu potencial de abastecimento;
  • Valorização dos espaços de sociabilidade.
A reforma recuperou a percepção visual das arcadas, resgatou as circulações internas, criou novos espaços de convivência e implantou redes de infra-estrutura compatíveis com o funcionamento do Mercado. Foi construída uma nova cobertura que possibilitou a integração entre o térreo e o 2º Pavimento.
No 2º pavimento, onde antes existiam escritórios e repartições públicas, atualmente está sendo ocupado com diversos estabelecimentos como: restaurantes, lancherias, etc., através de concorrências públicas.
O Mercado, através da restauração, foi dotado de moderna infra-estrutura, qualificando seu espaço interno e externo, como duas escadas rolantes, 2 elevadores, 4 baterias sanitárias para o público, um Memorial, dentre outras melhorias. Também possui sistema de gás encanado, cujo produto é fornecido por uma central de gás externa ao prédio, que lhe confere maior segurança, além de vestiários e refeitório, para permissionários e seus funcionários, 4 câmaras frias (uma para lixo e 3 para produtos perecíveis) e um sistema de refrigeração já concluídos.
O custo da reforma ficou, na época, em R$ 9 milhões, sendo, 88% do orçamento da PMPA, e os demais 12% pelo FUNMERCADO e doações diversas. OFUNMERCADO (Fundo Municipal do Mercado Público) foi criado em 1987, através da Lei 5994/87. É formado com a receita arrecadada das permissões de uso, tendo a finalidade de custear a restauração, reforma, manutenção e animação do prédio.
Equipe responsável pela restauração do Mercado:

COORDENAÇÃO TÉCNICA GERAL

Arquiteto Octacílio Rosa Ribeiro (1991 a 1994)
Arquiteto Teófilo Meditsch (1994 a 1997)
Arquiteta Vera Maria Becker (1991 a 1997)


PROJETO ARQUITETÔNICO DE RESTAURAÇÃO

Arquiteta Doris Oliveira
Arquiteto Evaldo Schumacher
Arquiteto Octacílio Rosa Ribeiro
Arquiteto Teófilo Meditsch
Arquiteta Vera Maria Becker

PREMIAÇÃO
Em novembro de 1997, o “Instituto de Arquitetos do Brasil” e a “Fundação Bienal de São Paulo” conferiram aos autores do projeto, arquitetos Doris Maria de Oliveira, Evaldo Schumacher, Octacílio Rosa Ribeiro, Teófilo Meditsch e Vera Maria Becker  o Prêmio 3ª Bienal Internacional de Arquitetura, pelo trabalho “Mercado Público de Porto Alegre / RS”, categoria Patrimônio Histórico.

PERÍODO DE EXECUÇÃO DA RESTAURAÇÃO
Trabalhos iniciados em 1990 e desenvolvidos ao longo das Administrações dos Prefeitos Olívio Dutra, Tarso Genro e Raul Pont.

REINAUGURAÇÃO

A reinauguração ocorreu no dia 19 de março de 1997.


O Mercado Público no Século XIX, ainda somente com 1 piso.
Em primeiro plano, as docas do porto.


O Mercado em 1909, já com o segundo pavimento.


Um incêndio destrói toda a parte interna do Mercado em 1912.


Mercado Público - 1925


Em 1941, uma enchente assola a cidade de Porto Alegre.
Na foto, ao fundo, o Mercado Público tomado pelas águas.

O centro de Porto Alegre na década de 50.
Em destaque, o Mercado Público.


Década de 70.


Curiosidades

Você sabia...
  • que cerca de 150 mil pessoas circulam todos os dias pelo local e, que, na semana da Feira do Peixe e na semana que antecede o Natal, passa de 250 mil pessoas?

  • que no Mercado Público são utilizadas 380 lâmpadas para sua iluminação, fora ailuminação de cada loja ou banca?
    • que os primeiros trabalhadores do Mercado Público chegam por volta das 5h da manhã?
    • que as duas grandes padarias do Mercado funcionam 24h por dia?


    • que o Mercado, após a reforma que finalizou em 1997, passou a contar com 2 escadas rolantes e 2 elevadores, para facilitar a circulação pelo seu interior?
    • que o Mercado foi a primeira construção em alvenaria a ocupar um quarteirão inteiro em Porto Alegre?
    • que o Mercado possui uma central de refrigeração e uma central de gás localizados fora de seu prédio, na Praça Revolução Farroupilha?
    • que o portão central do Mercado, no Largo Glênio Peres, possui uma placa mostrando a altura das águas durante a enchente de 1941, que alagou Porto Alegre?
    • que o Mercado Público é referência para as religiões afro-umbandistas, por possuir, enterrado no seu centro, o Bará do Mercado?
    • que acontece no Mercado o projeto Vozes do Mercado, uma teatralização na visita guiada por atores às bancas e caminhos do Mercado Público? O espetáculo é gratuito com duração de 50 minutos ... (Leia mais)






    • que o Telecentro do Mercado Público é o mais movimentado da cidade?

      Com um público visitante diário de 400 pessoas, a unidade do Mercado Público lidera em número de freqüência a rede dos telecentros. Funciona como ferramenta para a geração de renda e empregos. A maioria dos usuários utiliza a rede com 12 computadores em busca de uma colocação no mercado de trabalho. Eles pesquisam sites de empresas de recursos humanos, procuram opções de trabalho e produzem currículos.

    • que o músico Neto Fagundes escreveu uma música para o Mercado?
                Eis a letra:

    No Mercado Público a gente come,
    ou leva alguma coisa para comer
    vela de acender para qualquer santo
    manto e guarda-chuva se chover.

    No Mercado Público tem bilhete,
    salada com sorvete na Banca 40,
    pente, flor, tabaco, sal, corrente,
    é o espaço democrático no coração da gente.

    Mercado Público,
    o mercado é público pode entrar,
    nosso mercado tem até trilho,
    é pena que o bonde não passa mais lá.




    Fotos: Gilberto Simon / Divulgação

  • Comentários

    Postagens mais visitadas deste blog

    PALETES E CAIXOTES DE MADEIRA NA SUA CASA JÁ!

    Reencarnação e Alma dos Animais por Chico Xavier

    A flor mais rara do mundo