Mulheres eram obrigadas a provar comida de Hitler para evitar envenenamento do Führer

Aos 96 anos, sobrevivente alemã conta como era a vida de 'provadora oficial' do líder nazista

POR 
Aos 96 anos, Margot Wölk decidiu revelar como era a vida de provadora oficial de refeições de Hitler - / AP

RIO - Aos 25 anos Margot Wölk era a provadora oficial de refeições de Adolf Hitler. A missão da jovem alemã era evitar que o Führer evitasse de ingerir comida envenenada. Essa incrível história foi revelada nesta semana pela própria Wölk, que agora tem 96 anos. Em entrevista ao canal de TV de Berlim RBB, ela rompeu o silêncio de décadas e contou como era seu cotidiano junto a outras 15 jovens na "Toca do Lobo", bunker nazista na Polônia.

VEJA TAMBÉM

- Algumas das meninas derramavam lágrimas quando começavam a comer, mas nós tínhamos que comer tudo. Os militares já ficavam esperando que nós ficássemos doentes horas depois das refeições. Mas depois de tudo, chorávamos feito cães, porque sempre sobrevivíamos - disse Wölk à RBB.

Wölk contou sua história no mesmo apartamento de Berlim onde nasceu em 1917. Filha de um funcionário ferroviário alemão, ela teve uma juventude despreocupada e tinha amigos judeus antes de os nazistas chegarem ao poder em 1933.



A jovem chegou à posição de provadora oficial de alimentos de Hitler por acidente. Em 1941, sua casa foi bombardeada em Berlim, e seu marido foi para o front do exército alemão. A jovem procurou então a mãe na cidade prussiana de Parcz, situada atualmente na Polônia, a cerca de 400 km a leste da capital da Alemanha. Era exatamente ali que ficava a "Toca do Lobo" de Hitler.

O prefeito da cidade, aliado dos nazistas, forçou Wölk a se tornar provadora. Todos os dias, um guarda da SS a buscava junto com outras meninas em um ônibus especial e as levava para uma escola, onde o grupo tinha que provar as refeições de Hitler.

- A segurança era tão forte que eu nunca cheguei a vê-lo (Hitler) em pessoa. Eu só vi seu cão alsaciano, o Blondi.

Temores de atentados contra Hitler não eram infundados. Em 20 de julho de 1944, um grupo de oficiais do exército alemão tentou assassinar o líder nazista ao detonar uma bomba na "Toca do Lobo". Cerca de cinco mil alemães suspeitos de envolvimento no episódio foram executados. Por conta disso, Wölk foi forçada a se mudar para um prédio fortemente vigiado onde ela continuou provando a comida do Führer.

No final de 1944, com o avanço do Exército Vermelho da União Soviética, Wölk conseguiu a ajuda de um soldado da SS para escapar. Ela foi encontrada em um trem usado pelo ministro da Propaganda nazista Joseph Goebbels, e fugiu para Berlim.

Mas nem mesmo o fim da Segunda Guerra foi suficiente para acabar com o horror na vida da provadora de alimentos. Assim como muitas mulheres alemães, Wölk sofreu abusos dos soldados soviéticos que ocupavam Berlim.

- Eles nos arrastaram para o apartamento de um médico. Nós fomos estupradas lá por 14 dias seguidos. Foi um inferno na terra. O pesadelo nunca vai embora

Um oficial britânico chamado Norman ajudou a jovem se recuperar dos traumas. No entanto, meses depois, ele voltou à Grã-Bretanha, embora enviasse cartas à jovem pedindo para ela se juntar a ele em solo inglês. Mas Ms Wölk lhe disse que queria esperar e descobrir se o marido Karl ainda estava vivo.

E eis que, em 1946, Karl apareceu repentinamente em sua porta, depois de permanecer detido em um campo soviético de prisioneiros de guerra. Ele pesava 45 quilos, tinha uma bandana em volta da cabeça e estava irreconhecível. O casal tentou viver uma vida normal, mas a guerra tinha deixado marcas permanentes em ambos.

O casal se separou anos depois. Karl morreu em 1990. Wölk vive sozinha com suas lembranças desde então.


Read more: http://oglobo.globo.com/sociedade/historia/mulheres-eram-obrigadas-provar-comida-de-hitler-para-evitar-envenenamento-do-fuhrer-13973250#ixzz3DhgDcNyw

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PALETES E CAIXOTES DE MADEIRA NA SUA CASA JÁ!

Reencarnação e Alma dos Animais por Chico Xavier

A flor mais rara do mundo