Diminuição da capacidade de identificar odores pode prever a morte




Pesquisadores da Universidade de Chicago apontam que alterações do olfato podem ser um prenúncio de mortalidade



Cientistas afirmam que o olfato é o sentido mais subestimado - Bloomberg / Tomohiro Ohsumi

RIO -
Para os mais velhos, ser incapaz de identificar odores fortes é um prenúncio de morte dentro de cinco anos, de acordo com um estudo publicado nesta quarta-feira na revista “PLoS ONE”. Trinta e nove por cento dos participantes do estudo que falharam um simples teste de cheiro morreram durante esse período, em comparação com 19% das pessoas com perda moderada de olfato, e apenas 10% das pessoas com um saudável senso de olfato.

Os perigos de perda de olfato foram "surpreendentemente significativos", os pesquisadores disseram, acima e além da maioria das doenças crônicas. Alterações do olfato foram melhores preditores de mortalidade do que um diagnóstico de insuficiência cardíaca, doença pulmonar ou câncer. Somente lesão hepática grave foi um preditor mais poderoso da morte. Para aqueles já em alto risco, a falta o olfato mais do que duplicou a probabilidade de morte.

VEJA TAMBÉM

Dieta rica em alimentos gordurosos pode comprometer o olfato, aponta estudo
Empresa lança mensagens de texto com cheiro
Pesquisadora desenvolve ‘nariz eletrônico’ para robôs



- Achamos que a perda de olfato é como o canário na mina de carvão - disse o principal autor do estudo, Jayant M. Pinto, professor associado de cirurgia da Universidade de Chicago, especializado em genética e tratamento de olfato e a presença de sinusopatia. - Isso não causa diretamente a morte, mas é um prenúncio, um alerta de que algo deu muito errado, que o dano foi feito. Nossas descobertas poderiam fornecer um teste clínico útil, uma maneira rápida e barata de identificar pacientes que estão mais em risco.

O estudo foi parte do Projeto Nacional de Vida Social, Saúde e Envelhecimento (NSHAP, na sigla em inglês), o primeiro estudo em casa de relações sociais e de saúde em uma amostra nacionalmente representativa de homens e mulheres com 57-85 anos.

Na primeira parte do projeto, conduzida em 2005-06, uma equipe profissional de pesquisa do Centro Nacional de Pesquisa de Opinião da Universidade de Chicago usou um teste bem avaliado, adaptado pela autora sênior do estudo, Martha K. McClintock, para esse campo de pesquisa de 3.005 participantes. Ele mediu a habilidade dos participantes de identificar cinco odores comuns distintos.

Os testes usaram “Sniffin’Sticks”, dispositivos de odores que lembram canetinhas de colorir, mas carregadas com aromas em vez de tinta. Participantes tiveram que tentar identificar cada cheiro, um por vez, de cinco opções disponíveis. Com o objetivo de aumentar a dificuldade, os odores eram menta, peixe, laranja, rosa e couro.

Medindo o cheiro com esse teste, eles concluiram que quase 78% dos testados foram classificados como tendo o olfato normal; 45,5% identificaram corretamente cinco dos cinco odores e 29% identificaram quatro de cinco.

Quase 20% acertaram dois ou três de cinco. Os 2,4% restantes puderam identificar apenas um dos cinco odores, e 1,1% não conseguiram identificar nenhum.

Os entrevistadores também avaliaram idade dos participantes, saúde física e mental, recursos sociais e financeiros, educação, abuso de drogas e álcool, através de entrevistas estruturadas, testes ou questionários. Como esperado, o desempenho no teste de cheiro diminuiu de forma constante com a idade; 64% dos jovens de 57 anos identificaram corretamente todos os cinco cheiros. Isso caiu para 25% nos participantes de 85 anos.

Na segunda parte, em 2010-11, a equipe de pesquisa confirmou cuidadosamente quais os participantes ainda estavam vivos. Durante esse intervalo de cinco anos, 430 (12,5%) dos originais 3005 tinham morrido; 2565 ainda estavam vivos.

Quando ajustado para as variáveis ​​de indicadores demográficos, como idade, sexo, status socioeconômico, saúde em geral, e raça, pessoas com perda de olfato maior quando testadas pela primeira vez foram substancialmente mais propensos a ter morrido cinco anos mais tarde. Mesmo a perda de cheiro suave foi associada com maior risco.

- Esse sentido evolutivo antigo pode apontar um mecanismo chave que afeta a longevidade humana - observou McClintock, professor de psicologia que estudou comunicação olfativa e feromônios ao longo de sua carreira.

Perda cheiro relacionada à idade pode ter um impacto substancial no estilo de vida e bem-estar, de acordo com Pinto, membro da equipe de cirurgia de otorrinolaringologia da universidade.

- Muitas pessoas com déficits de cheiro perdmr a alegria de comer. Eles fazem escolhas alimentares pobres, recebem menos nutrição. Eles não sabem quando os alimentos estragaram nem detectam odores que são sinais de perigo, como um vazamento de gás ou fumaça. Eles podem não perceber falhas na higiene pessoal - afirmou. - De todos os sentidos humanos, o cheiro é o mais subestimado e subvalorizado-até que ele se foi.

Precisamente como a perda de olfato contribui para a mortalidade ainda não está claro.

- Obviamente, as pessoas não morrem apenas porque seu sistema olfativo está danificado - disse McClintock.

A equipe de pesquisa, que inclui biopsicólogos, médicos, sociólogos e estatísticos, está ponderando várias hipóteses. O nervo olfativo, o único nervo craniano diretamente exposto ao ambiente, pode servir como um canal, eles sugerem, expondo o sistema nervoso central para a poluição, toxinas no ar, patógenos ou partículas.

McClintock observou que o sistema olfativo também tem células-tronco que se auto-regeneram, por isso, "uma diminuição na capacidade de sentir o cheiro pode ser sinal de uma diminuição da capacidade do corpo para reconstruir componentes-chave que estão em declínio com a idade e levar a todas as causas de mortalidade".


Read more: http://oglobo.globo.com/sociedade/saude/diminuicao-da-capacidade-de-identificar-odores-pode-prever-morte-14104845#ixzz3Ew12HQ9U

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PALETES E CAIXOTES DE MADEIRA NA SUA CASA JÁ!

Reencarnação e Alma dos Animais por Chico Xavier

A flor mais rara do mundo