terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Morte do procurador Pedro Jorge, do Escândalo da Mandioca, vira filme

O fato aconteceu há 35 anos. Ele foi assassinado quando investigava o desvio de milhões do Banco do Brasil




Um dos maiores casos de corrupção no Brasil, que ganhou repercussão internacional na época da ditadura militar, o Escândalo da Mandioca, será conhecido agora pelo jovem público num documentário sobre o assassinato do procurador da República Pedro Jorge de Melo e Silva, ocorrido há 35 anos, em Olinda, quando ele investigava a fraude que desviou cerca de R$ 34 milhões em valores atuais do Banco do Brasil para plantios que nunca aconteceram. O curta-metragem “Pedro Jorge: uma vida pela justiça” está sendo produzido pela Procuradoria Regional da República da 5ª Região, no Recife, em parceria com a Universidade Católica de Pernambuco (Unicap).

“Essa história nunca morreu. Talvez seja o único caso em que agentes da ditadura militar foram identificados, processados e presos durante o processo”, lembra Marques, em tempos de destaque da Lava Jato, o maior processo de investigação de corrupção no País.

Se estivesse vivo, o procurador estaria completando agora 70 anos. Na época do assassinato, deixou duas filhas pequenas, uma de dois e outra de cinco anos. O crime ocorreu na saída de uma padaria em Jardim Atlântico.

“O pistoleiro Elias Nunes Nogueira disparou três tiros contra o procurador, a mando do ex-major José Ferreira dos Anjos, um dos beneficiados pelo esquema de corrupção que estava sendo investigado por Pedro Jorge. Ele já vinha sofrendo ameaças dos denunciados e pressões para abandonar o caso, mas decidiu seguir em frente com seu trabalho e acabou morto”, lembra o Ministério Público Federal.

Segundo o MPF, o documentário tem a participação do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, dos ex- procuradores-gerais da República Geraldo Brindeiro e Aristides Junqueira, do arcebispo de Olinda e Recife, dom Fernando Saburido, da viúva de Pedro Jorge, Maria das Graças Viegas, e de suas filhas, Roberta e Marisa, entre outras personalidades.

by jconline

Nenhum comentário:

STF custará R$ 2 milhões por dia em 2018.

       O Supremo Tribunal Federal (STF) tem um orçamento de R$ 714,1 milhões previsto para este ano. O montante representa um custo de...