"Papillon é um filme norte-americano de 1973 realizado por Franklin J. Schaffner e estrelado por Steve McQueen, Dustin Hoffman, Victor Jory, Don Gordon e Anthony Zerbe. O argumento é da autoria de Lorenzo Semple Jr. e Dalton Trumbo, adaptando o livro autobiográfico de Henri Charrière com o mesmo nome. Conta a história de um homem injustamente preso na Ilha do Diabo, na Guiana Francesa". (wikipédia)


Sinopse

filme passa-se nos anos 1930, contando a fascinante história verídica de Henri Charrière, interpretado por Steve McQueen, um homem conhecido por Papillon por ter tatuada no peito uma grande borboleta (que, em francês, é "papillon"). Apesar de reclamar inocência da acusação de assassinato, é condenado à prisão perpétuae enviado para cumprir a sentença na costa da Guiana Francesa, próximo à Ilha do Diabo. É também avisado de que qualquer tentativa de fuga será punida com dois anos de permanência na solitária, passando a cinco anos se houver reincidência. Todavia, isso não assusta Papillon, que planeja novamente fugir. Na prisão conhece Louis Dega, interpretação de Dustin Hoffman, um famoso falsário de quem se torna amigo. Dega está preocupado com a sua segurança, uma vez que tem tido sucesso material à custa de outros prisioneiros na sequência das suas falsificações. Assim, estabelece um acordo com Papillon: ajudá-lo nas tentativas de fuga em troca de protecção. Papillon não perde tempo a planejar fugas, muitas das quais falham. Em uma delas - que dá origem a uma das melhores sequências do filme - consegue chegar juntamente com Dega a uma colônia de hansenianos ("leprosos") e depois a uma tribo de índios caribenhos. Quase conseguindo ser bem-sucedida, a fuga termina como consequência de uma traição e Papillon é reenviado para a prisão francesa. Como castigo, é enviado para a inexpugnável Ilha do Diabo, prisão de onde nunca ninguém tinha conseguido escapar.

Indicações


O filme foi nomeado para o Oscar de Melhor trilha sonora, da autoria de Jerry Goldsmith, e para o Globo de Ouro de Melhor Ator Dramático, pela interpretação de Steve McQueen.

A “Ilha do Diabo” não é somente uma prisão…é um purgatório onde homens pagam por seus crimes sofrendo as maiores degradações e brutalidades. Localizada na Guina Francesa, é um lugar cercado por uma floresta impenetrável e de onde é impossível que algum de seus prisioneiros consiga fugir. Henri Charrière (Steve McQueen), conhecido por “Papillon” devido à tatuagem de uma borboleta que carrega em seu peito. Louis dega (Dustin Hoffman) é seu companheiro, um prisioneiro frágil e intelectualizado. Ininterruptamente, os dois trabalham em uma forma de fugir, pois o espírito de “Papillon” se recusa a ser corrompido pelo sistema selvagem, humilhante e desumano do sistema prisional. Esta é a verdadeira história da luta de 2 homens e sua obsessão por liberdade.

PAPILLON - O Homem que Fugiu do Inferno
- Henri Charriere



Um livro de mais de 400 páginas fascinante!

Resumo:

"Considerada como a "maior história verídica de fuga e aventura alguma vez escrita", o famoso livro "Papillon", de Henri Charriere, parece não ser aquilo que sempre pareceu ser.

Com a alcunha de "Papillon" (Borboleta), o homem, que durante uma dúzia de anos foi feito prisioneiro na terrível colônia penal da Guiana Francesa, tornou-se milionário com a publicação, em 1968, do seu livro que relatava as suas tentativas para alcançar a liberdade. Papillon é um livro de memórias escrito pelo criminoso condenado e foragido Henri Charrière publicado pela primeira vez na França em 1969 que se tornou um best-seller instantâneo na época. Foi traduzido para o Inglês em 1970. Logo depois o livro foi adaptado para um filme de Hollywood. Segundo seu autor, Papillon é um romance autobiográfico. Não é realmente verdade, todos os eventos e prisões que ele descreve não correspondem ao intervalo de tempo suposto. Na realidade hoje em dia é na melhor das hipóteses consideradas como um romance de narrativa, retratando as aventuras de vários dos companheiros de prisão de Charrière. Assim, o livro é mais sobre um personagem fictício do que sobre o homem real que foi o autor. Charrière tinha a reputação de grande contador de histórias. O título do livro foi baseado no apelido de Charrière, derivado de uma tatuagem de borboleta no peito (Papillon sendo a palavra francesa para 'borboleta')."

Curiosidades, bastidores, novidades, e até segredos escondidos de "Papillon" e das filmagens!

A inspiração de Hoffman para o papel


Dustin Hoffman baseou seu personagem no roteirista do filme, Dalton Trumbo, particularmente no seu jeito tímido, que Hoffman percebeu logo no primeiro encontro com ele.

Para enxergar bem

Curiosidades sobre Papillon
Dustin Hoffman teve que usar lentes de contato para que ele pudesse enxergar corretamente através dos óculos de lentes grossas que ele usa no filme.

História que deu origem ao filme pode ser falsa



Embora tenha-se dito que a história de Henri Carrière é verdadeira, muitos franceses que vivem na Guiana Francesa afirmam que foi fabricada. Isso porque documentos mostram que Papillon foi para o cárcere em Saint Laurent e provavelmente escapou de lá, e que ele nunca esteve preso na Ilha do Diabo (hoje conhecida como Iles du Salut), como é mostrado no filme. Além do mais, o filme e o livro mostram a ilha com um terreno de pedras montanhosas, sendo que essa não é a real geografia do local.

Borboleta no peito


O filme é uma adaptação para os cinemas do romance autobiográfico de Henri Carrière, que tinha o apelido de Papillon (borboleta em francês), por possuir o animal tatuado no peito.

Henri Carrière na Ilha do Diabo


O verdadeiro Papillon, Henri Carrière, tinha apenas 25 anos quando foi mandado para a Ilha do Diabo.

Duas grandes distribuidoras


"Papillon" é um dos raros filmes que tiveram duas grandes distribuidoras envolvidas na estreia. Primeiro, Allied Artists e depois Columbia

Diretores

Atores e atrizes

Produção

Produtor

Equipe técnica

Compositor

Atividades empresas

Produção
Produção
Produção


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PALETES E CAIXOTES DE MADEIRA NA SUA CASA JÁ!

Reencarnação e Alma dos Animais por Chico Xavier

A flor mais rara do mundo