quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Incêndio de Vila Socó (Vila São José),em Cubatão/SP: Uma data para não esquecer

A GRANDE CATÁSTROFE OCORREU NA NOITE DE SEXTA-FEIRA E MADRUGADA DE SÁBADO, DO DIA 25 DE FEVEREIRO DE 1984.


O Jornal Cidade de Santos, edição do dia 26 de Fevereiro de 1984, estampava a seguinte manchete, ocupando praticamente toda a capa.

Catástrofe abala Baixada.

Milhares de litros de gasolina, procedentes de um vazamento numa das tubulações da Refinaria Artur Bernardes, transformaram a Vila São José (Vila Socó) num imenso mar de chamar, na madrugada de ontem, destruindo 500 barracos e matando dezenas de homens, mulheres, crianças e animais. A dor, a desolação e o desespero formam a imagem do local, onde nem a ação de 200 bombeiros de Santos _ com a ajuda de São Bernardo do Campo e Santos André _ conseguiram evitar a tragédia. A incredulidade e o excesso de burocracia de funcionários da refinaria foram as causas principais da tragédia, segundo denúncias de pessoas que tentaram acionar os bombeiros, quando foi constatado o vazamento, às primeiras da manhã de sexta-feira.

UMA NOITE DE FOGO E MORTE


Na maior tragédia de todos os tempos, chamas consumiram metade da Vila Socó.

E a Refinaria agiu tarde demais.

Um mar de chamas alimentado por milhares de de gasolina procedente de um vazamento numa das tubulações da Refinaria Presidente Bernardes,devorou anteontem à noite e madrugada de ontem cerca de 500 barracos na Vila São José (Vila Socó), matando dezenas de homens, mulheres, crianças e animais.Durante toda a noite o fogo, que em dados momentos tinha labaredas de mais de 100 metros, ardeu destruindo tudo que encontrava pela frente, deixando em seu rastro a dor, a desolação e o desespero.

Cerca de 200 bombeiros de Santos comandados pelo tenente – coronel Nilauril Pereira da Silva, contando com auxílio de carros-bombas de São Bernardo do Campo e Santo André, lutaram desesperadamente para minimizar a tragédia e, conseguiram em parte: eles isolaram um trecho do núcleo residencial e impediram que a destruição fosse total. Mesmo assim, o que aconteceu está sendo apontado como a maior tragédia de todos os tempos na região.

A incredulidade e o excesso de burocracia de funcionários da Refinaria, segundo denúncia de pessoas que tentaram acionar os bombeiros, quando foi constatado o vazamento, sem que o fogo tivesse começado, foram as causas principais do número de vítimas.

Ao tomar conhecimento do fato, o funcionário respondeu que primeiro acionaria um engenheiro da empresa residente em Santos e caberia a ele fazer a avaliação e chamar os bombeiros, se julgasse oportuno.

Tivesse a providência sido tomada de imediato, é possível que os bombeiros não podesse evitar o incêndio, mas pela vivência e pela prática, teriam talvez evacuado a área e evitado que tantas pessoas morressem ou ficasse gravemente feridas.

Foi de tal porte a tragédia de Cubatão que um oficial bombeiro desabafou: “A situação é tão grave e o fogo foi tão rápido, que nos tornamos impotentes para poder combatê-lo”.

Também o tenente Nilauril teve um momento de descontrole emocional, chegando ás lágrimas, por não poder fazer mais em favor dos humildes moradores da Vila São José.

Quando o dia amanheceu o incêndio já estava sob controle, mas era simplesmente impossível dar números exatos.

CORPOS LIBERADOS NO LOCAL

Devido ao número elevado de corpos, os médicos legistas deslocaram-se para o a área com a recomendação de liberar os corpos no próprio local, uma vez que o IML de Santos, não dispõe de instalações suficientes para um atendimento deste porte. As autoridades acreditam que também a tarefa de identificação das vítimas será difícil. Na maioria dos casos, somente através de informações de vizinhos ou pelo processo de eliminação vai ser possível fazer a relação dos desaparecidos.

MADRUGADA DE HORROR NA VILA SOCÓ

O horror. A madrugada infernal não deixou amanhecer em Vila Socó.

A meia noite a Vila era um mar de chamas, às duas horas um braseiro,às quatro horas um solo calcinado, cinzas, tocos fumegantes. O cheiro de carne queimada se sente à distância e não abondona facilmente as narinas. As brasas crepitam também e o barulho se ouve de longe, tudo a volta ainda arde e há corpos por toda a parte, até onde a vista alcança em meio a fuligem e a fumaça asfixiante. Os corpos queimados negros, o horror.

“Meu Deus, ah! Meu Deus”. Os gritos e orações se sucedem em meio a multidão que vai-e-vem pela margem da rodovia, pelos caminhos internos, sem saber para onde ir. Os relatos são dramáticos e vem um após outro, como se falar aos jornalistas aliviasse alguma coisa. Vozes gaguejantes, lágrimas, desespero:

“ Eu tive tempo de lançar minhas três filhas no rio do cano e me atirar antes que minha casa explodisse com tudo que tinha dentro. Estamos salvos, salvos por Deus do céu”. (de Mariana Rodrigues, empregada doméstica).

“Minha filhinha, Jesus, minha filhinha não saiu, não saiu” (de Antonio Conceição, falando de Patrícia de 3 anos, antes de entrar em estado de choque).

“Meus vizinhos morreram todos, marido, mulher, cinco filhos e a sogra. Não tiveram a menor chance” ( de Marcio Rodrigues de Souza, fumegante, costas queimadas, pele solta).

Cada mangueira dos bombeiros é empunhada por mais de 50 pessoas, moradores, amigos, gente de toda a parte. As explosões se sucedem por toda a parte – os butijões transformaram-se em bombas por entre os escombros e toda a tragédia. Os recuos e avanços das mangueiras são feitos mediante ordens gritadas e se fazem perigosamente, os movimentos nem sempre são ordenados.

O desespero acompanha o serpentear do jato d’água que vai descobrindo cadáveres.

Ninguém tem nada a dizer, e a dor só leva aos monossílabos. “Muita gente morreu, moço, gente demais”. Diz uma senhora apressada, quase em transe.

“Porque é que eu tenho que ver isso, porque tenho que estar aqui”., lamentava o experiente bombeiro, lágrimas escorrendo, escorrendo, pelo rosto enegrecido, pela boca chamuscada. “ Só naquele lugar ali (aponta) eu vi mais de vinte corpos, famílias inteiras, crianças, mulheres”… (de Armando jovem voluntário, da cota 95, que caminhou pela estrada mais dez quilômetros, para dar combate corpo-a-corpo às malditas chamas – se ele estivesse numa guerra real, de bombas e armas, seria um herói festejado).

Heroísmo que penetrou os corações mais moles, fé que penetrou os corações mais duros, os dois componentes maiores da guerra contra a fatalidade, guerra de muitas baixas.

A luta seguiu com a chegada do dia e as primeiras luzes encontraram olhares apáticos, distantes e úmidos, flagraram em meio as cinzas pais a procura de filhos, filhos a procura de pais. Autômatos que que andam pelas brasas, queimam os pés,mas não sentem nada além da dor da procura incerta, muitas vezes frustantes , outras vezes conclusiva: “Ali, ali, aquela mão, o anel, ah! Meu Deus”…

Em cinco minutos a destruição

Ninguém sabia ao certo o horário que o fogo começou, mas todos garantiram que bastou cinco minutos, para que devorasse Vila Socó.

O soldado do Polícia Rodoviária, Saturnino , estava de plantão no Forte Apache – posto rodoviário ao lado da favela, ás margens da Anchieta – quando foi avisado, às 22h30, por um morador sobre o forte cheiro de gasolina se fazia sentir na Vila.

E é o próprio Saturnino que conta os fatos que sucederam ao aviso até eclodir o trágico sinistro. “ Assim que foi alertado, estava sozinho no posto e avisei a Petrobrás. Às 23h00 chegou o pessoal da empresa, junto com o carro do bombeiros da Refinaria e mais três PMs de plantão em Cubatão. Eles bloquearam as passagens do oleoduto e lançaram espumas pelo túnel, alertando em seguida os favelados para que evacuassem a área. Como estava chovendo, muita gente acabou preferindo permanecer nos barracos, mas houve outros que vieram pedir abrigo aqui no posto rodoviário, alegando que conseguiria dormir com o cheiro da gasolina”. Segundo o soldado, a maré estava naquele momento em direção ao mar, “daí porque a destruição foi maior em uma das extremidades da favela, justamente onde a maré estava concentrando mais gasolina. Da minha parte assim que começou, acionei a rede de telecomonicações com prioridade para o incêndio que eclodiu por volta de 1 hora da madrugada”.

A operação de socorro envolveu guarnições de bombeiros de toda a Baixada, Santo André, São Bernardo do Campo, São Paulo, ambulâncias, polícia civil, militar e rodoviária, Dersa e até soldados do 2º Batalhão de Caçadores. A Prefeitura de Cubatão colocou caminhões, tratores, máquinas niveladoras e todo o pessoal disponível. Somente no dique foram utilizados mais de cem caminhões de areia na tentativa de conter as chamas. Também empresas de ônibus particulares enviaram dezenas dezenas de veículos para o local, a fim de serem utilizados no transporte de desabrigados para o Centro Esportivo de Cubatão.

Uma Operação gigantesca que, pelos depoimentos, em nada se comparou aos fatos que antecederam o sinistro. O Soldado Saturnino afirmou que até eclodir o fogo somente o bombeiro da Refinaria esteve no local, e após o bloqueamento das tubulações e o lançamento da camada de espuma para isolar a gasolina, nada mais foi feito além do apelo para evacuação da favela e a permanência em caráter de observação, do pessoal da Refinaria. Acontece que até aí muita gasolina já havia sido despejada no mangue. As declarações do soldado de plantão no posto apache foram endossadas totalmente pelo comandante da Polícia Rodoviária no Estado de São Paulo, coronel Gianoni, que chegou no final da madrugada ao local.



Um incêndio que nenhum bombeiro evitaria, diz Esteves

Nas primeiras horas da manhã de ontem, o superintendente da Refinaria engenheiro Mário de Freitas Esteves, chegou ao local em companhia de vários assessores. Entre uma determinação e outra ele atendia a imprensa: disse em princípio que sempre considerou um perigo a existência de habitações junto a oleodutos, “Pois em caso de um problema qualquer, uma verdadeira tragédia poderia acontecer, como está acontecendo”, frisou. Alegou não poder de imediato informar sobre a causa do vazamento, pois técnicos precisariam primeiro fazer um levantamento da situação.

Para Mário de Freitas, vai ser muito difícil precisar com exatidão o foco de ignição. Poderia ser uma lamparina, uma vela, um fósforo aceso ou até mesmo uma fagulha originada de um fio elétrico. Perguntado se a burocracia da Refinaria não teria originado a tragédia, Mario de Freitas respondeu de forma indireta “ nenhum bombeiro do mundo evitaria esse incêndio”. Quanto a isso não restam dúvidas, mas o que as pessoas colocam é que, se avisados a tempo, os bombeiros não poderiam ter retirado maior número de pessoas, diminuindo a quantidade de vítimas. A uma pergunta sobre quem chegou primeiro na região, os oleodutos ou os barracos, o superintendente não precisou nem pensar para responder: “primeiro chegaram os oleodutos”.

SOB CONTROLE

A seguir, Mario de Freitas explicou que a situação estava sob controle. Até mesmo o fogo, que continuava a queimar no local do vazamento da gasolina, era fruto de uma atitude deliberada. Enquanto houver gasolina na tubulação o fogo se manterá, é uma maneira de evitar que o restante da gasolina escape e novos focos de incêndio ocorram. Quantas horas esse fogo vai durar, segundo Mario de Freitas, é difícil dizer. Quando da entrevista, por volta das 8 horas, o fogo já durava quase nove horas e até que se esgote todo o combustível da tubulação, poderá levar outras 8 ou 9 horas. Concluindo, o superintendente da Refinaria explicou que uma avaliação mais concreta somente ocorrerá depois de um minucioso levantamento de todos os problemas.

Fotos da edição do Jornal Cidade de Santos

Fonte: Jornal Cidade de Santos, edição do dia26/02/1984, nº 5.989


21/02/2014

Curta-documentário 'Uma tragédia anunciada' relembra incêndio da Vila Socó

Lançamento da produção do diretor cubatense Diego Moura acontecerá na terça (25), às 19 horas, no Novo Anilinas

No exato dia em que o mundo ficou sabendo da maior tragédia da história de Cubatão, há 30 anos, o Cine Roxy do Novo Anilinas sediará o lançamento de um curta-documentário que relembra os detalhes deste triste evento.

Dirigido pelo jovem diretor cubatense Diego Moura, com produção da 6D Filmes, Anima Produções e PontoHum, "Uma Tragédia Anunciada" será apresentado em sessão pública na terça-feira (25), a partir das 19 horas.

Com entrevistas de ex-moradores e especialistas, entremeadas por imagens de arquivo, o documentário volta à época da tragédia que vitimou dezenas de moradores da favela de Vila Socó, na madrugada de 24 para 25 de fevereiro de 1984. "Essa história não pode ser esquecida e deve servir de exemplo para cada vez mais consolidarmos o desenvolvimento com sustentabilidade", declarou a prefeita Marcia Rosa, que parabenizou os organizadores do curta pela iniciativa.

Após a exibição do documentário, haverá debate com os seus realizadores, autoridades e lideranças comunitárias, como o jornalista e advogado Dojival Vieira dos Santos, fundador da Associação das Vítimas da Poluição e das Más Condições de Vida de Cubatão e o cineasta João Batista de Andrade, que produziu um documentário sobre a tragédia ainda nos anos 1980 e atualmente é Diretor Presidente da Fundação Memorial da América Latina. O encontro será mediado pelo jornalista Manuel Alves Fernandes, um dos repórteres que cobriram o desastre desde seus primeiros momentos.

O evento encerra a programação oficial de eventos realizada pela Prefeitura de Cubatão e Sociedade de Melhoramentos da Vila São José em homenagem aos 30 anos do desastre.

Tragédia - Desde o dia 23 de fevereiro de 1984, os moradores da favela Vila Socó começavam a se queixar do forte cheiro de gasolina que emanava do mangue. Porém, os responsáveis pelos dutos que por ali passaram entenderam que seria apenas mais um cheiro que saía dessas águas, conforme reportagens da época.

A esse erro, somaram-se outros, como erros de sincronização e excesso de pressão do sistema de bombeamento de combustível e falta de manutenção da rede de tubos. O resultado não poderia ser mais trágico: na madrugada de 24 para o dia 25, o duto A-S estourou e o fogo resultante do vazamento de 700 mil litros de gasolina consumiu a favela, então com quase 6.000 moradores.

Oficialmente, o número de mortos é 93, segundo as autoridades estaduais da época. Muitos dos sobreviventes, no entanto, discordam disso, já que diversas vítimas desapareceram calcinados, em cenas que jamais serão esquecidas por quem as viu.

A favela deu lugar ao núcleo residencial da Vila São José; a Petrobrás indenizou as vítimas e construiu cerca de 400 novas casas. Outros sobreviventes foram transferidos para a Vila Natal. Atualmente, o local da tragédia possui todas as especificações de segurança internacionais, e Cubatão mantém um dos mais bem elaborados planos de Defesa Civil do País.

Em 2011, a Prefeita Marcia Rosa inaugurou na Vila São José a primeira Praça da Cidadania da cidade, com uma ampla estrutura esportiva e de lazer, atraindo milhares de pessoas anualmente.



Texto: Allan Nóbrega - MTb 52.208-SP


A noite do terror na Vila Socó

dom, 16/02/14

Bastaram poucas horas para que o fogo consumisse os cerca de 1.200 barracos da favela da Vila Socó, que tinha uma população calculada em 6 mil habitantes. O incêndio, que começou pouco depois da meia-noite dia dia 24 de fevereiro, provocou 93 mortes, segundo os números oficiais, mas antigos moradores da favela afirmam que muitos desapareceram e jamais foram encontrados. No começo da noite da véspera, moradores sentiram forte cheiro de gasolina que emanava do mangue, por onde passava um duto da Petrobras que recebia o combustível da refinaria de Capuava. Acionados, supervisores da refinaria de Cubatão vistoriaram o local, tranquilizaram os moradores e deixaram o local convencidos de que era apenas um cheiro normal por onde passa um duto de gasolina.
Na semana que vem, a partir do próximo domingo, a Prefeitura de Cubatão realizará vários eventos destinados a lembrar os 30 anos da tragédia da Vila Socó. O mais emblemático será o culto ecumênico marcado para as 19 horas da segunda-feira (24), no mesmo local onde foi erguida a urbanizada Vila São José. O culto será em homenagem às vítimas, mas também aos sobreviventes, muitos dos quais ainda possuem pelo corpo as marcas da tragédia. Em outros eventos, como a exibição do documentário “Uma Tragédia Anunciada”, no Cine Roxy Novo Parque Anilinas, o diretor Diego Moura, baseia-se em entrevistas e denúncias da imprensa para comprovar que dezenas de mortes poderiam ter sido evitadas. A Petrobras sabia que passava sob a favela um oleoduto construído em 1951, sem manutenção.
A tragédia da Vila Socó teve dimensão nacional, mas as vida perdidas não foram em vão. O péssimo estado de conservação do duto de gasolina chamou a atenção de deputados e senadores e leis foram criadas para proteção civil. Também começaram a tomar forma leis de proteção ambiental.  Lamente-se que tenha faltado uma ação política mais enérgica, capaz de interromper o bombeamento de gasolina da refinaria de Capuava para o terminal santista da Petrobras na Alemoa. Há quem garanta que a tragédia foi provocada pelos técnicos de Capuava, que não fecharam as válvulas dos tanques de bombeamento da gasolina para o duto de Cubatão. Há também quem garanta que o incêndio foi causado pela imprudência dos técnicos que operavam o duto em Cubatão, que provocou o vazamento da gasolina. Mas ninguém foi punido.
 by fernando.allende

Nenhum comentário:

DST pouco conhecida preocupa especialistas

A 'Mycoplasma genitalium' (MG), bactéria causadora de doença sexualmente transmissível, já tem mostrado resistência aos antibióti...