4 riscos previstos para a OGX - e que se concretizaram

1 de 4

Endividamento

Quando a OGX estreou na bolsa, em junho de 2008, captou nada menos que 6,7 bilhões de reais. No final daquele ano, o empresário Eike Batista tinha um caixa de 7,5 bilhões de reais para começar a operar sua petroleira. Hoje, o endividamento da empresa, segundo dados do balanço do primeiro trimestre, é de 7,9 bilhões de reais. A maior parte dessa dívida (95%) está em dólar, na forma de bônus. Como os ativos da empresa não passam de 4,2 bilhões de reais, o empresário terá de diluir sua participação na OGX para conseguir equilibrar a situação. Segundo informações do jornal Valor Econômico, a OGX deverá reestruturar sua dívida em bônus e investidores que compraram os títulos sairão perdendo.
O que dizia o prospecto: "Pretendemos financiar nossos futuros dispêndios de capital com os recursos obtidos através desta Oferta (abertura de capital), com o fluxo de caixa das operações e com contratos de financiamento futuros, que poderão incluir formas de financiamento de capital que diminuam a participação dos nossos acionistas. Nosso fluxo de caixa das operações e acesso ao capital estão sujeitos a uma série de variáveis. (...) Se deixarmos de gerar ou de obter capital adicional suficiente no futuro, poderíamos ser compelidos a reduzir ou postergar nossos desembolsos de capital, vender bens ou reestruturar ou refinanciar nosso endividamento, o que poderia afetar adversamente os resultados de nossas operações e nossa situação financeira."
by Veja

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PALETES E CAIXOTES DE MADEIRA NA SUA CASA JÁ!

Reencarnação e Alma dos Animais por Chico Xavier

A flor mais rara do mundo