sábado, 13 de abril de 2013

Cientistas brasileiros aguardam nuvem magnetizada expelida pelo Sol



Observatório Solar Dinâmico17 fotos

17 / 17
abr.2013 - Imagem mostra um flare solar que ocorreu em 11 de abril, evento que corresponde a um flash de radiação eletromagnética visível e invisível que ocorre quando a energia armazenada no campo magnético próximo à manchas solares é liberada. Esta radiação compreende comprimentos de onda que vão desde as ondas de rádio (infravermelho) até os raios X e raios gama (ultravioleta) Leia mais Nasa/SDO
Cientistas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) aguardam a chegada neste sábado (13) de uma nuvem magnetizada vinda do Sol. Em 11 de abril, uma explosão solar resultou em intensa ejeção de plasma, conhecida como ejeção de massa coronal (CME, na sigla em inglês), que está se dirigindo para a Terra.
Essa nuvem provoca perturbações na magnetosfera terrestre (campo magnético terrestre) que podem gerar desde auroras nas altas latitudes e regiões polares a até tempestades geomagnéticas – em caso de perturbações severas.
 "CME é uma gigantesca nuvem de plasma magnetizado que é expulsa pela camada mais externa da atmosfera solar - coroa - em direção ao espaço com velocidades de centenas de milhares de quilômetros por segundo", explica José Roberto Cecatto, do Programa de Estudo e Monitoramento Brasileiro do Clima Espacial do Inpe.
O pesquisador informa que este CME, pela posição de onde se originou  no Sol, está dirigido para a Terra e apresenta formato  em halo. A velocidade estimada do fenômeno é relativamente alta (cerca de 1000 km/s), indicando que deve chegar à Terra por volta da primeira metade do dia 13 de abril.
Entre os efeitos que essas tempestades podem causar está, por exemplo, a indução de poderosas correntes elétricas na superfície terrestre que podem afetar ou interromper sistemas de fornecimento de energia.
"A intensidade das perturbações sofridas pela magnetosfera terrestre depende da direção e intensidade do campo magnético associado à nuvem do CME em relação à direção e intensidade do campo da magnetosfera da Terra. Quando possuem direções contrárias ocorrem as perturbações severas com efeitos mais intensos no clima espacial. Ainda não é possível medir com exatidão a direção do campo magnético da nuvem do CME antes de sua chegada ao ambiente terrestre, pois ainda não existe uma sonda ou satélite dedicado a especificamente a essa medição", diz Cecatto.
by Uol
13/042013

Nenhum comentário:

O INTERESSANTE ESTADO DE DIREITO

Fernando Gabeira Há coisas que não entendo no Brasil. Ou melhor, coisas que me esforço para entender. O STF, por exemplo, ne...