domingo, 9 de julho de 2017

O INTERESSANTE ESTADO DE DIREITO


Fernando Gabeira

sábado, 1 de julho de 2017

Geração Y, Z, acabou… Bem vinda Geração I

post
Lucas S. Ferreira

Aproximadamente em 1980 tivemos a Geração Y (da qual faço parte), seguiu-se logo após uma tal de Geração Z, que nasceu num mundo já dominado por tecnologia e que perdura até hoje. Porém acredito que essa Geração Z tem se misturado a outra que eu gostaria de denominar de Geração I. I de Inexistente.
Nossa tecnologia criou um mundo de inexistentes apesar das milhares de formas de conexões com que nos relacionamos atualmente. Falo “relacionamos”, no inteiro sentido da palavra, porque nossas máquinas muitas vezes são mais pessoais que a pessoas que respiram ao nosso lado.
Convivemos com adolescentes e jovens hipnotizados por aparelhos de mão que dominam qualquer lugar onde eles estejam. Aparentemente o interessante é o que existe no virtual e não o que me olha nos olhos e enxuga minhas lágrimas. Apesar que em breve provavelmente nossas criações, dotadas de inteligência artificial, já estarão fazendo isso também.
A felicidade se exibe no Facebook e a satisfação pessoal se mede pelo número de curtidas que alguém recebe. Seu telefone toca ou alguém se senta ao seu lado, mas é mais interessante digitar frases rápidas com carinhas engraçadas, baseadas em nossas emoções no Whatsapp, do que viver essas mesmas reações e emoções numa vida autêntica. Preferimos um aplicativo de encontros para buscar sexo e companhia, assim como alguém escolhe meio quilo de carne moída em um açougue, isso é mais interessante do que sair de casa e ir para algum lugar na Terra e conhecer pessoas reais.
Ah! Nossa tristeza também merece postagens em redes sociais! O mundo precisa saber que eu estou triste e que estou “superando”, afinal receber frases de apoio e carinho de pessoas que mal olham na minha cara no mundo físico é muito mais interessante e prazeroso.
Nossos familiares podem morrer sentados em uma cadeira ao nosso lado, mas nossos olhos não se movem do Snapchat ou qualquer outra rede que faça com que nos esqueçamos da nossa própria vida sem graça.
Na internet somos mais legais, mais inteligentes, mais bonitos, mais queridos, mais amados, mais reconhecidos, mais apoiados, mais TUDO.
Na internet somos Inexistentes se nossa única intenção é sermos ali alguma coisa.
Somos construções daquilo que os outros desejam e num circulo virtual todos tentam se tornar o que os outros esperam. Tarefa frustrante. De repente então estamos completamente perdidos, nossa subjetividade não existe mais e sim a expectativa daquilo que eu preciso ser para o mundo.
A pergunta inconsciente dos dias atuais é: “Quem eu sou mesmo?”.
A Ansiedade é requisito hoje para a juventude que quer pertencer a algum grupo e é mais importante e exuberante se dizer que tem “Depressão”, do que dizer simplesmente que “está tudo bem”. A solidão então… esta é melhor deixar em algum canto fingindo que ela não está ali.
Geração I, Inexistente… Inexistente de realizações, de progresso como seres humanos, de objetivos, de produzir cultura, educação ou até mesmo comida. Inexistente de saber se relacionar, de empatia, de se mover.
O mundo inteiro está a disposição, mas ir até a esquina sem postar a #partiuesquina não tem graça.
Estamos cercados de tudo, mas cheios de nada.
Um surto coletivo já pode ser observado se você, é claro, tiver tempo para parar por alguns segundos e notar o que está acontecendo ao seu lado.
A Economia pode ruir e a tecnologia pode entrar em pane.
No entanto, o maior colapso será o do ser humano Inexistente de si mesmo, pois não sabe mais quem é.

A implosão da mentira



Affonso Romano de Sant'Anna


Fragmento 1

Mentiram-me. Mentiram-me ontem
e hoje mentem novamente. Mentem
de corpo e alma, completamente.
E mentem de maneira tão pungente
que acho que mentem sinceramente.
Mentem, sobretudo, impune/mente.
Não mentem tristes. Alegremente
mentem. Mentem tão nacional/mente
que acham que mentindo história afora
vão enganar a morte eterna/mente.
Mentem. Mentem e calam. Mas suas frases
falam. E desfilam de tal modo nuas
que mesmo um cego pode ver
a verdade em trapos pelas ruas.
Sei que a verdade é difícil
e para alguns é cara e escura.
Mas não se chega à verdade
pela mentira, nem à democracia
pela ditadura.

Fragmento 2

Evidente/mente a crer
nos que me mentem
uma flor nasceu em Hiroshima
e em Auschwitz havia um circo
permanente.
Mentem.
Mentem caricatural-
mente.
Mentem como a careca
mente ao pente,
mentem como a dentadura
mente ao dente,
mentem como a carroça
à besta em frente,
mentem como a doença
ao doente,
mentem clara/mente
como o espelho transparente.
Mentem deslavadamente,
como nenhuma lavadeira mente
ao ver a nódoa sobre o linho. Mentem
com a cara limpa e nas mãos
o sangue quente. Mentem
ardente/mente como um doente
em seus instantes de febre. Mentem
fabulosa/mente como o caçador que quer passar
gato por lebre. E nessa trilha de mentiras
a caça é que caça o caçador
com a armadilha.

E assim cada qual
mente industrial?mente,
mente partidária?mente,
mente incivil?mente,
mente tropical?mente,
mente incontinente?mente,
mente hereditária?mente,
mente, mente, mente.
E de tanto mentir tão brava/mente
constroem um país
de mentira
—diária/mente.

Fragmento 3

Mentem no passado. E no presente
passam a mentira a limpo. E no futuro
mentem novamente.
Mentem fazendo o sol girar
em torno à terra medieval/mente.
Por isto, desta vez, não é Galileu
quem mente.
mas o tribunal que o julga
herege/mente.
Mentem como se Colombo partindo
do Ocidente para o Oriente
pudesse descobrir de mentira
um continente.
Mentem desde Cabral, em calmaria,
viajando pelo avesso, iludindo a corrente
em curso, transformando a história do país
num acidente de percurso.

Fragmento 4

Tanta mentira assim industriada
me faz partir para o deserto
penitente/mente, ou me exilar
com Mozart musical/mente em harpas
e oboés, como um solista vegetal
que absorve a vida indiferente.
Penso nos animais que nunca mentem.
mesmo se têm um caçador à sua frente.
Penso nos pássaros
cuja verdade do canto nos toca
matinalmente.
Penso nas flores
cuja verdade das cores escorre no mel
silvestremente.
Penso no sol que morre diariamente
jorrando luz, embora
tenha a noite pela frente.

Fragmento 5

Página branca onde escrevo. Único espaço
de verdade que me resta. Onde transcrevo
o arroubo, a esperança, e onde tarde
ou cedo deposito meu espanto e medo.
Para tanta mentira só mesmo um poema
explosivo-conotativo
onde o advérbio e o adjetivo não mentem
ao substantivo
e a rima rebenta a frase
numa explosão da verdade.
E a mentira repulsiva
se não explode pra fora
pra dentro explode
implosiva.


Este poema, que foi enviado ao Releituras pelo autor, foi publicado em diversos jornais em 1980. Apesar do tempo decorrido, face aos acontecimentos políticos que vimos assistindo nesses últimos tempos, ele permanece atualíssimo.

Segundo Affonso Romano de Sant'Anna, foi publicado também em várias antologias, como "A Poesia Possível", Editora Rocco - Rio de Janeiro, 1987, "mas os leitores a toda hora pendem cópias", afirma o poeta.

Conheça o autor e sua obra visitando "Biografias".

segunda-feira, 26 de junho de 2017

O FUTURO DOS PREDADORES


25.06.2017 EM BLOG

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Amor na Net

Virtuais
Beijos
Eletrônicos
Digitados
Impressos
Na tela que mostra
Essas Bocas
Sem língua
Nem gosto
Sem rosto
Nem lábio
Amor
Cibernético
Que inventa
Suores
Em CORES
E gritos
Sem dores
E coitos
Sem tato
E corpos
Sem alma
Sem calma
Sem nada
Paixão
Digital
Animal
Que ri
Da razão
Fincando
 Raízes
Gerando
O ensejo
Criando o desejo
De que o beijo
Seja Lábio
E tenha vida
De que a Boca
Seja Rosto
E tenha Gosto
De que o Grito
Seja Coito
E cante um Hino
E que o Tato
Seja Corpo
E mostre a Alma...

                           

 
 

terça-feira, 6 de junho de 2017

O que é Agorafobia



Agorafobia (do grego ágora - assembleia; reunião de pessoas; multidão + phobos - medo) é originalmente o medo de estar em espaços abertos ou no meio de uma multidão. Em realidade, o agorafóbico teme a multidão pelo medo de que não possa sair do meio dela caso se sinta mal e não pelo medo da multidão em si. Muitas vezes é sequela de transtorno do pânico. Quando o medo surge é difícil saber se está se tendo um ataque de pânico ou agorafobia, porque ambos têm quase os mesmos sintomas.

A agorafobia poderia ser traduzida mais precisamente como o medo de ter medo. É a ansiedade associada a essa perturbação, classificada como antecipatória, já que se baseia no medo de se sentir mal e não poder chegar a um hospital ou obter socorro com facilidade. A antecipação da sensação de mal-estar é tão intensa que pode originar um episódio de pânico. É uma perturbação marcada por um estado de ansiedade exacerbada, que aparece sempre que a pessoa se encontra em locais ou situações dos quais seria difícil sair caso se sentisse mal (túneis, pontes, grandes avenidas, ônibus lotados, trens, barcos, festas, ajuntamentos de pessoas etc.).

Diferentemente da maior parte das pessoas, que sequer se preocupa com esse tipo de coisas, o agorafóbico não consegue desvincular-se dessas crenças irracionais, o que pode levar a comportamentos de fuga em relação a situações potencialmente ameaçadoras (ir a cinemas, concertos, centros comerciais etc.), limitando cada vez mais a sua qualidade de vida.

No clímax do problema, tais pessoas só se sentem verdadeiramente bem em casa (de preferência, acompanhadas) ou no seu carro – por ser visto como um prolongamento do lar por funcionar como um meio rápido para lá chegar, em caso de aflição. O agravamento da situação condiciona de forma brutal o quotidiano dessas pessoas. Atividades simples como ir ao supermercado, ao cabeleireiro ou ao ginásio deixarão de poder ser concretizadas sem acompanhamento, visto que o agorafóbico tenderá a pensar “E se eu me sentir mal, quem é que vai estar lá para me ajudar?”.

Esse isolamento progressivo faz com que alguns casos de agorafobia se confundam com situações de fobia social. Mas tais perturbações são diferentes. Por exemplo, uma pessoa que sofre de fobia social teme entrar num local público porque receia que todos fiquem olhando para si (medo do julgamento das pessoas). Assim, até pode conseguir frequentar esses espaços, mas esforçar-se-á por passar despercebida, sem ser notada.

Pelo contrário, o agorafóbico não teme ser avaliado pelas pessoas que frequentam aquele espaço – ele teme não ter a quem recorrer caso se sinta mal. Do mesmo modo, tais pessoas podem desenvolver o medo de andar de elevador, dando vazão à claustrofobia, que é outra manifestação possível da agorafobia.

Tal como acontece noutras perturbações, os comportamentos fóbicos podem existir em níveis variáveis de pessoa para pessoa, pelo que nem sempre é necessário recorrer à ajuda especializada. Algumas pessoas poderão identificar-se com pequenos indícios das manifestações descritas anteriormente, sem que isso implique que possam ser rotuladas de agorafóbicas.

O mais importante passa por identificar quaisquer comportamentos de fuga que estejam a condicionar o seu dia-a-dia e tentar vencê-los, até que praticamente desapareçam - o que pode ocorrer. Enfrentar pouco a pouco esse medo infundado é o caminho para vencer a agorafobia (através do auto-entendimento de como se processa essa fobia), além de se lançar mão dos medicamentos disponíveis, como ansiolíticos e antidepressivos.

Wikipédia

Você sabe o que é a síndrome do pânico?


© Fornecido por eCycle síndrome do pânico

Síndrome do pânico, ou transtorno de pânico, é uma condição caracterizada por crises abruptas e inesperadas de medo e desespero de maneira recorrente e regular. Os sinais mais aparentes são coração disparado, falta de ar e suor abundante, levando muitos pacientes a confundirem o ataque com um ataque cardíaco.

A síndrome do pânico é mais comum do que se pensa. No Brasil, estima-se que 1% da população tem a condição e 5% dos brasileiros relata já ter tido um ataque de pânico.

É importante ressaltar que ansiedade é uma parte natural da vida e até saudável. O transtorno do pânico, no entanto, é caracterizado pela forma abrupta e recorrente com que acontece. Alguém com a condição pode tê-los regularmente e a qualquer momento, o que pode agravar a ansiedade.

Ataques de pânico

Apesar de serem assustadores e intensos, eles não são perigosos. Os sintomas variam de acordo com a pessoa, mas eles são, em grande parte:

Náusea
Sudorese
Tremores
Dificuldade de respirar
Tontura
Formigamento
Sensação de morte iminente
Palpitações.



Causas

A causa pode não ser específica. Geralmente é considerada uma combinação de fatores físicos e psicológicos.

Segundo a Mayo Clinic, alguns dos fatores que podem levar ao transtorno do pânico são

Genéticos
Eventos traumáticos
Estresse
Temperamento sensível ou suscetível a emoções negativas
Mudanças na função cerebral


Ataques de pânico podem começar subitamente e sem aviso, mas com o tempo percebe-se que eles são engatilhados por certas situações. Identificar os gatilhos pode ajudar no tratamento e redução dos ataques.

Tratamento

Não existe uma cura, o objetivo é reduzir o número de ataques e diminuir sua severidade. Para isso, a recomendação envolve acompanhamento psicológico e medicação.

É muito importante procurar ajuda médica assim que possível. O tratamento é muito mais eficaz quando o diagnóstico é feito nas etapas iniciais.

Quando não tratado, o transtorno de pânico pode levar o paciente ao isolamento e até ao desenvolvimento de outras condições, como a agorafobia.

Considerações

Existem certas medidas que podem ajudar a amenizar e reduzir a intensidade dos ataques.

Encontre uma área segura

Como é difícil determinar a duração dos ataques, encontre um lugar seguro em que você possa ficar sozinho.

Se você estiver dirigindo, encoste o carro em uma área segura.

Aceite o ataque de pânico

O primeiro ataque de pânico é o mais assustador, pois a pessoa não sabe o que está acontecendo no momento. No entanto, conforme eles se repetem, você passa a aprender como controlá-los melhor. Por isso, não resista ao ataque, isso pode agravá-lo e aumentar a ansiedade e o pânico. Por isso, assegure-se que o ataque não apresenta uma ameaça para sua vida e que ele irá passar.

Alguns especialistas indicam ter um mantra pessoal que possa confortar a pessoa no momento do ataque. Frases como “vou ficar bem” “vai passar” são muito usadas.

Foco

Durante um episódio de pânico a mente tem a tendência de ser carregada de pensamentos e sensações assustadores. Concentre o seu foco em algo, isso divergirá sua atenção dos pensamentos e ajudará a acalmar sua respiração. Foque nos tempo passando em seu relógio, a respiração do seu animal, dite os números da tabuada do sete... Ou o que for melhor para você.

Acalme sua respiração

É um instinto acelerar a respiração em momentos de pânico. Tente focar nela. Pode parecer que seu pulmão não é capaz de suportar oxigênio, mas respirar rápido demais pode agravar a situação. Respire profunda e lentamente e conte até três em casa respiração.

Existem aplicativos de respiração para momentos como esse, eles simulam a respiração e facilitam que ela seja reproduzida pelo usuário.


Confira o vídeo. Nele, a audiência deve respirar conforme as formas se expandem e diminuem.

Ter uma alimentação saudável

Pode não parecer ter relação, mas uma dieta frequente e balanceada garante níveis normais de glicemia no sangue. Nunca fique sem comer por mais de quatro horas e evite café ou qualquer outra substância energizante.


Fontes: NHS, Drauzio Varella, Mayo Clinic e
Medical News Today

O INTERESSANTE ESTADO DE DIREITO

Fernando Gabeira Há coisas que não entendo no Brasil. Ou melhor, coisas que me esforço para entender. O STF, por exemplo, ne...