terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Procuradoria pede prisão dos diretores do Sintrasem em Florianópolis



Foto: Leo Munhoz / Agencia RBS

Os servidores públicos de Florianópolis entram nesta quarta no vigésimo terceiro dia de greve. Paralisaram atividades, incluindo os serviços de saúde, em protesto político contra o pacote do prefeito Gean Loureiro (PMDB), mesmo depois de aprovados projetos de enxugamento da maquia pela Câmara e transformados em leis.

Duas decisões da desembargadora Vera Copetti – de garantia de 50% dos servidores na saúde e depois o decreto de ilegalidade da greve com determinação de volta imediata ao trabalho - estão sendo afrontadas pelos diretores do Sintrasem e pelos servidores. Há oito dias a magistrada vem sendo acintosamente ignorada pelos grevistas.

O Procurador Geral da prefeitura, Diogo Pitsica, diante do crime de desobediência, pediu a prisão dos diretores do sindicato, a destituição da diretoria e intervenção, para restabelecimento da ordem constitucional. 

Diz em novo documento que a desobediência "desmoraliza o Poder Judiciário" e "pratica o repugnante crime de lesa Pátria". E mais: "O presidente do sindicato desafia a autoridade do Tribunal de Justiça".

Os sindicalistas e os servidores em greve foram longe de mais. Ou se cumpre as decisões judiciais ou estará implantada a anarquia em Santa Catarina.

by DC

Nenhum comentário:

DST pouco conhecida preocupa especialistas

A 'Mycoplasma genitalium' (MG), bactéria causadora de doença sexualmente transmissível, já tem mostrado resistência aos antibióti...