sábado, 14 de novembro de 2015

Número de mortos no duplo atentado suicida no Líbano passa de 40


Mais de 200 ficaram feridos e vários estão em estado crítico.
Dois homens a pé detonaram explosivos na noite de quinta-feira.

Da France Presse
Explosões em reduto do Hezbollah em Beirute deixam mortos e feridos no Líbano (Foto: Marwan Tahtah/AFP)Explosões em reduto do Hezbollah em Beirute deixam mortos e feridos no Líbano (Foto: Marwan Tahtah/AFP)
Subiu para 43 o número de mortos no duplo atentado suicida contra um reduto do Hezbollah, na periferia sul de Beirute, na noite de quinta-feira (12), segundo novo balanço divulgado pela Cruz Vermelha e a polícia libanesas.
Mais de 200 pessoas ficaram feridas e vários se encontram em estado crítico, segundo as mesmas fontes.
O Líbano observa nesta sexta-feira (13) um dia de luta nacional em respeito às vítimas dos atentados reivindicads pelo grupo jihadista sunita Estado Islâmico (EI).
O ataque é o mais sangrento contra um reduto do movimento xiita libanês Hezbollah, que trava uma guerra contra o EI na vizinha Síria, envolvida num conflito cada vez mais complexo e que já deixou mais de 250 mil mortos desde 2011. O movimento xiita apoia desde 2013 o regime sírio de Bashar al Assad.
Nas últimas horas da tarde de quinta, dois homens a pé detonaram seus cintos explosivos em frente a um centro comercial do bairro Burj al Barajne. O exército informou ter encontrado morto um terceiro terrorista, que não conseguiu detonar o artefato que levava consigo.
Um fotógrafo da AFP viu corpos ensaguentados em meio a lojas e carros destruídos. Vários socorristas e civis levavam os feridos. "Temos dezenas de feridos e continuam chegando mais", disse um médico do hospital Bahman, em Haret Hreil, bairro xiita vizinho.
A Casa Branca e as Nações Unidas condenaram os ataques "terroristas horríveis" em Beirute, afirmando que "tais atos de terror apenas fortalecem nosso compromisso de apoiar as instituições do estado libanês, incluindo os serviços de segurança, para garantir um Líbano estável, soberano e seguro".
"Oferecemos nossas mais profundas condolências às famílias e entes queridos dos mortos e feridos neste ato violento. Os Estados Unidos se manterão firmes ao lado do governo do Líbano enquanto este busca levar à justiça os responsáveis por este ataque", disse o porta-voz do Conselho Nacional de Segurança Ned Price.
O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, qualificou o ataque de "ato depreciável" e convocou os libaneses a "continuar trabalhando para preservar a segurança e a estabilidade" do Líbano.
Ban também reafirmou "o apoio da ONU às instituições libanesas, entre as quais as forças armadas e os serviços de segurança, em seus esforços para garantir a segurança do Líbano e de sua população".
O secretário-geral manifestou ainda seu desejo de que "os responsáveis por este ato terrorista sejam rapidamente julgados".
Retaliação por apoio ao regime sírioEntre julho de 2013 e fevereiro de 2014, houve nove atentados contra redutos do Hezbollah em regiões fiéis ao movimento, a maioria, reivindicados por grupos jihadistas que agiam em represália à decisão do Hezbollah de enviar milhares de combatentes em apoio a Assad.
A reivindicação dos atentados, transmitida por canais habituais do EI, indicou que a primeira explosão foi provocada por uma moto-bomba e a segunda, por um terrorista suicida.
O premiê libanês, Tamam Salam, decretou a sexta-feira dia de luto nacional após o atentado.
Há menos de um mês, o líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, voltou a defender o engajamento na Síria, que qualificou de "batalha essencial e decisiva".
"Sem a perseverança no terreno contra o Daesh (acrônimo em árabe do EI) e seus aliados, o que seria hoje da região do Iraque, da Síria e do Líbano", declarou.
O líder do movimento xiita admitiu que o combate na Síria "pode ser longo", mas reforçou que é necessário para "proteger" a região.

Duplo atentado em Beirute deixa 41 mortos e mais de 180 feridos; EI assume ataques


Ha dois dias.

Do UOL, em São Paulo





Ao menos 41 pessoas morreram em um duplo atentado suicida no sul de Beirute, no Líbano, nesta quinta-feira (12). O número de vítimas foi confirmado pela Cruz Vermelha libanesa. O órgão disse ainda que pelo menos 181 pessoas ficaram feridas. O Estado Islâmico assumiu a autoria dos ataques.
A polícia diz que dois homens a pé acionaram seus explosivos em frente a um centro comercial no bairro de Burj al-Barajneh, um dos maiores campos de refugiados palestinos no país, localizado em um reduto do grupo xiita Hezbollah. Muitos dos refugiados sírios que fugiram para o Líbano vivem neste campo. Mas, segundo a nota do Estado Islâmico, a primeira explosão foi causada por uma bomba colocada em uma motocicleta. Em seguida, segundo o grupo radical, um homem-bomba teria detonado seus explosivos.
"Os soldados do califado conseguiram colocar uma motocicleta com explosivos na rua Huseiniyah, em Burch Barachne, onde é a sede do Hezbollah", assinala o comunicado. "Não nos acalmaremos até que nos vinguemos", acrescenta o comunicado da organização terrorista.
O Exército disse que o corpo de um terceiro terrorista teria sido encontrado no local e que aparentemente ele teria falhado em detonar seus explosivos. Um fotógrafo da AFP viu corpos ensanguentados em lojas destruídas e poças de sangue em meio a vários carros em chamas.
Hospitais da região pediram a população para doar sangue. Emissoras de televisão exibiram imagens de pessoas feridas sendo levadas por serviços de emergência e por civis. Militares montaram postos de controle em todas as entradas do campo, e a própria força de segurança do Hezbollah estava em alerta máximo.
"Eu tinha acabado de chegar à região das lojas quando aconteceu a explosão. Levei quatro cadáveres com as minhas próprias mãos, três mulheres e um homem, um amigo meu", disse Zein al-Abideen Khaddam a uma emissora local.
O conflito na Síria, país que faz fronteira com o Líbano, piorou as condições de segurança e as tensões sectárias em solo libanês. O Hezbollah, grupo de grande poder político no país, é visto por Israel e EUA como uma organização terrorista, conta com o suporte do Irã e apoia o presidente sírio, Bashar al-Assad, que tenta reprimir as forças opositoras e os militantes do Estado Islâmico em território sírio.
Trata-se do primeiro atentado nesta região do sul de Beirute desde junho de 2014. Na ocasião, um agente da segurança foi morto, ao evitar um ataque com carro-bomba. Vários outros ataques atingiram as fortalezas do Hezbollah em todo o Líbano, entre julho de 2013 e fevereiro de 2014, reivindicados por grupos extremistas sunitas.
O premiê libanês, Tamam Salam, decretou a sexta-feira dia de luto nacional após o atentado.
Há menos de um mês, o líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, voltou a defender o engajamento na Síria, que qualificou de "batalha essencial e decisiva". "Sem a perseverança no terreno contra o Daesh (acrônimo em árabe do EI) e seus aliados, o que seria hoje da região do Iraque, da Síria e do Líbano", declarou.
O líder do movimento xiita admitiu que o combate na Síria "pode ser longo", mas reforçou que é necessário para "proteger" a região. (Com agências internacionais)
ANWAR AMRO/AFP
Homens trabalham na busca pelas vítimas do atentado em Beirute, no Líbano

É oficial: o Rio Doce está completamente morto


Análise laboratorial detectou até mercúrio nas águas do rio mais importante de Minas Gerais – danos ambientais são irreversíveis


 REDAÇÃO GALILEU
     PEIXES MORTOS NO LEITO DO RIO DOCE: MORADORES E PESCADORES RELATAM CENÁRIO DE HORROR
 AO LONGO DO SEU CURSO (FOTO: ASSOCIAÇÃO DOS PESCADORES E AMIGOS DO RIO DOCE)

O rompimento das barragens em Mariana-MG é um desastre social – nove mortos e 18 desaparecidos já foram contabilizados até o momento. Aos poucos, porém, uma outra face da tragédia vem se revelando: o desastre ambiental provocado pelo rompimento. Por enquanto o Rio Doce – o mais importante de Minas Gerais – é a principal vítima. Especialistas já declaram que ele está oficialmente morto.

Uma análise laboratorial encomendada após o desastre encontrou na água do riopartículas de metais pesados como chumbo, alumínio, ferro, bário, cobre, boro e mercúrio. Segundo Luciano Magalhães, diretor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) de Baixo Guando, órgão responsável pela análise, “parece que jogaram a tabela periódica inteira” dentro do rio. Segundo ele, a água não tem mais utilidade nenhuma, sendo imprópria para irrigação e consumo animal e humano.

Além desses metais pesados, a própria força da lama prejudicou a biodiversidade do rio para sempre – ambientalistas não descartam a possibilidade de que espécies endêmicas inteiras tenham sido soterradas pela lama. A quantidade de lama é tamanha (cerca de 20 mil piscinas olímpicas) que o rio teve o seu curso natural bloqueado, fazendo com que perdesse força e formasse lagoas que também não devem ter vida longa, já que, além dos minérios de ferro, esgoto, pesticidas e agrotóxicos também estão sendo carregados pelas águas.

Pescadores da região criaram uma força-tarefa para combater o problema. A Operação Arca de Noé quer atuar em regiões da bacia hidrográfica do Rio Doce que ainda não foram atingidos pela enxurrada, transferindo os peixes para lagoas de água limpautilizando caixas, caçambas e lonas plásticas.

Ao visitar os locais atingidos pelo rompimento, a presidente Dilma Roussef declarou que a multa preliminar que a Samarco (mineradora responsável pela barragem) deverá pagar por causa dos danos ambientais gira em torno de R$ 250 milhões.

"Lorsque la Ville de lumières devient sombre , le reste du monde allume pour elle "









Paris amanhece em choque após pior atentado da história da França


Poucas horas após o mais violento ataque da história francesa desde a Segunda Guerra Mundial, imagens da madrugada deste sábado (14) mostravam uma Paris quase deserta – algo bastante sintomático para aquela que é uma das mais boêmias metrópoles do mundo.



Paris está tomada por policiais e soldados; moradores são orientados a ficar em casaFoto: Getty Images

Relatos dão conta de que as poucas pessoas que tentaram sair às ruas foram orientadas pelos mais de 1.500 soldados que tomaram a cidade a se recolherem – mesmo pedido da prefeitura parisiense e da polícia desde o início dos ataques que deixaram mais de 120 mortos e um rastro de feridos na noite desta sexta-feira (13).


A França amanhece em estado nacional de emergência pela primeira vez desde 2005 – o decreto permite às autoridades a fechar espaços públicos, impor toque de recolher e restrições à circulação de veículos e pessoas.

Embora suas fronteiras tenham sido fechadas, serviços de trem, como o prestado pela Eurostar entre Paris e Londres, devem ser mantidos. Pelo Twitter, a empresa confirmou que as viagens continuarão, mas ofereceu aos passageiros a possibilidade de remarcar seus tickets.

Segundo o Ministério das Relações Exteriores, os aeroportos ficarão abertos e operando. Já escolas e universidades da região de Paris amanheceriam fechadas, diziam as agências de notícias.


Pessoas foram retiradas da casa de shows Bataclan em estado de choqueFoto: Getty Images


Em meio a informações ainda desencontradas sobre o número de vítimas e de autores dos ataques mortos, um promotor afirmou a jornalistas que cúmplices dos atentados ainda poderiam estar à solta.

Até a publicação deste texto, nenhum grupo havia reivindicado os ataques. Relatos apontavam que oito dos autores haviam morrido, sete deles após acionarem cintos suicidas.

O clima de insegurança chegou aos Estados Unidos, onde algumas grandes cidades, como Nova York, afirmaram que reforçariam sua vigilância nos próximos dias. A Bélgica anunciou um aumento no controle de suas fronteiras, especialmente a que a liga com a França.

Ao falar com a imprensa do lado de fora da casa de shows Bataclan, cenário de maior parte das mortes, o presidente francês, François Hollande, classificou os atentados como “uma abominação e um ato bárbaro” e disse que o país travará uma luta “sem misericórdia” contra os “terroristas”. Ele cancelou sua viagem à Turquia, onde participaria do encontro do G20.

Líderes mundiais, como presidente norte-americano, Barack Obama, e o primeiro-ministro britânico, David Cameron, prestaram solidariedade e ofereceram ajuda à França.


O presidente François Hollande foi até o Bataclan após mortes registradas no localFoto: Getty Images
Sequência de horror

Confira a sequência dos acontecimentos, no horário local, de acordo com os relatos tornados públicos até a publicação deste texto:

21h20: Primeiros ataques foram reportados em áreas boêmias não distantes da praça da República, uma das principais da cidade e palco frequente de manifestações políticas e populares.

21h30: Enquanto a seleção do país jogava contra a Alemanha no estádio Stade de France, no norte da cidade, a primeira de ao menos duas explosões foi ouvida. O presidente francês, que assistia à partida, foi retirado do local às pressas.

Segundo relatos ainda não confirmados, houve a ação de ao menos um homem-bomba e o ataque a restaurantes nos arredores da arena.

Após a partida, torcedores ficaram no gramado à espera de informações. Nos túneis, os jogadores das duas seleções assistiam aos desdobramentos da tragédia pela cidade – os alemães permaneceram no local pelo menos até as 2h30.


Com medo, torcedores tomaram o gramado do Stade de France após o fim da partidaFoto: Getty Images

21:50: Disparos foram registrados em um café ao sul do local onde ocorreram os primeiros atentados. Segundo uma testemunha, dois homens abriram fogo em um café.

22:00: A casa de shows Bataclan se tornou palco do pior ataque. Com 1.500 lugares, o espaço estava com todos os ingressos vendidos para a apresentação da banda de rock norte-americana Eagles of Death Metal.

Homens com armas automáticas abriram fogo contra a plateia e fizeram reféns. Duas horas depois, a polícia invadiu o local. Cerca de 80 pessoas morreram.

Também houve relatos de ataques em outras áreas, como a avenida da República e o Boulevard de Beaumarchai, próximo à praça da Bastilha.


O que se sabe até agora sobre os atentados em Paris
BBCBrasil.comBBC BRASIL.com - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC BRASIL.com.

Paris amanhece em choque após pior atentado da história da França

Segundo o presidente francês, François Hollande, 127 mortes estão confirmadas. Ataques deixaram ainda 180 feridos, 80 em estado grave


Polícia reforça segurança perto da Catedral de Notre Dame após uma série de ataques terroristas em Paris - 13/11/2015(Gonzalo Fuentes/Reuters)

A cidade de Paris amanheceu de luto neste sábado após viver na noite de ontem o pior massacre terrorista da história da França. O presidente francês, François Hollande, afirmou que 127 pessoas morreram nos atentados, que deixaram ainda 180 feridos, dos quais 80 se encontram em estado grave. Dois brasileiros estão internados nos hospitais Salpetrière e Bichat, na capital do país.

Oito criminosos morreram nos ataques, cometidos quase simultaneamente a partir das 21h20 (18h20 de Brasília). Segundo o procurador-geral de Paris, François Molins, cúmplices ou coautores dos ataques podem estar soltos.

Os agressores realizaram seis ataques na capital: tiroteios em vários bares e cafés do centro, uma tomada de reféns na casa de shows Bataclan e três explosões nas imediações do Stade de France, onde a seleção nacional disputava um amistoso contra a Alemanha.

Show trágico - Pelo menos 82 pessoas morreram na casa de espetáculos Bataclan, lotada com quase 1.500 espectadores quando os terroristas invadiram o local durante a apresentação do grupo americano Eagles of Death Metal.

Dois ou três indivíduos, que não estavam com o rosto coberto, entraram com armas automáticas do tipo kalashnikov e começaram a atirar aleatoriamente contra o público", relatou um apresentador da rádio Europa 1, Julien Pearce, que estava no local. "Isso durou uns 10, 15 minutos. Foi extremamente violento e houve uma onda de pânico", acrescentou.

Outra testemunha afirmou à emissora France Info que um dos atiradores gritou "Alá Akbar" (Deus é grande) antes de abrir fogo.

Os autores do ataque citaram a intervenção francesa na Síria para justificar as ações, disse uma testemunha à AFP.

"Eu ouvi quando eles falaram claramente aos reféns: 'A culpa é de Hollande, a culpa é do seu presidente, não tem motivo para intervir na Síria'", declarou à AFP Pierre Janaszak, de 35 anos, que estava no Bataclan.

A França participa há dois anos na coalizão antijihadista que luta contra o grupo Estado Islâmico (EI) no Iraque e, em outubro, estendeu os bombardeios aéreos à Síria, país em guerra desde 2011.

Desde 2014, O EI controla uma ampla faixa de território entre os dois países.

Mais ataques - Além do ataque do Bataclan, pelo menos uma pessoa morreu em uma explosão perto do Stade de France, região na qual foram ouvidas três detonações durante um amistoso entre França e Alemanha (2-0), com um público de 80.000 pessoas.

Três pessoas, "sem dúvida terroristas" segundo uma fonte próxima à investigação, morreram na área. O estádio, que receberá partidas da Eurocopa de 2016, foi evacuado.

Hollande assistia à partida ao lado do ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Frank- Walter Steimeier, e foi retirado do local.

Um restaurante cambojano próximo ao Bataclan também foi alvo de um atentado, que teria provocado 12 mortes, segundo várias fontes.

"Foi surreal, todos estavam no chão, ninguém se movimentava", disse uma mulher.

Nas proximidades da Praça da República, cinco pessoas morreram em um tiroteio com arma automática no terraço de uma pizzaria. Uma testemunha afirmou ter visto um "Ford Focus preto que atirava e depois vários cartuchos no chão".

Um café e um restaurante japonês próximos tiveram o mesmo destino, com um saldo provisório de 18 mortos.

Diante da gravidade dos atentados, a polícia e a prefeitura recomendaram que a população permaneça em suas casas.

As forças de segurança isolaram vários pontos da capital, dominada pela forte presença da polícia, assim como os serviços de emergência.

Governo francês - Hollande, presidente da França, fez dois pronunciamentos aos meios de comunicação após a tragédia, primeiro no Palácio do Eliseu, onde anunciou o fechamento das fronteiras e o estado de emergência, e, depois, na casa de shows Bataclan, onde garantiu que não terá "piedade" com os terroristas.

Hoje, o presidente participa de uma reunião do Conselho de Defesa Nacional às 9h locais (6h de Brasília) e suspendeu sua viagem à cúpula do G20 na Turquia devido às circunstâncias excepcionais, que requerem medidas sem precedentes.

Além de fechar as passagens fronteiriças, a França mobilizou 1.500 militares, estabeleceu protocolos de urgência nos hospitais e proibiu a realização de espetáculos em Paris, pelo menos neste sábado.

Brasileiros - O DJ brasileiro Thy San, 38, que mora a cerca de um quilômetro da casa de espetáculo Bataclan, relatou ao site de VEJA o clima de tensão em Paris. Ele voltava para casa no momento dos atentados, ouviu sirenes, viu a forte movimentação policial e chegou a ouvir o barulho de bombas. Mas só pôde entender o que realmente estava acontecendo quando chegou em sua casa e se surpreendeu com a quantidade de amigos querendo saber se ele estava bem. "Nem desconfiei que pudesse ser um ataque terrorista, embora por aqui as pessoas vivam falando disso", diz. Na televisão, Thy assistiu ao alerta para que ninguém saísse às ruas. San então contatou seus amigos e descobriu que vários deles estavam dentro de bares, que, como medida de segurança, decidiram fechar as portas - com os cliente dentro.

Ao menos dois brasileiros ficaram feridos nos ataques terroristas. A informação foi repassada pelo Consulado do Brasil em Paris ao Itamaraty, em Brasília. Segundo o site do jornal O Estado de S. Paulo, eles estão internados nos hospitais Salpetrière e Bichat, na capital francesa

Presos nos EUA, filho de criação e sobrinho de Maduro não terão direito à fiança


























O Presidente venezuelano Nicolás Maduro ao lado da primeira-dama Cilia Flores durante um comício em Caracas(Presidência da Venezuela/AFP)




Um filho de criação e um sobrinho do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusados de narcotráfico e presos nesta semana ficarão detidos sem direito à fiança em Nova York até que sejam ouvidos mais uma vez pelo juiz responsável pelo caso, James L. Cott, na próxima quarta-feira, dia 18 de novembro. Efraín Antonio Campos Flores, o filho de criação, e Francisco Flores de Freitas, o sobrinho, compareceram nesta quinta-feira pela primeira vez diante do juiz em um tribunal federal de Nova York para ouvirem a confirmação das acusações de tráfico internacional. Efraín Campos Flores é sobrinho da primeira-dama Cilia Flores e foi criado por ela e por Maduro desde criança. A notícia da prisão foi dada em primeira mão por Veja.com.

Os acusados estavam acompanhados de seus advogados, que estão em constante comunicação com os diplomatas da Venezuela do país. Na audiência, que durou apenas cinco minutos, Efraín e Francisco, que contaram com o apoio de um tradutor do tribunal confirmaram que entendem os crimes pelos quais estão sendo acusados. Na próxima audiência, eles devem ser declarados culpados ou inocentes. Um dos advogados da dupla, John Reilly, explicou que vai entrar com um recurso para que uma fiança seja estabelecida. Enquanto isso, os dois acusados ficarão presos em uma prisão federal de Nova York.



Preso com 800 quilos de cocaína, filho de criação de Nicolás Maduro foi extraditado para os EUA


Os dois jovens foram presos nesta semana com 800 quilos de cocaína em Porto Príncipe, no Haiti, e entregues às autoridades americanas. Eles podem pegar até a prisão perpétua pelas acusações de narcotráfico e associação para cometer crimes.

Silêncio oficial - O governo da Venezuela se mantém em silêncio após as detenções de Efraín e Francisco. A detenção aconteceu quando Maduro e sua mulher, Cilia Flores, se encontravam na Arábia Saudita, para onde viajaram para participar da Cúpula de chefes de Estado e do governo da América do Sul e dos Países Árabes (Aspa). A viagem de Maduro e da primeira-dama continuou nesta quinta em Genebra, na Suíça, onde o governante participou de uma reunião nas Nações Unidas.

Antes de viajar para Genebra e após a detenção dos dois jovens, Maduro afirmou no Twitter que seu país seguiria "seu caminho" apesar do que chamou de "emboscadas imperiais", sem se referir diretamente ao caso. A aliança opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) pediu ao Parlamento que forme uma comissão para investigar a prisão dos familiares de Maduro, que, segundo a imprensa, viajaram com passaportes diplomáticos.

(Da redação)
By Veja

Cai a fronteira entre o regime venezuelano e o narcotráfico

A prisão do filho de criação do presidente da Venezuela ao tentar enviar 800 quilos de cocaína para os EUA reforça a suspeita de que o governo chavista é um cartel de drogas


Maduro e sua mulher, Cilia Flores: prisão dos sobrinhos da primeira-dama empurra o presidente venezuelano para o centro de uma investigação que corrói a reputação do chavismo(Presidência da Venezuela/AFP)

Na semana passada, Nicolás Maduro foi tragado por um fato capaz de agravar a crise de legitimidade de seu governo. Dois sobrinhos de sua mulher, Cilia Flores, foram presos por tentar vender 800 quilos de cocaína a um funcionário disfarçado da agência antidrogas dos Estados Unidos (DEA). Aproveitando-se do passaporte diplomático, que lhes permitia ter isenção no controle de bagagem, Efraín Antonio Flores e Franqui Francisco Flores desembarcaram na terça-feira 10 em Porto Príncipe, capital do Haiti, com 5 quilos da droga. Era uma amostra do carregamento que estava pronto para ser enviado em um jatinho aos Estados Unidos, de uma pista clandestina no norte de Honduras. Em um quarto de hotel nas imediações do aeroporto local, os venezuelanos entregaram aos agentes que se faziam passar por traficantes a mala recheada de pó com um nível de pureza próximo de 100%. Os Flores queriam impressionar e provar aos falsos clientes, com quem vinham negociando desde outubro, que podiam fornecer grandes quantidades da melhor cocaína possível. Efraín, de 29 anos, foi adotado ainda criança por Cilia ao ficar órfão de mãe e era tratado como filho por Maduro.


(VEJA.com/VEJA)

No avião da DEA que os transportou para os Estados Unidos, Efraín revelou que ele e o primo eram apenas os mensageiros e que a droga pertence ao Cartel dos Sois. Seus chefes, eles asseguraram, são Diosdado Cabello, presidente da Assembleia Nacional, e Tareck al Aissami, governador de Aragua. Os nomes desses dois líderes chavistas são recorrentes nas delações referentes ao tráfico da cocaína produzida na Colômbia, que tem na Venezuela sua principal rota de escoamento. Em janeiro, Leamsy Salazar, um ex-guarda-­costas de Cabello e do presidente Hugo Chávez (morto em março de 2013), detalhou o funcionamento do cartel chavista. Salazar implicou Cabello, Al Aissami e o filho de Chávez, Hugo Colmenares, na cúpula do grupo criminoso. A prisão dos sobrinhos da primeira-­dama empurrou Nicolás Maduro para o centro de uma investigação que nos últimos três anos vem corroendo a reputação do chavismo e revelou que não existe fronteira entre o regime instituído em 1999 e o narcotráfico. Maduro, cujo governo enfrentará uma difícil eleição legislativa no início de dezembro, se diz vítima de uma conspiração imperialista. Esse discurso pode funcionar para uma parcela da esquerda latino-americana, mas não na Venezuela.Um funcionário ligado à investigação contou a VEJA que os Flores esperavam apenas pelo pagamento de 100 milhões de dólares para dar a ordem de decolagem ao jatinho rumo aos Estados Unidos. Depois de misturado com outras substâncias, o carregamento poderia render o triplo desse valor no mercado americano. Mas a dupla foi surpreendida com uma ordem de prisão seguida de imediata extradição para os Estados Unidos. Na quinta-feira passada, os primos foram indiciados em um tribunal federal de Nova York por tráfico de drogas e conspiração. Pelas leis americanas, esses crimes podem ser punidos com prisão perpétua.

by Veja

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Preso com 800 quilos de cocaína, filho de Nicolás Maduro é extraditado para os Estados Unidos

 

nicolas_maduro_1002
Uma ação coordenada pela Drug Enforcement Administration (DEA), agência antidrogas dos Estados Unidos, e pela Procuradoria Federal do Distrito Sul de Nova York prendeu na terça-feira (10) Efraim Antonio Campos Flores, filho de criação do ditador Nicolás Maduro, presidente da combalida Venezuela, com 800 quilos de cocaína.
A prisão de Flores confirma notícias do UCHO.INFO, que durante meses a fio afirmou que a Venezuela era um grande “player” no mercado internacional de drogas, com o presidente da Assembleia Nacional Venezuelana, Diosdado Cabello, atuando com o barão do tráfico no país sul-americano.
Campos Flores é sobrinho da primeira-dama Cilia Flores e foi criado desde a infância por ela e por Maduro. No momento da prisão, ele estava acompanhado de um primo, Francisco Flores de Freitas. Eles foram presos na capital do Haiti, Port au Prince (Porto Príncipe), quando desembarcavam com a droga que havia sido despachada da Venezuela e seguiria para o México e os Estados Unidos.
Quando as autoridades lhe deram voz de prisão, o sobrinho de Maduro tentou dar a famosa “carteirada”, alegando que tinha imunidade diplomática. Os agentes do DEA disseram que o criminoso venezuelano não estava em seu país e muito menos em missão diplomática.
A dupla foi extraditada para os Estados Unidos e desde terça-feira está em um presídio federal. Eles serão processados por tráfico internacional de drogas. O anúncio oficial da prisão dos familiares da primeira-dama está previsto para hoje (quarta-feira).
A Venezuela está, desde 2012, na mira das autoridades norte-americanas por causa do envolvimento de militares e integrantes do governo chavista com o narcotráfico. Esse envolvimento criminoso vem de quase uma década e ganhou força com a boa relação construída por Chávez com Evo Morales, presidente da Bolívia, país que produz anualmente 300 toneladas de pasta-base de cocaína e distribui internacionalmente o produto a partir de países vizinhos.
Em 2012, o ex-juiz Eládio Aponte revelou a existência do Cartel dos Sóis – nome em referências às divisas que os generais carregam no uniforme. Aponte afirmou que o tráfico de drogas no país é coordenado por militares, sobretudo por Diosdado Cabello.
Em janeiro deste ano, o ex-guarda-costas de Cabello, Leamsy Salazar, exilou-se nos Estados Unidos e revelou a intrincada rede de corrupção e tráfico de drogas chefiada por Cabello e membros da alta cúpula do governo, entre eles, o filho do ex-presidente Chávez, Hugo Chávez Colmenares.
by Ucho.Info

Justiça brasileira legaliza maconha para uso medicinal

BOMBA Justia brasileira legaliza maconha para uso medicinal
Decisão de ontem da Justiça Federal do DF deu prazo de dez dias para a Agência de Vigilância Sanitária, que regula os medicamentos no país, retirar o THC da lista negra das substâncias proibidas. Isso já foi feito com o Canabidiol (CBD), em janeiro de 2015, por iniciativa da própria Anvisa. Mas o THC, princípio ativo responsável pelo barato da maconha, continua banido.
A outra novidade é que, segundo a sentença, estão autorizadas a prescrição e a importação de Cannabis sativa L. “Agora, um médico pode prescrever a planta in natura“, diz Emílio Figueiredo, consultor jurídico do Growroom, associação que defende o cultivo para uso pessoal.
A decisão é uma tutela antecipada: ou seja, o juiz ainda não proferiu sua decisão final sobre todos os pontos da ação. Mas antecipou a decisão sobre pontos que considera urgentes. Que são:
  • Reclassificar o THC. “Transferir, em dez dias, o THC da lista F2 do anexo da lei de drogas, que contém as substâncias psicoativas banidas, para uma lista de substâncias sujeitas à notificação de receita” – ou seja, ele passa a ser autorizado mediante prescrição médica.
  • Mudar, em dez dias, a portaria 344/98 para “permitir, por ora, a importação, exclusivamente para fins medicinais, de medicamentos e produtos que possuam como princípios ativos os componentes THC (TETRAHIDROCANNABINOL) e CDB (CANNABIDIOL), mediante apresentação de prescrição médica e assinatura de termo de esclarecimento e responsabilidade pelo paciente”.
  • Permitir a pesquisa e a prescrição “da Cannabis sativa L. E de quaisquer outras espécies ou variedades de cannabis, bem como dos produtos obtidos a partir destas plantas, desde que haja prévia notificação à ANVISA e ao Ministério da Saúde”.
A ação do MPF também pediu a autorização de importação de sementes e do cultivo pessoal para uso medicinal. Essas demandas estão entre as que ainda não foram julgadas pelo juiz Marcelo Rebello, da 16a Vara de Justiça Federal do DF.
Consultada, a Anvisa disse por meio de sua assessoria de imprensa que ainda não sabe se vai recorrer. “Não sabemos ainda. A Diretoria vai avaliar os efeitos da decisão e possíveis ações da Anvisa. Não temos uma resposta, até porque na verdade ainda não fomos sequer notificados, embora tenhamos acesso à decisão na internet.”
Em janeiro, quando a Anvisa reclassificou o CBD, o então presidente da Anvisa Jaime Oliveira disse a este blog que “Sem dúvida nenhuma, a situação do THC tem que ser explorada e analisada“.

Tragédia no Rio: O maior desastre natural do país


José Renato Salatiel, Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação

Chuvas intensas que caíram na região serrana do Rio de Janeiro provocaram o pior deslizamento da história do Brasil. Até o último dia 18 de janeiro, o número de mortos chegava a 710 em quatro cidades. Outras 7.780 pessoas estão desalojadas – morando em casa de vizinhos ou familiares – e 6.050 desabrigadas. Um total de 207 estão desaparecidas.

Direto ao ponto: Ficha-resumo

A tragédia foi causada por um fenômeno raro que combina fortes chuvas com condições geológicas específicas da região. Porém, ela foi agravada pela ocupação irregular do solo e a falta de infraestrutura adequada para enfrentar o problema, que se repete todos os anos no país.

O número de vítimas superou o registrado em Caraguatatuba, em 1967. Na época, tempestades e deslizamento de terra mataram 436 pessoas na cidade do litoral norte de São Paulo. Nesse mesmo ano, uma enchente deixou 785 mortos no Rio.

Na madrugada do último dia 12 de janeiro, uma enxurrada de toneladas de lama, pedras, árvores e detritos desceu a montanha arrastando tudo pelo caminho. Os rios se encheram rapidamente, inundando as cidades.

A destruição foi maior nas cidades Nova Friburgo e Teresópolis, que contabilizam o maior número de mortos. Essas cidades turísticas recebem visitantes na temporada, que aproveitam o clima ameno da serra.

Ruas foram cobertas por um mar de lama, com corpos espalhados, casas destruídas e carros empilhados. A queda de pontes em rodovias deixou cidades isoladas, e os moradores ficaram sem luz, água e telefone.

Em Nova Friburgo, o rio subiu mais de cinco metros de altura e a enchente derrubou casas. Em Teresópolis, o cenário era devastador. Condomínios, chácaras, pousadas e hotéis de luxo foram arrasados pelas avalanches de terra.

A estrutura de atendimento às vítimas entrou em colapso. O IML (Instituto Médico Legal) e os cemitérios ficaram lotados. Parentes das vítimas tiveram que fazer enterros às pressas em covas rasas.

Uma das imagens mais impressionantes foi a de uma mulher sendo salva da inundação. Ela foi içada por uma corda do alto de um prédio, enquanto o cachorro que trazia nos braços era arrastado pela enxurrada.
 
Causas
O ar quente e úmido vindo da Amazônia gerou nuvens carregadas no Sudeste. Na região serrana do Rio, as montanhas formaram uma espécie de barreira que impediu a passagem de nuvens e concentrou a chuva numa única área.

Somente em Nova Friburgo, onde a chuva foi mais intensa, em 12 dias o volume foi 84% a mais do que o previsto para todo mês de janeiro.

A água da chuva foi responsável por dois fenômenos distintos. Primeiro, a cheias nas nascentes dos rios, no alto das montanhas, que causou as enchentes. O sistema de drenagem dos municípios era obsoleto e não conseguiu escoar as águas.

E, mais grave, os deslizamentos. O solo das encostas é constituído por uma camada fina de terra e vegetação sobe a rocha. Quando fica encharcado, se descola da montanha, descendo feito uma avalanche. A grande inclinação das montanhas fez com que o deslizamento atingisse até 150 quilômetros por hora, aumentando a potência de destruição.

Boa parte das mortes, contudo, poderia ter sido evitada com políticas públicas. Durante décadas, os governos foram omissos – quando não estimularam – os loteamentos em áreas de risco permanente. Na rota da lama que desceu das encostas havia dezenas de imóveis, desde favelas até hotéis e casas de alto padrão.
 
Aquecimento global
O aquecimento global está por trás das mudanças climáticas que explicam os contrastes de seca e enchentes em várias partes do mundo. No Brasil, os prejuízos financeiros e as mortes se acumulam a cada verão.

No ano passado, 283 pessoas morreram no Estado do Rio entre os meses de janeiro e abril. As catástrofes aconteceram em Angra dos Reis, Niterói (Morro do Bumba), na capital e em outras cidades. Em São Paulo, a chuva destruiu a cidade histórica de São Luiz do Paraitinga. Em 2008, houve 135 mortes em Santa Catarina.

Compete aos governos municipais regulamentar e fiscalizar o uso do solo. O objetivo é impedir a construção de moradias nas encostas e zonas de risco. Já os governos estadual e federal precisam investir em programas preventivos e encontrar soluções menos burocráticas para garantir que os recursos cheguem até as cidades.

Um exemplo foi a liberação imediata de R$ 780 milhões da União para ajudar na reconstrução dos municípios afetados pelas chuvas deste mês. A verba foi liberada por meio de uma medida provisória assinada pela presidente Dilma Rousseff. O valor gasto com a recuperação, todavia, é superior ao que seria gasto com prevenção. Sem falar nas vidas perdidas.
Direto ao ponto

O pior deslizamento da história do país deixou 710 mortos em quatro cidades da região serrana do Rio de Janeiro. Um total de 13,8 mil pessoas estão desalojadas ou desabrigadas. O número de vítimas é maior que o registrado em Caraguatatuba, em 1967 (436 mortos). A tragédia foi causada por um fenômeno raro que combina fortes chuvas com condições geológicas específicas da região. Porém, ela foi agravada pela ocupação irregular do solo e a falta de infraestrutura nas cidades atingidas.

Os deslizamentos ocorreram na madrugada do dia 12 de janeiro. Toneladas de lama desceram as montanhas e destruíram favelas e imóveis de alto padrão. Os rios encheram e inundaram as cidades. Os estragos foram maiores em Nova Friburgo e Teresópolis, cidades turísticas. Os efeitos do aquecimento global tornam as chuvas mais intensas a cada ano. Para evitar tragédias, os governos precisam impedir a ocupação das encostas e investir em programas de prevenção.
José Renato Salatiel, Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação

A MAIOR TRAGÉDIA AMBIENTAL DO BRASIL: AS CONSEQUÊNCIAS DA FALTA DE PLANEJAMENTO URBANO EM TERESÓPOLIS

 by Luiz Antônio de Souza Pereira

As fortes chuvas dos dias 11 e 12 de janeiro de 2011 e suas conseqüências ficarão marcadas na história do país, em especial, da população que vive ou perdeu parentes e amigos na Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro. Foi a maior tragédia ambiental no Brasil de todos os tempos. 

Levantamentos realizados após um mês da tragédia, apresentavam: 904 mortos (381 em Teresópolis – em uma população total de 163.805, segundo o Censo do IBGE 2010), 395 desaparecidos (213 em Teresópolis), 20.996 desalojados (6.210 em Teresópolis) e 8.814 desabrigados (5.058 em Teresópolis).

Após a tragédia, algumas perguntas ganharam destaque: o que aconteceu? De quem é a culpa? A tragédia poderia ter sido evitada? Resumidamente, é verificada uma grande quantidade de chuvas nas semanas anteriores a tragédia. A grande quantidade de água precipitada, em curto intervalo de tempo, na noite do dia 11 e madrugada do dia 12 de janeiro é considerada um fenômeno raríssimo na região. Mas que pode se tornar mais freqüente, caso se confirme a tendência de alterações climáticas (devido a fatores naturais e/ou humanos). 

A morfologia da região – com encostas íngremes e vales encaixados – somada a falta de:

 i) planejamento no uso e ocupação do solo; ii) um eficaz e eficiente sistema de monitoriamente; iii) um sistema de alerta1 e iv) treinamento de como agir em situações de eventos naturais extremos
2 . Potencializaram as perdas de vida e econômica. 

OBJETIVOS 

Dentre os fatores que contribuíram e potencializaram as perdas de vidas e econômicas na Região Serrana do Estado do Rio de janeiro, no verão de 2011, o presente trabalho visa compreender e analisar o planejamento urbano (ou a sua falta), em especial, a forma de ocupação e uso do solo no município de Teresópolis – RJ nas últimas décadas. 

MATERIAIS E MÉTODOS 

As informações relativas aos aspectos naturais (climático, geológico, geomorfológico) foram pesquisadas nos relatórios e apresentações que se seguiram a tragédia, em especial, os coordenados e organizados pelo CREA-RJ. As informações referentes ao crescimento urbano da cidade ao longo das últimas décadas, em especial, desde os anos 1990, foram obtidas junto ao IBGE e publicações de autores locais, que, no geral, enfatizam aspectos históricos. 

Com base no material assinalado foi realizado trabalho de campo, que consistiu de entrevistas e registro de imagens. A maior parte do trabalho consiste de dados e informações primárias em virtude do pouco estudo anterior sobre a temática urbana no município. 

1 O prefeito do município de Areal, ao saber do que ocorreu nos municípios vizinhos, teve tempo e sabedoria para avisar a população local sobre a provável elevação do principal rio que corta a cidade.

 2 Existe um número expressivo de documentos e cartilhas de excelente qualidade. O Ministério das Cidades, por exemplo, produziu o documento “Prevenção de Riscos de Deslizamentos em Encostas: Guia para Elaboração de Políticas Municipais” (2006) e o município de Nova Friburgo, fortemente afetado pelas chuvas, possui um material de excelente qualidade “Comunidade mais segura: mudando hábitos e reduzindo riscos de movimentos de massa e inundações” (2007).

 Felizmente não falta material. Mas, infelizmente, faltam divulgação e pessoal qualificado para maiores esclarecimentos e informações. RESULTADOS No trabalho foram verificadas duas formas de ocupação do solo urbano em Teresópolis. Uma com caráter fortemente especulativo, que atende, muitas vezes, a interesses de empreendedores imobiliários locais e de fora da cidade.

 Os empreendimentos destinam-se a uma pequena parcela da população local e, em maior parte, a classe média e alta da cidade do Rio de Janeiro. O turismo e a residência de final de semana e férias são marcas históricas de Teresópolis e possuem um impacto importante na economia da cidade. 

Nas figuras 1, 2 e 3 podem ser observadas diferentes formas de especulação imobiliária e fundiária. Figuras 1, 2 e 3: Processo de especulação imobiliária e fundiária em Teresópolis-RJ Na figura 1 é observado o processo crescente de verticalização do bairro de Agriões, que contribui para a saturação da infra-estrutura existente, causa e agrava problemas ambientais e favorece a especulação fundiária da região.

Os apartamentos de 3 quartos, não raramente, ultrapassam o valor de R$300.000,00. Na figura 2 verificamos uma forma de empreendimento imobiliário que se difundiu e se dispersou por toda a cidade: a construção de casas geminadas. 

Na figura 3, ao fundo (lado direito) vemos a construção de uma rua em um condomínio – em fase de construção – que faz divisa com uma pequena propriedade rural que utiliza basicamente trabalho familiar, a mais de 10km do centro da cidade. Os lotes são relativamente pequenos (alguns com menos de 300 m 2 ). 

O valor do m 2 supera os R$ 250,00. Já no outro lado da moeda, figuras 4, 5 e 6, verifica-se um crescente processo de favelização na cidade, em áreas altamente vulneráveis a deslizamentos e enchentes. 

As chuvas de verão todos os anos causam apreensão e em alguns casos terminam em tragédias. Figuras 4, 5 e 6: Processo de favelização em Teresópolis-RJ Na figura 4 é visível o processo de favelização ao longo da BR – 116.

 Na figura 5 temos uma das muitas favelas existentes no bairro popular São Pedro, o mais habitado da cidade. Na figura 6 é constatada a formação de uma favela ao lado de um condomínio de luxo na área de expansão da cidade. CONCLUSÕES O problema apresentado se arrasta há décadas e só aumenta em função da falta de planejamento e gestão do uso do solo urbano.

 Não faltam instrumentos, vide a aprovação do Estatuto da Cidade, completando uma década nesse ano, para o combate da especulação imobiliária e a promoção do direito a uma cidade que proporcione aos seus habitantes infra-estrutura, equipamentos e serviços urbanos em quantidade e qualidade. 

Os processos descritos no trabalho, opostos, mas complementares, materializados na paisagem de Teresópolis, mas também presentes nas demais cidades brasileiras e dos países subdesenvolvidos relevam a complexidade e as contradições da sociedade e do modelo socioeconômico em que vivemos. 

A falta da gestão e planejamento urbano contribui não apenas para uma precária condição de vida das classes menos favorecidas, mas também aumenta a possibilidade de perdas de vidas e econômicas, conforme verificado em Teresópolis e municípios do entorno. Uma séria gestão e planejamento urbano não acabarão com as perdas de vidas e econômicas em eventos naturais extremos, mas provavelmente as reduzirão. 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 1. BRASIL. Prevenção de Riscos de Deslizamentos em Encostas: Guia para Elaboração de Políticas Municipais. / Celso Santos Carvalho e Thiago Galvão, organizadores – Brasília: Ministério das Cidades; Cities Alliance, 2006. 

2. COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS – SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL. Comunidade mais segura: mudando hábitos e reduzindo riscos de movimentos de massa e inundações. / coordenação Jorge Pimentel; autores Jorge Pimentel, Carlos Eduardo Osório ferreira, Renaud D. J. Traby, Noris Costa Diniz. Rio de Janeiro: CPRM, 2007. 

3. PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESÓPOLIS. Lei Municipal No 2.779 de 19 de maio de 2009. 4. FÉO, Roberto. Raízes de Teresópolis, outras histórias e outras coisas (1500 – 2010). Teresópolis – RJ, Editora Zem, 2010. 5. SANTOS, Milton. O espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. Rio de Janeiro: F. Alves, 1979

"Luiz Antônio de Souza Pereiram é  Geógrafo pela Universidade Federal do Rio de janeiro – UFRJ. Especialista em Planejamento e Uso do Solo Urbano pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional – IPPUR/UFRJ. Mestre e doutorando em Geografia pela Universidade Federal Fluminense – UFF. Professor do Centro Universitário da Serra dos Órgãos – UNIFESO nos cursos de Engenharia Ambiental, Engenharia de Produção e Pedagogia". 

DST pouco conhecida preocupa especialistas

A 'Mycoplasma genitalium' (MG), bactéria causadora de doença sexualmente transmissível, já tem mostrado resistência aos antibióti...