sábado, 18 de abril de 2015

‘Chuva de minhocas’ na Noruega intriga cientistas

Fenômeno misterioso espalhou milhares de animais sobre a neve de montanhas na região no Sul do país

POR CESAR BAIMA


As minhocas encontradas pelo professor de biologia Karstein Erstad em cima de uma grossa camada de neve nas montanhas próximas à cidade norueguesa de Bergen - Reprodução/The Local/Karstein Erstad


RIO – Uma “chuva de minhocas” no Sul da Noruega está intrigando biólogos e meteorologistas. Segundo o serviço de notícias norueguês “The Local”, o fenômeno foi descoberto pelo professor de biologia Karstein Erstad quando esquiava nas montanhas próximas à cidade de Bergen no domingo passado.

- Vi milhares de minhocas sobre a neve – contou Erstad ao “The Local”. - Elas pareciam mortas, mas quando fui pegá-las vi que estavam vivas.

A princípio, Erstad pensou que as minhocas tinham saído do solo e subido pela neve, mas descartou a ideia ao ver que a camada de neve tinha pelo menos meio metro de espessura nas montanhas e os animais não conseguiriam atravessá-la vivos. Além disso, esta não seria a primeira vez que o misterioso fenômeno foi registrado na região. Segundo Erstad, existem relatos de minhocas caindo do céu no Sul da Noruega que datam dos anos 1920.

- É um fenômeno muito raro, é difícil dizer quantas vezes isso já aconteceu, mas ele já foi relato algumas vezes – disse Erstad ao “The Local”. - Agora, várias outras pessoas observaram o mesmo fenômeno em muitos lugares na Noruega. Não sei se tivemos algum sistema climático em especial ultimamente.

Uma das hipóteses para explicar a “chuva de minhocas” na Noruega sugere que os animais foram levados para o ar por ventos fortes e depois caíram a quilômetros de distância. Outra hipótese é de que uma tromba d'água tenha tocado a terra e sugado as minhocas, que também depois acabaram “pousando” a grande distância.

O Globo

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Após morte de idosa, cães e gatos ficam abandonados em casa no RS

13/04/2015

De acordo com amigos, há mais de 100 animais na casa em Santa Maria.
Mulher de 66 anos não resistiu a um câncer e morreu no domingo (12)

Do G1 RS
Mulher vivia com cães e gatos em casa em Santa Maria (RS) (Foto: Reprodução/RBS TV)Mulher vivia com cães e gatos em casa em Santa Maria (RS) (Foto: Reprodução/RBS TV)
Mais de cem cães e gatos estão abandonados em uma casa de Santa Maria, na Região Central do Rio Grande do Sul, depois que a dona deles morreu na tarde de domingo (12). Sem ela, não há quem cuide dos animais, como mostra a reportagem do Jornal do Almoço da RBS TV (veja o vídeo).
Maria Dorilda Feltrin, de 66 anos, não resistiu a um câncer. Em casa, tinha a companhia apenas dos animais.
"Eram uma família. Ela se dedicava muito, cuidava bem dos bichinhos. Mas as pessoas largavam muitos cachorros lá porque sabiam que ela gostava. Era uma preocupação que eu tinha, quando ela viesse a falecer, no caso. Agora vamos ver como vamos resolver", diz o irmão Luiz Carlos Hallberg.
Por enquanto, a chave da residência está com um dos amigos de dona Dorilda. É praticamente impossível entrar no cômodo onde estão os animais. A casa é apertada e há pouco espaço para mantê-los. "Eu fiquei nos nervos de ver como ela estava vivendo. O pessoal ajudava, dava ração, mas a maioria ela comprava. Ela deixava de viver a vida dela, que era uma contadora muito boa, para cuidar dos animais”, conta o amigo Marco Antonio Franciscato.
Da rua, é possível ouvir o barulho dos bichos, que agora estão praticamente sem água e sem comida. A protetora de animais voluntária Beatriz Vendruz Colo, pede ajuda à comunidade. Doações de ração são aceitas. Quem tem interesse em adotar um dos animais também pode se manifestar. "Pode fazer doação em dinheiro se quiser, ou então vai em um pet, compra ração, e avisa liga e avisa e a gente vai tentar ajudar esses animais para que todos eles tenham um caminho", afirma.
Os telefones para contato são: (55) 3211-8157, (55), 3026-3101 ou (55) 9963-2615.

Eu mudaria o titulo para: "Deus NÃO salve. Principalmente, a Rainha"! (by Deise)

Deus salve a Rainha!

Ricardo Noblat
Que maneira infeliz de celebrar os primeiros 100 dias de governo! Seis em cada 10 brasileiros consideram péssima ou ruim a administração de Dilma. Quase seis em 10 acham que ela sabia da corrupção na Petrobras e nada fez.
Para quase oito em 10, a inflação aumentará. Assim como o desemprego para sete em cada 10. Dois em cada três são favoráveis à abertura de um processo de impeachment contra Dilma.
As manifestações de ruas, como as de ontem, são apoiadas por sete em cada 10. E se a eleição para a escolha do sucessor de Dilma tivesse ocorrido na semana passada, Aécio Neves teria derrotado Lula por 33% dos votos contra 29%, segundo a mais recente pesquisa Datafolha.
Dos seus vários bunkers em Brasília, a presidente só sai para lugares onde não corra o risco de ser vaiada. Se falar na televisão, pode deflagrar um panelaço.
O que Dilma fez para merecer isso?
Mentiu. Apenas mentiu. Simples assim.
O Brasil era um paraíso na propaganda dela para se reeleger. Menos de dois meses depois, o paraíso se evaporara.
Dilma jurou que jamais faria certas coisas que só seriam feitas por seus adversários. Começou a fazê-las antes do fim do seu primeiro mandato.
Com isso mentiu de novo? Não.  Era a mesma mentira. Tudo era uma mentira só.
Uma pessoa que não ama seus semelhantes, ou que não sabe expressar seu amor por eles, não pode ser amada. Que o diga Jane, ex-criada do Palácio da Alvorada.
Um dia, Dilma não gostou da arrumação dos seus vestidos. E numa explosão de cólera, jogou cabides em Jane. Que, sem se intimidar, jogou cabides nela.
O episódio conhecido dentro do governo como “a guerra dos cabides” custou o emprego de Jane.
Mas ela deu sorte. Em meio à campanha eleitoral do ano passado, Jane foi procurada pela equipe de marketing de um dos candidatos a presidente com a promessa de que seria bem paga caso gravasse um depoimento a respeito da guerra dos cabides.
Dilma soube. Zelosos auxiliares dela garantiram a Jane os benefícios do programa “Minha Casa, Minha Vida”, uma soma em dinheiro e um novo emprego. Jane aceitou. Por que não?
Lula se queixa de Dilma porque ela não segue seus conselhos. Segue, sim. Só que às vezes demora.
Para que abdicasse da maioria dos seus poderes, por exemplo, foi decisivo o bate-boca que teve com Lula no Palácio da Alvorada, em março último.
A certa altura, Lula disse: “Eu lhe entreguei um país que estava bem...” Dilma devolveu: “Não, presidente. Não estava. E as medidas que estou tomando são para corrigir erros do seu governo”.
A réplica não demorou. “Do meu governo? Que governo? O seu já tem mais de quatro anos”, disparou Lula.
Os assessores de Dilma que aguardavam os dois para jantar e escutaram o diálogo em voz alta, não sabem dizer se ela nesse instante respondeu a Lula ou se preferiu calar.
Um deles guardou na memória o que Lula comentou em seguida: “Você sabe a coisa errada que eu fiz, não sabe? Foi botar você aí”.
Foi pressionada por Lula que Dilma entregou o comando da Economia ao ministro Joaquim Levy, da Fazenda, que pensa muito diferente dela.
Foi também pressionada por Lula que delegou o comando da Política a Michel Temer, seu vice, a quem sempre desprezou.
Levy está sujeito a levar carões públicos de Dilma, já levou. Temer, não. Levy pode ser trocado por outro banqueiro. Temer, não.
Lula inventou o parlamentarismo à brasileira para tentar impedir o naufrágio de Dilma. É sua última cartada para salvar a chance de voltar à presidência em 2018.
Manifestação na orla do Rio de Janeiro, RJ, 12/04/2015 (Foto: Futura Press)Manifestação na orla do Rio de Janeiro, RJ, 12/04/2015 (Foto: Futura Press)

Guerra dos Cabides


13 de abril de 2015
por Leonardo Lopes

Hoje, graças a Ricardo Noblat, ficamos conhecendo detalhes sobre a “Guerra dos Cabides”, episódio em que a presidente Dilma Rousseff atira cabides em sua camareira. Durante a última campanha presidencial circularam boatos na imprensa de que esse ocorrido  iria para a campanha de TV/Rádio do PSDB. Infelizmente, não foi.
Ainda, segundo Noblat, a camareira “Jane” foi comprada com um apartamento, uma soma em dinheiro e um novo emprego. Perguntas: Quem intermediou o novo apartamento (já que a rigor ela teria “furado a fila” no financiamento governamental)? Quem foi responsável pela quantia de dinheiro? Quanto foi a quantia de dinheiro? Quem é o novo empregador?
Dilma Rousseff é assim, “fala grosso com camareira e fino com banqueiros, empreiteiros e Lula”, invertendo o mantra de Chico Buarque de que o governo do PT “não fala fino com os Estados Unidos nem grosso com a Bolívia”.
Outros episódios ilustram o destempero da presidente com seus subordinados. Relembre alguns que foram notícias, mas a “militância de esquerda” ficou em silêncio:
Brazil's President Rousseff participates in ceremony of announcement for new measures of Plan "Brasil Maior" in Brazil
Dilma Rousseff atira notebook de um diretor do DNIT na parede
“Ministros e técnicos do governo federal agora evitam levar os próprios notebooks para reuniões com Dilma. Fiel ao seu jeito de ser, em recente reunião com dirigentes e técnicos do DNIT, se irritou com um deles, que insistia em mostrar-lhe no computador um projeto já rejeitado. Com firmeza e agilidade, tomou-lhe o notebook das mãos e o arremessou para longe, espatifando-o, para em seguida dispensar o interlocutor chamando o despacho seguinte: “Próximo!”.” Fonte.
Dilma Rousseff arrasta o segurança com arrancada do carro oficial
“O episódio ilustra a tensão que cerca assessores mais próximos de Dilma Rousseff no dia-a-dia: há cerca de dois meses, Dilma e o chefe da segurança presidencial, general Amaro, deixavam o Palácio do Planalto para mais um compromisso. Amaro é aquele clássico guarda-costas. Em último caso, tem de se jogar na frente da bala para salvar a vida da presidente.
Ocorre que ao pegarem o elevador, no terceiro andar, acabou faltando espaço para Amaro. Dilma desceu até a garagem, onde estava o comboio, entrou no carro e, ao perceber que o general havia ficado para trás, ordenou:
– Arranca! Arranca!
Diante da veemência de Dilma, o motorista comunicou a equipe pelo rádio e acelerou. Amaro, que já colocava a mão na maçaneta do carro, quase foi ao chão com a arrancada.” Fonte.
Dilma Rousseff abandona tradutora no Panamá de propósito e se diverte
“A presidente Dilma não demitiu antes o ex-chanceler Antonio Patriota por achar que “todos são a mesma coisa”, como diz dos diplomatas. Mas tratava mal a todos, como a tradutora em visita aos EUA que Dilma detestou. Para se vingar do Itamaraty pela viagem pífia, ela abandonou a tradutora no aeroporto da Cidade do Panamá, após escala na viagem de volta. Os colegas da moça, diplomatas, ficaram revoltados.
A escala para reabastecer demorou menos que previsto. Dilma mandou o avião decolar, mesmo sabendo que a tradutora ainda não retornara. A tradutora, que havia desembarcado para procurar uma farmácia, foi abandonada no Panamá sem passaporte nem malas. Dilma se divertiu.” Fonte.
Dilma atira cabides em camareira
“Uma pessoa que não ama seus semelhantes, ou que não sabe expressar seu amor por eles, não pode ser amada.  Que o diga Jane, ex-criada do Palácio da Alvorada.Um dia, Dilma não gostou da arrumação dos seus vestidos. E numa explosão de cólera, jogou cabides em Jane. Que, sem se intimidar, jogou cabides nela.O episódio conhecido dentro do governo como “a guerra dos cabides” custou o emprego de Jane.” Fonte.
Dilma desce a bordoada em camareira que se engana com colar
Caso da camareira que teria tomado uma bordoada, após pegar um colar diferente do solicitado pela patroa temperamental. Ou os médicos e militares, ajudantes de ordem, que, maltratados, passaram a enfrentar até problemas emocionais. Entre as histórias mais marcantes de bullying de Dilma: levou uma oficial da Marinha, indignada, a abandonar sua ajudante de ordens.”  Fonte.
Existe também o clássico em que a então ministra Dilma teria feito o ex-presidente da Petrobras Sergio Gabrielli chorar após uma bronca. Gabrielli, claro, negou. Fonte.
Dilma é assim. Sem mais, nem menos.

DST pouco conhecida preocupa especialistas

A 'Mycoplasma genitalium' (MG), bactéria causadora de doença sexualmente transmissível, já tem mostrado resistência aos antibióti...