sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Surto de peste negra na África preocupa OMS: 'Alarmante', diz diretora



Doença transmitida por pulgas de rato contaminou 263 
pessoas em Madagascar, matando 71 desde novembro


POR DANDARA TINOCO
COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS





Pesquisadores trabalham para desvendar esqueletos de vítimas da Peste Negra - HO / AFP



RIO e GENEBRA -Responsável por uma das mais devastadoras epidemias da História e temida por sua brutal mortalidade, a peste negra volta a preocupar autoridades internacionais. A doença, também conhecida como peste bubônica, infectou 263 pessoas na ilha de Madagascar, na África, levando a 71 mortes desde setembro passado, de acordo com dados divulgados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) anteontem. O surto teve seu pico entre novembro e dezembro e, ainda que haja indícios de arrefecimento, deve continuar até abril.

Peste Negra fortaleceu gerações posteriores, diz estudo
Epidemia de ebola deixa quase um milhão de pessoas sem comida e gera crise humanitária


Com uma letalidade que varia de 30% a 60% se não tratada, a doença matou 50 milhões de pessoas durante o século XIV. Embora considerada erradicada em diversas partes do mundo, há registros de epidemias em África, Ásia e América do Sul, nas últimas décadas, com destaque para o primeiro continente, desde os anos 1980. Em 2013, foram 783 casos e 126 mortes notificados em todo o mundo. Madagascar, um arquipélago com 20 milhões de habitantes, é um dos países mais atingidos. Nos EUA, por exemplo, onde moram mais de 300 milhões, são, em média, dez casos por ano, todos em áreas rurais.

A doença é causada pela bactéria Yersinia pestis, transmitida aos seres humanos pelas pulgas de ratos pretos e outros roedores. Porém, 8% dos casos progridem para uma pneumonia letal, transmissível diretamente entre uma pessoa e outra.

MÁ HIGIENE FACILITA DISSEMINAÇÃO

De acordo com especialistas, a doença poderia chegar a outros países por meio do trânsito de viajantes. Porém, barreiras locais são eficazes na contenção da doença. Além disso, a disseminação da doença costuma ocorrer em ambientes favoráveis a essa proliferação: locais com más condições de higiene, com ratos e pulgas, vetores da doença.

- Qualquer doença pode atingir outros países, especialmente nos dias atuais, pela frequência da movimentação de pessoas. Mas, no caso da peste, são necessárias condições propícias para o seu desenvolvimento, relacionadas principalmente à existência de doentes e a condições precárias de vida, onde haja presença de ratos e pulgas de forma não controlada - explica a coordenadora do Comitê Científico de Medicina de Viagem da Sociedade Brasileira de Infectologia, Sylvia Lemos Hinrichsen. - Adotar medidas de barreira em locais onde há a doença, o que inclui diagnóstico precoce, isolamento de doentes/suspeitos e tratamento rápido com antibióticos, fará, nos dias atuais, a diferença dos tempos medievais.

De acordo com a OMS, a praga está afetando a capital de Madagascar, Antananarivo, proliferando-se em favelas densamente povoadas.

O virologista Fernando Portela Câmara, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), explica que a doença tem um alto grau de imprevisibilidade:

- A doença tem uma dinâmica inesperada e complicada. O grau de letalidade depende da linhagem dos bacilos. No entanto, hoje há tratamento, caso a peste seja diagnosticada rapidamente.

Câmara acrescenta que, assim como o ebola, a doença normalmente emerge depois de um período de seca seguido de uma temporada de chuvas. O ambiente propício à transmissão é de temperatura abaixo dos 26°C.

Em carta ao comando da Organização das Nações Unidas (ONU) no final de janeiro, a diretora da OMS, Margareth Chan, destacou que o assunto merece atenção. Segundo a OMS, enchentes geradas por uma tempestade tropical no Oceano Índico e um ciclone atingiram Madagascar em janeiro, deixando sem casa dezenas de milhares de pessoas “e espalhando um sem-número de ratos, intensificando o risco de mais epidemias originadas em roedores”, escreveu a dirigente. O documento foi elaborado em meio a discussões sobre o orçamento da organização para 2016 e 2017. A praga foi citada por Margareth como exemplo de doença que pode ser um problema sério no futuro e para o qual a entidade internacional de saúde precisa estar preparada.

“Esse é o tipo de surto localizado que a OMS foi criada para conter. A praga é endêmica em Madagascar, onde epidemias sazonais são amplificadas pelas forças da pobreza e da urbanização desorganizada. Detectada precocemente, a doença responde bem a tratamento”, escreveu a diretora, explicando ainda que pesquisadores locais do Instituto Pasteur desenvolveram um teste que entrega o diagnóstico em 15 minutos. “Mas o surto que começou em novembro do ano passado tem dimensões perturbadoras. As pulgas que transmitem essa doença antiga de ratos para humanos desenvolveram resistência ao inseticida de primeira linha”.



Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/sociedade/saude/surto-de-peste-negra-na-africa-preocupa-oms-alarmante-diz-diretora-15306338#ixzz3Rd8CxUw7
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Nenhum comentário:

DST pouco conhecida preocupa especialistas

A 'Mycoplasma genitalium' (MG), bactéria causadora de doença sexualmente transmissível, já tem mostrado resistência aos antibióti...