segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Quando você descobrir o que significa o “Nós” e “Eles” de Lula, nunca mais vota no PT


nos e ele dominio do fato
O que seria dos espertos se não fossem os trouxas?
Por incrível que pareça, o discurso do PT é basicamente sustentado por um ingrediente bastante elementar. Tudo se baseia no pronome pessoal plural “Nós” utilizado na tradicional fórmula de cortesia. Sempre combinado com o “Eles”, esta fórmula é usada pelo partido para dividir o povo, numa alusão onde “Nós” são os oprimidos e “Eles”, as elites. Esta pregação de ódio tem um significado externo, entre os eleitores, e interno, entre os membros do partido.
Externamente, esta divisão visa explorar uma série de sentimentos vivenciados pelas pessoas mais vulneráveis da sociedade. Vulneráveis não apenas no aspecto financeiro, mas também emocional.
O brasileiro é bombardeado diariamente com informações visuais que não condizem nem um pouco com a realidade do povo. As pessoas se deparam desde pequenas com campanhas que enaltecem apenas um grupo na sociedade: os bonitos, ricos e inteligentes. Em todos os lugares, haverá sempre um programa na TV, uma revista ou um outdoor ostentando pessoas lindas, alegres e ricas.
Não há como mensurar o impacto destas informações sobre a população do país, onde a maioria é estigmatizada por não ser nem linda, nem rica, nem inteligente. De mesmo modo, não é difícil supor que a maioria das pessoas questionam esta realidade, onde muitos chegam à conclusão de que nunca serão lindos, ricos ou inteligentes. De uma forma ou de outra, esta ditadura de padrões interfere na auto estima das pessoas ou as pessoas se permitem afetar por isto. Tanto que muitas se submetem à ditadura do mercado e tentam se ajustar através da moda, recursos estéticos ou se associarem à ícones de consumo, de modo a se sentirem mais inseridas no contexto social.
O PT explora a baixa auto estima deste universo de pessoas, chamando à eles de “Nós”, acrescentando a eterna promessa de vingá-los, apontando para “Eles”. Os simpatizantes do PT são tão burros que ainda se permitem seduzir por este tipo de revanchismo social. Um método medíocre criado por pessoas espertas que encontraram a fórmula mágica para agradar a maioria. Este método deu tão certo para o PT, que seus simpatizantes chegaram ao ponto de defender todas as falcatruas, roubalheiras e atos de corrupção que os representantes do partido cometem à torto e à direita.
Os simpatizantes do PT não se deram conta ainda que o partido estimula, fortalece, manipula e explora a baixa auto estima do povo brasileiro, onde a maioria teve origem na miscigenação entre índios, negros e portugueses. O PT explora a boa fé de pessoas que ainda não tiveram acesso à educação de qualidade, como é o caso da maioria do povo deste país. O PT explora a fragilidade e a insegurança financeira que alcança a maior parte da população, como em qualquer outro país de terceiro mundo. O PT estimula o sentimento de ódio e de vingança contra uma minoria de pessoas no país, criminalizando-as por sua condição financeira, estética ou intelectual. Os simpatizantes do PT sofrem uma lavagem cerebral e acabam por esquecerem-se que no Brasil não há “Nós e Eles”. Todos são brasileiros.
Internamente, o conceito do “Nós e Eles” também é bastante útil ao partido. Funciona como uma espécie de estímulo à corrupção. Não é raro ver o Lula gritar em seus comícios frases como “Ele roubaram o país por mais de 500 anos”, dando margens à interpretações como “Agora é nossa vez” ou “Se eles roubaram, nós também podemos” ou ainda “Nós também não somos perfeitos”. Dentro do partido, o “Nós” pode significar uma credencial que dá direito aos integrantes do partido roubarem “Deles”.
o próprio Lula ratifica esta tendência e já declarou de público que, em caso de roubo cometido por um companheiro investigado pela justiça, ele fica do lado do companheiro;
Observem que o “Nós” está sempre presente nos discursos do PT. Ao pronunciar “Nós” eles estão incluindo você que votou “Neles”, aqueles que depois das eleições só vivem no meio dos mais ricos e também ficam cada dia mais ricos.
@muylaerte

Nenhum comentário:

STF custará R$ 2 milhões por dia em 2018.

       O Supremo Tribunal Federal (STF) tem um orçamento de R$ 714,1 milhões previsto para este ano. O montante representa um custo de...