Raúl Castro exige fim do bloqueio dos EUA a Cuba sem concessões



Presidente de Cuba fez declarações durante a 3ª Cúpula da Celac, que acontece entre quarta e quinta na Costa Rica

O presidente de Cuba, Raúl Castro, exigiu nesta quarta-feira (28/01) que os Estados Unidos acabem com seu bloqueio econômico à ilha e advertiu que Havana não vai fazer concessão política alguma no processo de normalização de relações com Washington.

"Os EUA admitiram o fracasso de sua política em relação a Cuba" e a decisão de seu presidente, Barack Obama, de normalizar as relações com Havana, é um "triunfo" do povo cubano, assegurou Castro na 3ª Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), realizada em Costa Rica.

Efe

Fotografia concedida pela Presidência da Costa Rica de Raúl Castro 


"Estas mudanças são o resultado de quase um século e meio de luta do povo cubano", disse Castro, assegurando que "a revolução cubana seguirá sendo fiel a seus princípios". "O bloqueio deve cessar", declarou contundentemente o presidente cubano, ao mesmo tempo em que defendeu "o princípio de não ingerência nos assuntos internos de um país e o direito inalienável de cada povo de escolher seu próprio sistema político".

Em nome desse mesmo princípio, Castro expressou sua solidariedade e apoio à Venezuela e ao governo de Nicolás Maduro e manifestou "uma condenação" à "contínua intervenção externa" que, segundo disse, sofre esse país.

Além de reiterar seu "respaldo à revolução bolivariana" na Venezuela, repudiou "os ataques dos fundos especulativos" contra o governo de Cristina Kirchner na Argentina, cuja reivindicação de soberania sobre as Ilhas Malvinas também respaldou.

O presidente cubano também teve palavras de apoio para o governo de Rafael Correa e seu processo contra a companhia petrolífera Chevron pelos danos causados por essa multinacional à "anatomia ambiental" do Equador.

'Não confio na política dos EUA', diz Fidel Castro pela 1ª vez após reaproximação dos países

Cúpula da Celac discute redução de pobreza, índice estagnado na região há dois anos

Fidel Castro se reúne com Frei Betto em Cuba

Além disso, o governante cubano atacou duramente "o armamentismo" dos Estados Unidos e seus aliados da Otan, a quem acusou de querer levar seus domínios à fronteira com a Rússia, país que defendeu das "injustas" sanções internacionais que é alvo.

Em discurso de aproximadamente uma hora, Castro agradeceu ao presidente do Panamá, Juan Carlos Varela, sua decisão de convidar Cuba à próxima Cúpula das Américas, feito com o qual constituiu a ante -sala da decisão dos Estados Unidos de normalizar suas relações com Havana.

Nesse processo de normalização de relações, o governante cubano considerou que, além do fim do bloqueio, Cuba deve ser retirada da lista elaborada por Washington de países que patrocinam o terrorismo.

Por fim, Castro denunciou que a América Latina e o Caribe constituem a região do mundo com maior desigualdade social e instou seus parceiros da Celac a superar essa situação, "com segurança social para todos" e "respeito aos direitos humanos".

Comentários

Postagens mais visitadas