sábado, 11 de outubro de 2014

Dez fatos absurdos da Coreia do Norte de Kim Jong-un

Dez fatos absurdos da Coreia do Norte de Kim Jong-un

1 de 10

Filme de comédia

Kim Jong-un interpretado por Randall Park na comédia 'The Interview'
Sem nenhum senso de humor, o regime comunista quer que um filme hollywoodiano seja banido e adverte que não impedir seu lançamento será considerado um “ato de guerra”. Estrelada pela dupla Seth Rogen e James Franco, a comédia ‘The Interview’ tem seu lançamento previsto para outubro. No filme, Franco interpreta o apresentador de um talk show e Rogen é seu produtor. Ao saber que Kim Jong-un é um fã do programa, eles resolvem viajar a Pyongyang para entrevistá-lo. A CIA fica sabendo dos planos e resolve recrutar os dois para matar o ditador. Se não bastasse a reclamação e as ameaças ridículas, a Coreia do Norte ainda teve a fala de bom senso de manifestar sua indignação para a ONU.

O dia em que é proibido dar risada

Ditador norte-coreano Kim Jong-un visita um centro de cultivo de cogumelos e sorri
No dia 8 de julho é proibido sorrir na Coreia do Norte. Isso mesmo, por mais surreal que possa soar, a risada é vetada neste dia. O motivo é que este dia marca a morte de Kim Il-sung, o fundador do país, avô do atual ditador Kim Jong-un. O decreto existe desde 1994 e proíbe sorrir, levantar a voz na rua, beber álcool e dançar porque todo o país está de luto. Neste dia, a rede de televisão estatal norte-coreana dedica o dia transmitindo a solene – e chata – cerimônia oficial em homenagem ao 'presidente eterno'.

Eleição perfeita

O ditador norte-coreano Kim Jong-un fala sua mensagem de Ano Novo
O ditador Kim Jong-un transformou o sonho impossível de muitos políticos em realidade. Nas últimas eleições no país, em março, ele obteve todos os votos válidos. Isso mesmo, ele teve 100% dos votose sem abstenção. O truque que lhe garante a eleição perfeita é simples: em cada uma das quase 700 circunscrições do país havia apenas um candidato, ele mesmo. Os eleitores podem optar apenas entre 'sim' e 'não', com a ressalva de que escolher o 'não' ou abrir mão de votar pode ser considerado um perigoso ato de traição – obviamente, as cabines de votação não são privadas. Na prática, o pleito serve para as autoridades detectarem deserções no exterior, já que o regime usa os dados dos eleitores  – todas as pessoas com mais de 17 anos – para atualizar o censo, e os funcionários responsáveis por organizar o processo eleitoral visitam todas as residências para confirmar a presença ou ausência de eleitores registrados.

Drone de brinquedo

Um drone norte-coreano foi encontrado em Baengnyeongdo, na Coreia da Sul
Enquanto os norte-coreanos se esforçam em seus frequentes testes de mísseis, na área dos aviões não-tripulados eles não têm muito o que comemorar. A Coreia do Sul relatou que encontrou em seu território um “drone estilo retrô” vindo do Norte. Mais próximo dos aviõezinhos de controle remoto do que dos atuais drones, a arma secreta norte-coreana era inofensiva: apenas tirava fotos, mas não tinha capacidade para fazer gravações ou transmitir as imagens, e muito menos para portar algum artefato explosivo. As fotos, porém, ficaram com os vizinhos do Sul após a queda por motivo desconhecido. Acabou a pilha?

Penteado da discórdia

O ditador Kim Jong-un exibe seu corte: raspado dos lados e alto no topo da cabeça
“Penteado ruim?”, questiona um cartaz com a imagem do ditador Kim Jong-un em um salão de Londres. A brincadeira inofensiva era para oferecer 15% de desconto em cortes de cabelo para homens, disse o dono do estabelecimento. Ele só não esperava que o cartaz virasse motivo para umincidente diplomático. “Penduramos o cartaz, mas não nos demos conta que a embaixada da Coreia do Norte está a dez minutos a pé do salão. No dia seguinte funcionários da Coreia do Norte passaram e pediram para falar com o gerente”, disse o cabeleireiro Karim Nabbach. O cabeleireiro respondeu: “Este país não é a Coreia do Norte, é a Inglaterra, vivemos em democracia. Pouco depois, o dono denunciou o caso à polícia, mas não teve maiores desdobramentos. A barbearia ganhou fama com reportagens e o movimento aumentou. No entanto, ninguém pede para fazer um corte de cabelo à la Kim Jong-un.

Mickey falsificado

Mickey e Minnie piratas fazem show na Coreia do Norte
Pouco se sabe sobre o ditador Kim Jong-un (nem mesmo sua idade), mas é certo que ele estudou na Europa e desenvolveu gosto por esportes ocidentais, como o basquete, e por outras coisas mais prosaicas: o Mickey. Em julho de 2012, personagens da Disney, entre eles Mickey Mouse, a Minnie e o Ursinho Pooh, apresentaram-se para o ditador da Coreia do Norte em Pyongyang. Kim Jong-um deve ter adorado, mas a Disney desaprovou a apresentação pirata e o uso sem autorização na Coreia do Norte.

Valem mais que mil palavras

Imagem divulgada pelo governo da Coreia do Norte mostra soldados motivados
Na tentativa de intimidar inimigos externos e demonstrar poder para o público interno, a Coreia do Norte parece ter se inspirado no realismo socialista dos anos 1930 – a “arte estatal” imposta pelo regime soviético, que invariavelmente mostrava trabalhadores e soldados construindo unidos a sociedade do futuro. A retórica belicista norte-coreana foi fortalecida pela divulgação de várias dessas imagens "realistas".

Na Coreia do Norte, unicórnios existem!

Um unicórnio, real para os norte-coreanos
Um dos pontos mais altos da criatividade norte-coreana em criam mentiras é tão fantasioso que beira o delírio. Em 2012, em uma tentativa de mitificar uma pretensa superioridade do povo norte-coreano, a agência estatal KCNA anunciou a comprovação da existência de cavalos mágicos com chifres na testa. Isso mesmo, unicórnios! A notícia foi comprovada pelo Instituto de História da Academia de Ciências Sociais da Coreia do Norte. A “prova” da existência desses animais míticos seria a Toca do Unicórnio do Rei Tongmyong, fundador do Reino Koryo (918-1392), que teria sido achada por arqueólogos norte-coreanos.

A explosão do Capitólio

Explosão atinge domo do Capitólio, em Washington, no vídeo de propaganda da Coreia do Norte
A Casa Branca sob a mira de um míssil. O domo do Capitólio – sede do Congresso americano – destruído por uma grande explosão. Cenas como estas, dignas dos filmes-catástrofe de Hollywood, ilustram um vídeo de propaganda divulgado por um canal oficial norte-coreano. Com edição e efeitos toscos, o clipe traz também imagens de tropas do exército norte-coreano, desfiles militares e disparos de artilharia.

by Veja

Sumiço de Kim Jong-un dá origem a rumores sobre golpe

Ásia

Ditador da Coreia do Norte não aparece em público há mais de um mês

Hwang Pyong-so (esquerda), tido como número 2 do regime norte-coreano, acompanha cerimônia de encerramento dos Jogos Asiáticos em Incheon, na Coreia do Sul
Hwang Pyong-so (esquerda), tido como número 2 do regime norte-coreano, acompanha cerimônia de encerramento dos Jogos Asiáticos em Incheon, na Coreia do Sul (Jason Reed/Reuters)
Quando as aparições públicas são uma das principais ferramentas da máquina de propaganda, o sumiço da figura mais poderosa do país se torna especialmente notável. Na Coreia do Norte, o desaparecimento de Kim Jong-un, que já dura mais de um mês, alimenta especulações sobre um possível golpe no país mais fechado do mundo.
O último ato público de Kim Jong-un ocorreu em 3 de setembro. Desde então, ele deixou de prestigiar eventos importantes, entre eles uma reunião da Assembleia Suprema do Povo, que reuniu representantes do partido comunista único que comanda o país e militares. Na terça-feira, o ditador perdeu a celebração do 17º aniversário da eleição de seu pai Kim Jong-il como secretário-geral do partido.
A ausência provocou ainda mais estranhamento depois que três nomes fortes do regime norte-coreano fizeram uma visita surpresa ao vizinho do Sul na cerimônia de encerramento dos Jogos Asiáticos, no fim de semana. O trio ainda concordou em retomar o diálogo oficial com a Coreia do Sul. Um dos representantes era Hwang Pyong-so, nomeado recentemente diretor do Escritório Político Geral do Exército, a posição política mais alta na área militar.
Leia também:
Por enquanto, representantes dos Estados Unidos e da Coreia do Sul acreditam que o ditador norte-coreano pode estar doente, mas não veem sinais de golpe. Fato é que rumores sobre golpes são uma constante no regime comunista. “A última vez foi quando todos previram que Kim Jong-un seria deixado de lado por seu tio mais experiente. E veja o que aconteceu com ele”, disse um integrante do governo americano ao jornal The New York Times.
Acusações de que Jang Song Thaek planejava tomar o poder tiveram um desfecho dramático quando o tio e mentor de Kim Jong-un foi executado pelo regime. E, como no totalitarismo não basta fuzilar, é preciso difamar, humilhar e mostrar, Jang ainda foi descrito como traidor e “escória humana desprezível, pior do que um cachorro”.
Nos primeiros dias de reclusão, as suspeitas giravam em torno do estado de saúde do ditador. No final de setembro, uma agência de notícias sul-coreana publicou que o ditador sofre degota, doença que causa inflamação nas articulações e compromete os movimentos. Pouco depois foi divulgado que ele havia sido submetido a cirurgias nos tornozelos. Em um documentário veiculado no final de setembro, o tirano aparecia mancando em uma visita a uma fábrica. A imprensa oficial norte-coreana limitou-se a dizer que Kim estava sofrendo com um “incômodo”.
Se alguns analistas acreditam que o ditador pode realmente estar apenas se recuperando, há muitos que sugerem que ele tenha perdido poder para integrantes mais experientes do regime, seja por meio de uma revolta planejada ou por um modelo que o mantenha apenas como uma figura de proa. Essa é a aposta do desertor Jang Jin-sung, que atuou na propaganda norte-coreana quando Kim Jong-il estava no poder. “Ele se tornou líder supremo de maneira simbólica. Ele não herdou necessariamente toda lealdade, confiança, conexões, experiência. Ele chegou como um novato e sua posição no sistema não é a mesma”, avaliou Jang, em entrevista à rede americana CNN. Para ele, o poder está nas mãos do Departamento de Organização e Orientação, do qual Hwang faz parte.
Esta sexta-feira pode ser uma oportunidade para acabar com o mistério – ou para aumentá-lo. O aniversário de 69 anos da fundação do Partido dos Trabalhadores (o nome oficial do partido comunista norte-coreano) é uma ocasião propícia para uma aparição pública de Kim Jong-un. Nos últimos dois anos, ele marcou a data com uma visita ao mausoléu em Pyongyang onde ficam os corpos de seu pai e de seu avô.
Se ele estiver se recuperando da cirurgia, é fácil imaginar que a Coreia do Norte não queira divulgar do ditador fragilizado. De qualquer forma, as especulações vão continuar até que ele apareça. “Haverá um momento em que, se Kim ainda não aparecer em público, então poderemos supor que há um problema sério”, disse ao NYT John Delury, especialista em Coreia do Norte da Universidade Yonsei, em Seul. “A questão é saber quanto tempo”.
by Veja

Delator da Petrobras diz que a campanha de Dilma em 2010 foi beneficiada por dinheiro desviado

O ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e o 

doleiro Alberto Youssef afirmam que o PT foi o 

partido mais contemplado pela propina. As 

revelações estarrecedoras escancaram a falência 

moral do Estado nos últimos anos


Josie Jerônimo (josie@istoe.com.br)
Na quarta-feira 8, vieram à tona áudios de depoimentos feitos em regime de delação premiada na Justiça Federal em Curitiba por Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras, e pelo doleiro Alberto Youssef – considerados hoje dois dos maiores arquivos vivos da República e detentores dos segredos mais explosivos da maior estatal do País. As declarações dos delatores descrevem uma gigantesca rede de corrupção formada por dirigentes da Petrobras, empreiteiras e partidos políticos integrantes da base de sustentação do governo Dilma Rousseff. As revelações são estarrecedoras. A corrupção estatal poucas vezes foi exposta de maneira tão crua e direta narrada abertamente por seus executores a serviço do Estado. Nos áudios, os depoentes apontam PT, PMDB e PP como as legendas beneficiadas pelo propinoduto e colocam sob suspeição a campanha de 2010 da presidenta Dilma Rousseff. “Dos 3% da Diretoria de Abastecimento, 1% seria repassado para o PP e os 2% restantes ficariam para o PT. Isso me foi dito com toda a clareza”, afirmou o ex-diretor da Petrobras. “Outras diretorias também eram PT. O comentário que pautava dentro da companhia era que em alguns casos os 3% ficavam para o PT”, acrescentou. Um dos operadores dos desvios na Petrobras, de acordo com os depoimentos, era João Vaccari Neto, tesoureiro do PT. Indicado para o cargo pelo ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, o ex-diretor de Serviços Renato Duque e Nestor Cerveró, ex-dirigente da Área Internacional da Petrobras da cota do PMDB, também recebiam propina. “Bom, era conversado dentro da companhia e isso era claro que sim. Sim. A resposta é sim”, afirmou Paulo Roberto Costa, questionado sobre o pagamento de suborno aos dois. As movimentações irregulares, segundo disseram, continuaram até 2012, quando Costa deixou a estatal, e pode ter contaminado a atual campanha de Dilma à reeleição.
01.jpg
É fato que se a sociedade brasileira encarar como natural esse assalto à coisa pública terá de estar preparada para aceitar todo e qualquer tipo de desmando de seus governantes. Os limites estarão rompidos indissoluvelmente. Mas, sabe-se, não é da índole do brasileiro compactuar com malfeitos. Neste caso, malfeitos perpetrados no coração da maior estatal do País, motor do desenvolvimento e outrora símbolo da soberania nacional. O dinheiro desviado tinha origem no superfaturamento dos contratos da Petrobras. A taxa média do sobrepreço, além da boa margem de lucro, girava em torno de 3%. Paulo Roberto Costa explicou como funcionava a fábrica de dinheiro para as campanhas políticas e o bolso dos corruptos. Costa confessou que atuava como guardião dos numerários da corrupção. Ele intermediava contatos políticos, gerenciava o pagamento de propina das empreiteiras e cuidava dos critérios da distribuição dos lucros aos partidos envolvidos. O ex-diretor foi assertivo ao apontar o PT como o maior beneficiário dos desvios. Cada partido tinha seus próprios operadores. De acordo com os depoimentos, o ex-deputado José Janene (PR), que faleceu em 2010, e Youssef eram os responsáveis por distribuir o dinheiro da propina no PP. Eles também entregavam a parte que cabia ao ex-diretor da Petrobras por sua atuação nas irregularidades. Costa não detalhou como era feita a divisão dos recursos no PT, tarefa do tesoureiro João Vaccari. No organograma do crime, o delator aponta o ex-diretor de Serviços Renato Duque, apadrinhado de José Dirceu, como o contato do tesoureiro do PT na estatal. 
02.jpg
O MAGISTRADO
Os depoimentos, colhidos pelo juiz Sérgio Moro,
impressionaram pela riqueza de detalhes e pela
sofisticação do esquema corrupto narrado
A farra da base aliada na estatal se iniciou, de fato, em 2007, quando a Petrobras direcionou o orçamento para grandes projetos, como a construção de refinarias. Mas a idealização e a montagem da rede de corrupção remetem a 2004, com a nomeação de Paulo Roberto Costa para a Diretoria de Abastecimento. Na cúpula da estatal, ele teve grande importância na ampliação do poder do cartel das empreiteiras e na geração de mais divisas para a ala de políticos da quadrilha. Por isso, contou com o lobby de fortes lideranças do cenário nacional para chegar ao posto, com o aval do Palácio do Planalto. Nesse ponto, o doleiro Youssef fez uma das revelações mais importantes de seu depoimento. “Para que Paulo Roberto Costa assumisse a cadeira de diretor da Diretoria de Abastecimento, esses agentes políticos trancaram a pauta no Congresso durante 90 dias. Na época o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ficou louco, teve que ceder e realmente empossar o Paulo Roberto Costa”, contou Youssef no interrogatório.
04.jpg
Ao afirmar que Lula se curvou aos interesses de um bando especializado em drenar dinheiro dos cofres da Petrobras, o doleiro pode ter fornecido um dos fios da meada para se entender como os governos petistas contemplaram as práticas ilícitas. Registros do Congresso trazem indícios de que o doleiro, realmente, tinha razão. Na primeira quinzena de abril de 2004, um mês antes de Costa ser nomeado diretor da Petrobras, o governo Lula sofreu com uma rebelião da base, capitaneada pelo PMDB. À época, o presidente mandou ao Congresso uma medida provisória que reajustava o salário mínimo para R$ 260. Para retaliar o governo, a base passou a exigir o cumprimento de uma promessa de campanha de Lula, que previa o salário mínimo a US$ 100, o equivalente a R$ 289. O PT trabalhava, ainda, para aprovar um projeto que criava 2.800 cargos de confiança no governo. O PP de José Janene passou algumas semanas sem sequer registrar presença no plenário, com o único objetivo de prejudicar o governo do Planalto. Renan Calheiros (PMDB-AL), hoje presidente do Congresso e também citado nas investigações da Lava Jato, comandou a rebelião no Senado.
Presos no início do ano durante a Operação Lava Jato da Polícia Federal, Costa e Youssef aceitaram contribuir com as investigações em troca do abrandamento de suas penas. Nos depoimentos em Curitiba, eles não tinham autorização para explicitar os nomes das autoridades com direito a foro especial, caso de parlamentares, por se tratar de Justiça de primeira instância. Esses casos são apurados somente no Supremo Tribunal Federal (STF).
05.jpg
OS SEGREDOS DO DOLEIRO
Preso em Curitiba, Alberto Youssef disse que o Congresso ameaçou
paralisar a pauta e Lula capitulou às pressões para
que Paulo Roberto Costa fosse nomeado
06.jpg
Mesmo sem poder citar nomes, o ex-diretor forneceu informações que, de forma indireta, tiram o sono de muitas autoridades. O delator descreveu, por exemplo, uma consultoria prestada a um político fluminense candidato a cargo majoritário, que queria fazer um plano de governo direcionado ao setor de energia para captar recursos de financiamento de campanha das empresas da área. Costa também envolveu o PMDB ao citar a Diretoria Internacional da Petrobras como feudo da sigla. Segundo o ex-diretor, o responsável por fazer o serviço sujo do recolhimento da propina junto às empreiteiras seria Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano. “Na Diretoria Internacional, o Nestor Cerveró foi indicado por um político e tinha ligação forte com o PMDB”, disse o delator. Nos bastidores do Congresso, atribui-se a indicação de Cerveró a Renan Calheiros.
“Em diretorias como gás, energia e exploração, o comentário
na companhia é que 3% ficavam com o PT”
Chamou a atenção dos investigadores o tom de deboche muitas vezes adotado nas conversas dos envolvidos nas práticas corruptas. Nesse contexto, uma das expressões mais usadas pelos interlocutores era um trecho da Oração de São Francisco de Assis, aquele que prega “é dando que se recebe”. “Nós tínhamos reuniões, com certa periodicidade, com esse grupo político e nesses encontros comentava-se, recebemos isso, recebemos aquilo”, afirmou o ex-diretor, sobre os acertos de propina. As cifras astronômicas que abasteciam o esquema são tratadas com naturalidade pelo ex-diretor, mas deixam confusos até mesmo os experientes investigadores do caso. Ao narrar episódio em que recebeu R$ 500 mil das mãos do presidente da Transpetro, Sérgio Machado, por ter ajudado a intermediar contratação de empresas de navios, os interrogadores não esconderam o espanto e questionaram Costa sobre a forma de pagamento da propina. “Uma parcela”, respondeu.
“Tem uma tabela e ela revela valores de agentes
de vários partidos relativos à eleição de 2010”
Meio milhão de reais é uma cifra desprezível no universo de dígitos dos contratos firmados entre as empreiteiras que compunham o cartel que dominou a Petrobras. Relatório da Polícia Federal estima que, de R$ 5,8 bilhões em transações firmadas, R$ 1,4 bilhão escoou pelo ralo graças a obras superfaturadas para abastecer a quadrilha. Paulo Roberto Costa apontou 11 empresas envolvidas nos desvios. Ele detalhou a ação orquestrada das companhias, mas faz questão de dizer que nem todos os contratos da estatal estão contaminados. Como exemplo, ele cita a Refinaria Abreu e Lima, de Pernambuco. De acordo com Costa, o empreendimento reúne aproximadamente 50 empresas, mas o cartel não encampa todas as contratadas. A máquina de irregularidades era tocada pelas empreiteiras Odebrecht, Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez, Mendes Júnior, UTC, Engevix, Iesa, Toyo Setal, Galvão Engenharia, OAS e Queiroz Galvão. O delator listou, também, o nome de diretores responsáveis por negociar as condições especiais proporcionadas às firmas. As empreiteiras repudiaram publicamente as denúncias. O ex-diretor envolveu os altos escalões das empresas: “Os presidentes das companhias tinham conhecimento do esquema”. As empresas agiam como se fossem donas da Petrobras, segundo relato do delator. Rateavam os contratos conforme a disponibilidade de suas equipes e determinavam a taxa de lucro que queriam. Quando uma firma fora do grupo conseguia romper a barreira do cartel, as empreiteiras protestavam. “Às vezes participaram empresas que não eram do cartel, ganhavam a licitação e isso deixava as empresas do cartel muito zangadas”, afirmou.
07.jpg
DRENAGEM DE BILHÕES
Erguida ao custo de US$ 20,1 bilhões - valor dez vezes superior ao
estimado preliminarmente (US$ 2,5 bilhões) -, a Refinaria Abreu e
Lima é o retrato da corrupção, incompetência e malversação
de recursos, revelou a Polícia Federal
08.jpg
O cartel formado pelas empreiteiras para sangrar as contas da Petrobras, segundo Paulo Roberto Costa, agia também em alguns ministérios. A rede de pagamento de propina da estatal funcionaria para abrir portas em pastas com gordos orçamentos para obras de infraestrutura. “Empresas que tinham interesses em outros ministérios, capitaneados por partidos, participaram de obras de rodovias, saneamento básico, do Minha Casa Minha Vida. No meu tempo na Petrobras, nenhuma empresa deixou de pagar propina. Se você cria um problema de um lado, pode gerar de outro”, afirmou.
“Na refinaria Abreu e Lima a Camargo Corrêa participou
do cartel e efetuou os repasses a políticos”
Ao fim do trabalho de análise e recolhimento de provas, os empresários atrelados à fraude responderão a processo criminal. Além dos relatos do ex-diretor, os investigadores da Lava Jato conseguiram obter de uma das companhias um tipo de colaboração no formato de um acordo de leniência. A empresa está ajudando a reunir provas financeiras para demonstrar a atuação do cartel. A ajuda garantirá a essa empreiteira a possibilidade de evitar sanções, como firmar novos contratos com o poder público. Seus diretores, no entanto, terão de responder penalmente pela participação nas negociatas.
“Recebia em espécie na minha casa, no shopping ou escritório.
Recebi da Transpetro R$ 500 mil e quem pagou foi Sérgio Machado
A divulgação do interrogatório do doleiro e do ex-diretor da Petrobras incendiou o ambiente eleitoral e os citados se apressaram em repudiar as acusações. O ex-presidente Lula usou um repertório que já lhe é peculiar ao reagir às novas denúncias. Em discurso em Campo Limpo, São Paulo, bradou como se vítima fosse e como se ele e o seu partido estivessem acima do bem e do mal: “Eu já estou de saco cheio (das denúncias contra o PT). Daqui a pouco eles estarão investigando como nós nos portávamos dentro do ventre da nossa mãe”. No governo, intensificam-se as pressões para a demissão de Sérgio Machado, da Transpetro, que teria entregado R$ 500 mil para Paulo Roberto Costa. O objetivo é evitar mais desgastes para o Planalto. O PT, como Lula, também cumpre roteiro conhecido. Pretende procurar o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, para pedir que não ocorram novos vazamentos, durante o segundo turno das eleições, dos depoimentos feitos em sigilo de justiça. Zavascki desempenha papel de protagonista nas investigações. Como ministro do STF, instância responsável por julgar políticos e autoridades com foro privilegiado, coube a ele validar os depoimentos colhidos pelo juiz Sérgio Moro. Na etapa atual, ele analisa as provas colhidas pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal que envolvem parlamentares e ministros do Estado na rede de corrupção. Não são poucas.
“Dentro do PT a ligação do diretor de serviço
era com o tesoureiro, o senhor João Vaccari”
03.jpg
Fotos: JF DIORIO/AE, Nacho Doce/Reuters, Ricardo Borges/Folhapress; Guga Matos/JC Imagem/Folhapress

Como fazer um frontline caseiro

.

Dizem que só existem cães e gatos que tomam “prozac” porque estão acabando com as suas pulgas que os mantinham ocupados. Brincadeiras à parte, o fato é que as pulgas e os carrapatos veem se tornando um flagelo para os nosso peludos, e que os frontlines industriais além de custarem muito caro, não estão dando conta do recado. Esta receita abaixo funciona, mesmo, e custa muito pouco, basta dar uma olhada nos relatos de usuários.
É muito simples, é só seguir a receita que não tem erro.

Ingredientes:
  1. 1 litro de álcool - compre álcool de cereais - é melhor do que o de supermercado;
  2. 30g de cânfora
  3. 1 pacotinho de cravo da índia;
  4. 1 copo de vinagre branco;
Obs: não leva água

Modo de fazer:

Misture tudo e deixe em infusão até dissolver a cânfora. Misture todos os ingredientes, coloque num borrifador de plantinhas.

Use bastante nos pelos dos cães e gatos, na casa depois de varrer, nas casinhas deles.
Carrapatos aparecem ás vezes, pois o vento traz, mas morrem na hora!

Quando chega um peludo resgatado da rua, antes do banho eu borrifo esta solução neles e envolvo com uma toalha. As pulgas saem mortas e os carrapatos quase morrendo! Depois é só dar o banho, secar e colocar mais a solução pra garantir."

Fonte original: Rede

Obs 1.

Em função da polêmica em torno da quantidade de pedras ou gramas de cânfora no frontline, fiz uma pesquisa e, conforme a FDA (Food and Drug Administration) dos EUA, o percentual recomendado de cânfora em composição de fórmulas e medicamentos é de 3%.

Como um litro de álcool equivale a 790 gramas, a quantidade de cânfora seria de 24g e se considerarmos, tambem, os 250ml de vinagre, a quantidade de cânfora seria algo em torno de 30g. Ainda, conforme a FDA, deve ser evitado a administração do composto que contenha a cânfora em bebês humanos.

frontline como estava antes, com as 30 pedras ou 60 gramas, sempre foi utilizado por uma infinidade de pessoas com resultados excelentes e sem relatos de ocorrência de problemas de qualquer natureza nos cães e gatos, muito pelo contrário, como pode ler nos depoimentos em comentários abaixo, de muitos usuários.

Obs 2.

Embora a cânfora seja tida como de fácil dissolução em álcool, isso não acontece com tanta facilidade assim, logo, você deve amassá-la e só depois colocar na mistura.


Atenção! 


Resolvemos publicar este receita: Como fazer o Dersani caseiro, o cicatrizante em função da necessidade de muitos usuários de resolver problemas de lesão de pele provocadas em cães e gatos, sobretudo por pulgas, já que, conforme relatos ele realmente funciona. Dê uma olhada!

 Atendendo a pedidos de alguns usuários decidimos publicar uma fórmula para facilitar a limpeza dos ouvidos dos cães feita por você mesmo. Não tem erro. Além da formula, muito simples, segue um passo a passo de como proceder na aplicação: Como fazer a limpeza dos ouvidos dos cães. (16/04/13) 

É isso! 

Perfume nacional tem cheiro de maconha, dizem usuários





FELIPE PATURY E TERESA PEROSA

11/10/2014 

Três meses sem consumir maconha são necessários para que os efeitos no esperma desapareçam  (Foto: Getty Images)
A Natura enfrenta uma onda de reclamações sobre seu novo perfume masculino, o #urbano. Em redes sociais, como o Twitter, e o ReclameAqui acumulam críticas do mesmo teor: ele cheira a maconha. Alguns dizem que tiveram de dar explicações em casa e no trabalho sobre o odor que exalaram. A Natura diz que não existe similaridade química entre a matéria-prima do #urbano com notas que remetam a cheiros como fumo, fumaça e afins e que troca produtos, em caso de queixa. O #urbano na embalagem de 100 ml custa aproximadamente R$ 90.

Aécio dispara e abre 17 pontos de vantagem sobre Dilma, mostra pesquisa Istoé/Sensus

Primeiro levantamento após divulgação de áudios da Petrobrás mostra que escândalo atingiu em cheio campanha da petista

Mário Simas Filho
Primeira pesquisa ISTOÉ\Sensus realizada depois do primeiro turno da sucessão presidencial mostra o candidato Aécio Neves (PSDB) com 58,8% dos votos válidos e a petista Dilma Rousseff com 41,2%. Uma diferença de 17,6 pontos percentuais. O levantamento feito entre a quarta-feira 7 e o sábado 10 é o primeiro a captar parte dos efeitos provocados pelas revelações feitas pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa sobre o detalhamento do esquema de corrupção na estatal. “Além do crescimento da candidatura de Aécio Neves, observa-se um forte aumento na rejeição da presidenta Dilma Rousseff”, afirma Ricardo Guedes, diretor do Instituto Sensus. Segundo a pesquisa, o índice de eleitores que afirmam não votar em Dilma de forma alguma é de 46,3%. A rejeição de Aécio Neves é de 29,2%. “O tamanho da rejeição à candidatura de Dilma, torna praticamente impossível a reeleição da presidenta”, diz Guedes. A pesquisa também capta, segundo o diretor do Sensus, os apoios políticos que Aécio recebeu durante a semana, entre eles o do PSB, PV e PPS.
aecio2.jpg
 

As 2000 entrevistas feitas em 24 Estados e 136 municípios mostra que houve uma migração do eleitorado à candidatura tucana mais rápida do que as manifestações oficiais dos líderes políticos. No levantamento sobre o total dos votos, Aécio soma 52,4%, Dilma 36,7% e os indecisos, brancos e nulos são 11%, tudo com margem de erro de 2,2% e índice de confiança de 95%. Nos votos espontâneos, quando nenhum nome é apresentado ao eleitor, Aécio soma 52,1%, Dilma fica 35,4% e os indecisos são 12,6%. “A analise de todos esses dados permite afirmar que onda a favor de Aécio detectada nas duas semanas que antecederam o primeiro turno continua muito forte”, diz Guedes. O tucano, segundo a pesquisa ISTOÉ\Sensus, vence em todas as regiões do País, menos no Nordeste. No PSDB, a espectativa é a de que a diferença a favor de Dilma no Nordeste caia nas próximas pesquisas, principalmente em Pernambuco, na Bahia e no Ceará. Em Pernambuco devido o engajamento da família de Eduardo Campos na campanha, oficializado na manhã do sábado 10. Na Bahia em função da presença mais forte do prefeito de Salvador, ACM Neto, no palanque tucano. E, no Ceará, com a participação do senador eleito Tasso Jereissati.
Além da vantagem regional, Aécio, de acordo com o levantamento, supera Dilma em todas as categorias socioeconômicas, o que, segudo a análise de Guedes, indica que a estratégia petista de apostar na divisão do País entre pobres e ricos não tem dado resultado.

PESQUISA ISTOÉ|Sensus
Realização – Sensus
Registro na Justiça Eleitoral – BR-01076/2014
Entrevistas – 2.000, em cinco regiões, 24 Estados e 136 municípios do País
Metodologia – Cotas para sexo, idade, escolaridade, renda e urbano e rural
Campo – de 07 a 10 de Outubro de 2014
Margem de erro - +/- 2,2%
Confiança – 95%

DST pouco conhecida preocupa especialistas

A 'Mycoplasma genitalium' (MG), bactéria causadora de doença sexualmente transmissível, já tem mostrado resistência aos antibióti...