Oito medidas simples para prevenir e aliviar a gastrite

Mastigar adequadamente e escolher os alimentos certos são algumas das maneiras de tratar a dor, causada pela inflamação das paredes do estômago

Patricia Orlando
gastrite
Gastrite: queimação, dor no estômago e náusea são os principais sintomas da doença (Thinkstock)
Queimação, dor no estômago e náusea são queixas de 15 a 30% dos pacientes que procuram um gastroenterologista. Esses sintomas são característicos de gastrite, uma inflamação aguda ou crônica nas paredes internas do estômago.

A bactéria Helicobacter pylori, que se hospeda no estômago, é apontada como uma das causadoras da gastrite. Estima-se que 80% dos brasileiros estejam infectados pela bactéria e que 5 a 15% dessas pessoas manifestem a doença. A relação entre a H. pylori e a gastrite ainda não foi compreendida pela medicina, mas acredita-se que o micro-organismo enfraqueça a mucosa estomacal, fazendo com que o suco gástrico machuque as paredes do estômago.

O uso prolongado de anti-inflamatórios não hormonais (como a aspirina) e o consumo exagerado de bebidas alcoólicas são fatores que também sensibilizam a mucosa estomacal, assim como stress, tabagismo e má alimentação.
Diagnóstico — Os sintomas da gastrite são parecidos com os de refluxo, má digestão e até câncer. Por isso, o ideal é, antes de tomar um remédio por conta própria, procurar um médico, que pedirá uma endoscopia para confirmar o diagnóstico. "A automedicação alivia os sintomas no momento, mas pode mascarar outras doenças mais graves", diz o gastroenterologista Rogério Saad, professor da Faculdade de Medicina de Botucatu Unesp/FMB.

Uma gastrite não tratada pode evoluir para uma úlcera, um profundo machucado na mucosa do estômago. Os sintomas da moléstia são perda de peso rápida, vômito ou fezes com sangue, febre, olhos amarelados, vômitos frequentes, anemia e presença de gânglios em regiões como pescoço e virilha.

O tratamento da gastrite segue os mesmos preceitos da sua prevenção e inclui remédios para diminuir a acidez no estômago e, na presença da bactéria H. pylori, antibióticos.

Maneiras de aliviar a gastrite


Mastigar bem a comida

A mastigação ajuda a formar o bolo alimentar, reduzir as partículas do alimento e, por isso, facilitar o processo digestivo. "Quando a pessoa não mastiga adequadamente, o organismo precisa secretar mais suco gástrico para digerir a comida, o que favorece a gastrite", diz Carolina Pimentel, gastroenterologista do Núcleo de Gastroenterologia do Hospital Samaritano de São Paulo.

Moderar no café

O café exerce uma ação irritante se a mucosa do estômago estiver inflamada. "Seria como jogar álcool numa ferida aberta: vai doer", diz o gastroenterologista Rogério Saad, professor da Faculdade de Medicina de Botucatu Unesp/FMB. "A recomendação é não exagerar na quantidade e trocar cafés muito concentrados, como o expresso, por versões mais fracas ou descafeinadas."

Não exagerar no álcool

O álcool ataca diretamente a mucosa estomacal, deixando o estômago com uma menor proteção contra os efeitos ácidos do suco gástrico. "O consumo exagerado aliado a hábitos como a má alimentação pode agravar a gastrite e levar até a uma úlcera", diz Rogério Saad.

Evitar alimentos gordurosos

"Alimentos de digestão lenta, como os gordurosos, fazem o estômago produzir mais suco gástrico, o que pode agravar a gastrite", afirma o gastroenterologista Renato Simão, cirurgião do aparelho digestivo do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo.

Comer de três em três horas

O suco gástrico é constantemente secretado pelo estômago. Por isso, deixar o estômago vazio faz com que o suco ataque diretamente a mucosa do órgão, causando as dores características da gastrite. Comer de três em três horas ajuda a manter o estômago sempre protegido.

Controlar o stress e a ansiedade

O stress e a ansiedade podem causar gastrite aguda. "Como reação a esses estados emocionais, o corpo aumenta a secreção do suco gástrico, o que machuca a parede estomacal", diz Rogério Saad. Ter hábitos relaxantes e praticar atividades físicas podem ajudar a controlar os nervos.

Não fumar

Fumar estimula a produção ácida no estômago, lesionando a barreira da mucosa gástrica. "Além disso, a nicotina altera o funcionamento do intestino, o que interfere na absorção dos alimentos", diz Renato Simão.

Tomar anti-inflamatórios não hormonais controladamente

Os anti-inflamatórios não hormonais, como a aspirina, podem afetar tanto na diminuição do muco, quanto no aumento do suco estomacal. "Muitas pessoas tomam esses medicamentos sem precisar. Seu uso descontrolado pode causar gastrite", diz Carolina Pimentel. 

Fontes: Carolina Pimentel, gastroenterologista do Núcleo de Gastroenterologia do Hospital Samaritano de São Paulo; Luis Gonzaga Vaz Coelho, gastroenterologista da Federação Brasileira de Gastroenterologia; Renato Simão, gastroenterologista e cirurgião do aparelho digestivo do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo; Rogério Saad, gastroenterologista e professor do departamento de gastroenterologia da Faculdade de Medicina de Botucatu Unesp/FMB.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PALETES E CAIXOTES DE MADEIRA NA SUA CASA JÁ!

Reencarnação e Alma dos Animais por Chico Xavier

A flor mais rara do mundo