Leia isto e tire o resto do dia de folga

ECONOMIA&NEGÓCIOS

Terça-Feira 29/07/14

O bilionário Carlos Slim defende três dias de trabalho por semana; na Coreia do Sul, funcionários poderão tirar soneca – para onde vai a jornada de trabalho?

Slim: três de dias de trabalho e quatro de descanso

Bloomberg View
Carlos Slim é um sujeito bem sucedido: dono da maior ou segunda maior fortuna do mundo, dependendo do critério adotado e do quanto ele tenha gasto no almoço. Assim sendo, vale a pena prestar atenção quando ele tem algo a dizer sobre trabalho e produtividade.
Numa conferência realizada recentemente no Paraguai, Slim, que controla a América Móvil, maior operadora de celular das Américas, defendeu uma reforma radical no regime de trabalho das 9 às 17 horas: melhor seria se as pessoas trabalhassem três dias por semana, com mais horas por dia (11), e a aposentadoria só viria mais tarde (perto dos 70). Os dias de folga adicionais proporcionariam às pessoas mais tempo para relaxar e inventar coisas, disse Slim.
No outro lado do mundo, o governo municipal de Seul, na Coreia do Sul, estava cantando o mesmo refrão – na verdade, o refrão de uma canção de ninar: logo os funcionários terão permissão para tirar sonecas à tarde, embora o experimento das sonecas seja limitado aos meses de verão. Talvez os funcionários do governo municipal tenham percebido algo que a ciência do sono já diz há algum tempo: as sonecas ajudam a melhorar o desempenho cognitivo, especialmente se a soneca ficar na casa dos 10 a 25 minutos.
O ethos do ‘mais sonecas, menos trabalho’ não é novidade. Mas seus principais defensores costumavam estar na parte mais sensível do espectro do trabalho, lugares como a Suécia ou empresas como o Google. Agora a ideia recebe o apoio de um bilionário de peso e dos administradores da maior cidade de um país conhecido pelas jornadas de trabalho exaustivas, noites de trabalho movidas a soju(bebida destilada) e insônia crônica.
Ainda assim, não será fácil para que tais ideias peguem, obviamente. A semana de trabalho, submetida a uma pressão possibilitada pela tecnologia pessoal e incentivada pela ansiedade com o emprego, vai no sentido contrário: ampliá-la, e não reduzi-la.
O aspecto genial das ideias de Slim e dos governantes de Seul está em aceitar a maleabilidade da semana de trabalho do século 21, mas indagar por que a mudança só se dá numa direção. O fato de o ambiente de trabalho estar sempre ligado e à disposição não significa que a semana de trabalho deva ser ininterrupta. Afinal, a semana de trabalho de cinco dias foi criada numa época em que tínhamos artigos secos, motores a vapor e lampiões. O ambiente de trabalho se tornou mais eficiente desde então. A semana de trabalho deve seguir o mesmo rumo, não?
Alguns burocratas sonolentos de Seul e um importante bilionário da Cidade do México dizem que a resposta é sim. (Assim como o conselho editorial de uma organização conhecida por sua ética de trabalho de primeira a chegar, última a sair, e também pelo ambiente de escritório aberto, que facilita o convívio, mas dificulta as sonecas.) A questão é como colocar a ideia em prática. É bem possível que as pessoas tenham necessidades específicas em relação às sonecas, ou talvez precisemos de um ano inteiro de dias de trabalho de 18 horas para descobrir a resposta. Ao menos as pessoas despertaram para este problema. 
Tradução de Augusto Calil
by EStadão blog

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PALETES E CAIXOTES DE MADEIRA NA SUA CASA JÁ!

Reencarnação e Alma dos Animais por Chico Xavier

A flor mais rara do mundo