A ‘Besta’ revelada

por Cássio Barbosa

Cássio Barbosa









No dia 8 de junho, enquanto todo o mundo estava interessado na Copa, eu inclusive, um elemento sorrateiro passou por perto. Sem nenhum interesse pelo que se passava aqui na Terra, mas certamente dando calafrios em quem estava atento.

Nesse dia, o asteroide 2014 HQ124 deu um “rasante” na Terra. Ele passou a mais ou menos 1,25 milhões de quilômetros do planeta, o que é algo em torno de 3 vezes a distância entre nós e a Lua. Outros asteroides já passaram a distâncias até menores que isso; ano passado o asteroide 2012 DA14 passou a meros 25 mil km da superfície da Terra! Isso é menos do que a altitude dos satélites de comunicação. Eles estão em órbita geoestacionária da Terra a uma altura de 36 mil km.

O que arrepia nesse caso não é a distância, mas o tamanho de HQ124. Ele tem aproximadamente 352 metros de diâmetro e tinha sido descoberto apenas no final de abril, com um telescópio espacial que não faz monitoria do céu.

Explicando: existem hoje vário projetos de monitoria de objetos particularmente perigosos, no sentido de colisão conosco. Segundo consta, todos os asteroides com algum risco de colisão com a Terra que tenham mais de 100 metros diâmetro já haviam sido catalogados. Mas o HQ124 escapou desse catálogo. Mais ainda, nenhum projeto de monitoria do céu conseguiu observá-lo! Todas as noites, telescópios de diversos países, formando uma rede de observação, apontam para o céu e identificam esses objetos. Nesse caso, nenhuma dessas redes pegou essa "Besta", como foi apelidado, mas coube a um telescópio espacial que observa no infravermelho chamado WISE disparar o alerta.

O tamanho de HQ124 assusta, se ele ou qualquer outro irmão de tamanho semelhante acertasse a Terra, o impacto seria o equivalente ao de uma bomba H, muito mais poderosa do que uma bomba nuclear. Isso não seria suficiente para aniquilar a vida, mas certamente causaria estragos imensuráveis, principalmente se caísse em alguma região densamente povoada. Ou mesmo causando um tsunami gigantesco se caísse no mar. O que daria no mesmo.

Durante sua passagem, uma rede de radiotelescópios se mobilizou para obter imagens de radar de HQ124. As imagens mostram detalhes da sua superfície com tamanho de 4 metros. Com essa precisão, seu tamanho foi revisado para 370 metros pelo menos, mas as imagens mostram algo mais intrigante.

A forma alongada demais do asteroide sugere que ele seja na verdade composto por duas rochas encostadas uma na outra. Isso formaria um sistema duplo de contato, um sistema visto pela primeira vez.

O HQ124 passou por nós no último dia 8, a uma velocidade de mais de 50 mil km/h. Ainda que o impacto não fosse trágico o suficiente para dizimar a vida na Terra, ele causaria muitos estragos e provavelmente milhões de vítimas. Mas o que assustou mesmo foi o fato de ser um asteroide de quase meio quilômetro que foi descoberto a menos de 2 meses de sua maior aproximação. Não teríamos como evitar o impacto, se fosse o caso. O máximo que daria para fazer é bolar alguma estratégia de evacuação que minimizasse o número de vítimas.

Ainda bem que passou longe!

(Foto: NASA/JPL-Caltech/Arecibo Observatory/USRA/NSF)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PALETES E CAIXOTES DE MADEIRA NA SUA CASA JÁ!

Reencarnação e Alma dos Animais por Chico Xavier

A flor mais rara do mundo