sábado, 9 de novembro de 2013

Brasil fica em quinto lugar no Miss Universo 2013

Miss Brasil na Rússia (Foto: Darren Decker/Miss Universe Organization/AFP)Miss Brasil na Rússia (Foto: Darren Decker/Miss
Universe Organization/AFP)
A família de Jakelyne Oliveira, brasileira que ficou em quinto lugar no Miss Universo, acompanhou a disputa e diz estar feliz com o resultado. A competição foi realizada neste sábado (9) em Moscou, na Rússia e teve como vencedora a representante da Venezuela, Gabriela Isler. Das 86 concorrentes, apenas 15 disputaram a final.
A mato-grossense, de 20 anos, nasceu emRondonópolis, a 218 km de Cuiabá, foi eleita Miss Brasil em setembro e desde o dia 22 de outubro estava na capital russa se preparando para a disputa mundial.  Da cidade mato-grossense, a mãe de Jakelyne, Silvia de Oliveira, disse que ainda não conseguiu falar com a filha após o resultado.
A família e os vizinhos se reuniram na casa da mãe da Miss Brasil. O quinto lugar foi comemorado com fogos de artifício. “Estamos felizes com a colocação e tenho a certeza que ela também está. Eu ainda acreditava que ela levaria o terceiro ou segundo lugar, até quem sabe o primeiro. Mas foi uma participação muito boa, a família está feliz", contou ao G1.
Silvia avalia como positivo o desempenho de Jakelyne, que ainda deve permanecer na Rússia por mais alguns dias. "Muita gente disse: 'a brasileira merecia ganhar'. Mas nem sempre o primeiro lugar é o melhor para a pessoa. E ela não tinha a obrigação de ficar em primeiro. Ela fez bonito, teve uma ótima colocação e vai brilhar muito no Brasil", completou Silvia.
Na véspera da competição, Jakelyne disse que estava tranquila e otimista em relação ao Miss Universo. “Estou me sentindo muito bem, bastante confiante e muito feliz por estar tendo um bom desempenho aqui no Miss Universo e estar representando o meu país, o meu estado, a minha cidade, que para mim é uma honra muito grande”, afirmou Jakelyne em entrevista ao G1.
Miss Universo
Em segundo lugar ficou a espanhola Patricia Rodriguez, em terceiro, a equatoriana Constanza Baez, e em quarto, a filipina Ariella Arida. As candidatas foram julgadas em três categorias: traje de banho, traje de noite e entrevista.

Gabriela Isler, da Venezuela, é eleita a nova Miss Universo

09/11/2013 Miss Brasil Jakelyne Oliveira ficou na 5ª colocação.

86 candidatas participaram do concurso, realizado em Moscou.


A Miss Venezuela Gabriela Isler é coroada Miss Universo 2013 (Foto: Alexander Nemenov/AFP)A Miss Venezuela Gabriela Isler é coroada Miss Universo 2013 (Foto: Alexander Nemenov/AFP)
Gabriela Isler, representante da Venezuela, é a nova Miss Universo. Ela venceu as outras 85 candidatas de diversas nacionalidades no concurso de 2013, realizado neste sábado (9) em Moscou, na Rússia.
Pelo segundo ano consecutivo, o Brasil ficou em quinto lugar, com Jakelyne Oliveira, de 20 anos, natural de Mato Grosso. No ano passado, a Miss Brasil 2012, a gaúcha Gabriela Markus, de 24 anos, também ficou na quinta colocação.
Agora, a venezuelana sucede a americana Olivia Culpo, vencedora em 2012. A cerimônia de coroação ocorreu no Crocus City Mall, uma grande sala de concertos da cidade.
Em segundo lugar ficou a espanhola Patricia Rodriguez, em terceiro, a equatoriana Constanza Baez, e em quarto, a filipina Ariella Arida.
As candidatas foram julgadas em três categorias: traje de banho, traje de noite e entrevista.
Olivia Culpo corou a Miss Universo de 2013 e ainda desfilou com um traje de banho avaliado em US$ 1 milhão.
Miss Brasil Jakelyne Oliveira (Foto: Alexander Nemenov/AFP)Miss Brasil Jakelyne Oliveira
(Foto: Alexander Nemenov/AFP)
Miss Brasil
Jakelyne Oliveira estava confiante durante as provas eliminatórias que aconteceram na semana. “Estou me sentindo muito bem, bastante confiante e muito feliz por estar tendo um bom desempenho aqui no Miss Universo e estar representando o meu país, o meu estado, a minha cidade, que para mim é uma honra muito grande”, afirmou em entrevista ao G1.
Desde o dia 22 de outubro, a jovem estava em Moscou se preparando para a disputa. Ela dividiu o quarto com a candidata angolana.
Olivia Culpo desfilou com biquíni avaliado em US$ 1 bilhão (Foto: Alexander Nemenov/AFP)Olivia Culpo desfilou com um traje da banho avaliado em US$ 1 milhão (Foto: Alexander Nemenov/AFP)
Gabriela Isler foi coroada por Olivia Culpo, a Miss Universo 2012 (Foto: Alexander Nemenov/AFP)Gabriela Isler foi coroada por Olivia Culpo, a Miss Universo 2012 (Foto: Alexander Nemenov/AFP)
A Miss Universo 2013, Gabriela Isler, teve que segurar a coroa durante a premiação em Moscou (Foto: Alexander Nemenov/AFP)A Miss Universo 2013, Gabriela Isler, teve que segurar a coroa durante a premiação em Moscou (Foto: Alexander Nemenov/AFP)
As cinco finalistas do Miss Universo 2013 (Foto: Alexander Nemenov/AFP)As cinco finalistas do Miss Universo 2013 (Foto: Alexander Nemenov/AFP)
Gabriela Isler comemorou quando foi anunciada como umas das finalistas do concurso (Foto: Alexander Nemenov/AFP)Gabriela Isler comemorou quando foi anunciada como uma das finalistas do concurso (Foto: Alexander Nemenov/AFP)
Steven Tyler, vocalista do Aerosmith, subiu no piano durante sua apresentação no Miss Universo (Foto: Alexander Nemenov/AFP)Steven Tyler, vocalista do Aerosmith, subiu no piano durante sua apresentação no Miss Universo (Foto: Alexander Nemenov/AFP)
A Miss Universo Gabriela Isler e o bilionário Donal Trump após o Miss Universo 2013 (Foto: Alexander Nemenov/AFP)A Miss Universo Gabriela Isler e o bilionário Donal Trump após o Miss Universo 2013 (Foto: Alexander Nemenov/AFP
by G1

Rosemary Noronha quebra o silêncio: 'não fiz nada de errado'


Em sua primeira entrevista depois da eclosão do escândalo, Rosemary Noronha, a ex-chefe do
 escritório da Presidência da República em São Paulo, se diz perseguida e injustiçada por ser
amiga do ex-presidente Lula

Adriano Ceolin
SOBRE CORRUPÇÃO - "Eu era a chefe do escritório da Presidência. Nada mais natural do que encaminhar pedidos. Nunca recebi nada por isso"
CORRUPÇÃO - "Nada mais natural do que encaminhar pedidos. Nunca recebi nada por isso"  (Jefferson Coppola)
Rosemary Noronha sabia desfrutar o poder quando era chefe do escritório da Presidência da República em São Paulo. Amiga íntima do ex-presidente Lula, ela empregava parentes na administração, intermediava negócios milionários para amigos e familiares, hospedava-se em aposentos de luxo mundo afora e tinha um talento especial para ganhar cortesias — de diárias em resorts de luxo a ingressos para shows de artistas consagrados. Rose era cortejada por servidores graduados e empresários por um motivo bem simples: ela abria as portas dos gabinetes mais poderosos, inclusive o mais importante deles, no 3º andar do Palácio do Planalto. Desconhecida do grande público, Rose levava uma vida de rainha. Foi assim até novembro do ano passado, quando a Polícia Federal desbaratou uma quadrilha que defendia interesses privados no governo em troca de propina. Seis pessoas foram presas. Outras doze, indiciadas. Apontada como protagonista da teia criminosa que mercadejava pareceres de órgãos técnicos, Rose perdeu o emprego, a influência e o prumo. Caiu do pedestal e sumiu do mapa.
Na semana passada, um ano depois da ação da PF, Rose quebrou o silêncio a que tinha se
submetido por orientação de advogados e petistas graúdos. Em conversa com VEJA, a poderosa de outrora, conhecida pela arrogância no trato com subordinados, se disse inocente e injustiçada. Apresentou-se ainda como vítima de trapaças de excompanheiros e de insinuações maliciosas da imprensa. “Não fiz nada de errado. E tenho certeza disso. Sou inocente.”
 Magra e com aparência bem cuidada, Rose conversou por quase uma hora com a reportagem, num shopping paulistano, sempre mantendo o olhar fixo no interlocutor. Firme na forma e frágil no conteúdo, rebateu as acusações de genérico. Mostrou-se também bastante magoada. Um dos motivos é a ligação com o ex-presidente Lula.
 Segundo Rose, os dois jamais tiveram uma relação de intimidade. “Minha relação com ele é de amizade, fidelidade, e totalmente profissional. As nossas famílias se conhecem desde que as crianças eram pequenas.”

by Veja 

'Assustaram os donos do poder, e isso foi ótimo', diz o sociólogo Chico de Oliveira

09/11/2013 - 03h03
RICARDO MENDONÇA
DE SÃO PAULO


Socialista inveterado, acadêmico prestigiado, parceiro rompido de Fernando Henrique
Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva, o sociólogo Francisco de Oliveira completou 80 anos
quinta-feira passada (dia 7) sem demonstrar qualquer sinal de afrouxamento da energia crítica.
Em entrevista realizada no seu apartamento no bairro da Lapa, em São Paulo, ele falou com entusiasmo dos protestos de junho ("a sociedade mostrou que é capaz ainda de se revoltar") e, sem rodeios, criticou as principais figuras do atual cenário político.
Fabio Braga/Folhapress
O sociólogo Francisco de Oliveira
O sociólogo Francisco de Oliveira


A presidente Dilma Rousseff é uma "personagem trágica" que deu uma "resposta idiota" às manifestações. Lula "está fazendo um serviço sujo" ao atuar como apaziguador de tensões sociais. Marina Silva é uma "freira trotiskista" adepta de um "ambientalismo démodé". O Bolsa Família, "uma declaração de fracasso". E por aí vai.

O sociólogo não tem receio de expor suas ideias "revolucionárias". Uma delas é separar o Brasil como forma de resolver a questão indígena: "Há um Estado indígena [...] Ninguém tem coragem de dizer isso. Então todo mundo quer integrar", afirma.
*
Folha - Oitenta anos. Que tal?
Chico de Oliveira - Oscar Niemeyer disse que a velhice é uma merda. Eu não sou tão radical. Mas ela não tem essas bondades que geralmente se diz. A história de que o sujeito ganha em sabedoria é uma farsa. Não é bom envelhecer.

O senhor está bem, está lendo, fazendo críticas.
Só aparentemente. Eu tomo dez remédios por dia. Entre insulina para diabetes, remédio para hipertensão... Não é nada bom. As pessoas sábias deveriam morrer cedo (risos).

Antigamente era assim. Esse negócio de longevidade é uma novidade, né?
É, a longevidade é uma coisa recente mesmo. Não é façanha sua. É da economia, basicamente. É a economia que te leva até os 80 anos. São as condições de vida que mudam, você não precisa de trabalho pesado. Quem condiciona tudo é o trabalho. E, evidentemente, gente da minha classe social está apta a aproveitar essas benesses do desenvolvimento capitalista. Mas pessoalmente não é agradável. Só que não existe solução. Você vai se matar para poder não cumprir os desígnios de sua classe social?

O senhor se surpreende aos 80. Em junho, milhares de brasileiros foram às ruas protestar. E o senhor disse que era tudo inédito e surpreendente. Na sua avaliação, qual é o saldo?
É bom não fazer uma cobrança positivista do tipo "o que é que deu aquilo?". Deu algum resultado, a tarifa de ônibus baixou. Mas deu uma coisa ótima. O ótimo é que a sociedade mostrou que é capaz ainda de se revoltar, é capaz de ir para a rua. Isso é ótimo. Não precisa resultados palpáveis. O que é bom em si mesmo foi o fato de a população, alguns setores sociais, se manifestarem. Assustarem os donos do poder, e isso foi ótimo. Isso é que é importante. Esse objetivo foi cumprido. Eu falava que era inédito porque a sociedade brasileira é muito pacata. A violência é só pessoal, privada, o que é um horror. Quando vai para a violência pública, as coisas melhoram. Esse é o resultado que nos interessa: um estado de ânimo da população que assuste os donos do poder.

Assustou mesmo?
Assustou. Porque era uma coisa realmente inédita, com setores sociais que geralmente dizem que são conformistas, parte da juventude. Esse tipo de manifestação mostrou que não é assim. Isso é bom para a sociedade. Não é bom para os donos do poder. Mas são eles, exatamente, que a gente deve assustar. Se puder, mais do que assustar, derrubá-los do poder. Não acho que essas manifestações tenham esse caráter, essa forma. Mas regozijo-me porque foi manifestado o não conformismo.

O senhor disse que sociedade brasileira é muito pacata. Por que tem essa característica e qual é a melhor explicação?
É um complexo de fatores, não é fácil definir. Quem fala sobre isso geralmente aponta as raízes escravistas. Uma sociedade que não faz muito tempo, faz 100 anos, libertou-se do escravismo. Isso deu lugar a uma sociedade que apanha, mas não reage. Quem melhor estudou isso foi Gilberto Freyre. Ele estudou isso, do ponto de vista saudosista, mas é quem mais foi fundo nessa espécie de conformismo na sociedade. Embora a interpretação de Sérgio Buarque [de Holanda] também seja boa, a sociedade que se conforma. Para ele, é o homem cordial. Gilberto tem outro "approach", ele vai para a cultura. Cultura não no sentido de quem carrega livro, mas na forma pela qual a sociedade se construiu e se reconhece nela. É basicamente a ideia da casa grande. A casa grande é uma formação conformista. Tem uma violência que explode a cada momento. E tem um senhor de escravo que é compadre de escravo. É uma formação muito complexa. Muito interessante para um sociólogo estudar, mas muito pesada para quem sofre os efeitos dessa cultura brasileira. Que não é a portuguesa exatamente, não é a indígena. É um mix de várias fontes. Não tivemos nenhuma grande revolução violenta. A que o Brasil comemora sempre, que é a de 1930, não teve nada de especialmente violenta. Teve os gaúchos saindo do sul, [Getulio] Vargas a frente. Na verdade enfrentaram uns paulistas aí, mas terminou tudo em pizza (risos). Isso marca muito a sociedade brasileira. Esse conformismo que só explode em violência privada, o sujeito que morre de facada. Você liga a televisão e vê: todo dia tem uma tragédia dessa.

Se sempre foi assim, o que desencadeou em junho?
Não foi sempre assim, claro. Isso é o meu jeito de falar. Havia violência, muita violência, mas não era uma violência que se tornava pública porque era uma violência de escravos e isso sempre foi abafado. Hoje é uma sociedade urbana, extremamente violenta e que só explode em violência privada. Sobre violência pública, não temos muito o que contar. Nesse quesito, o Brasil perde de longe para qualquer outra revolução. A revolução mexicana, por exemplo, foi uma coisa espantosa. Espantou o mundo tudo. No Brasil, não. A cubana também.

Bom, da cubana tem gente com medo até hoje por aqui.
Ah, é (risos). Fidel, que não teve jeito de prosseguir com aquela revolução, está aí. Está envelhecendo à sombra dela. Mas o Brasil é isso. Não dá para lamentar propriamente. Ninguém ama a violência. Mas isso influi muito no caráter, na formação da sociedade. Eu não tenho mais, mas toda casa brasileira tem uma empregada doméstica. A empregada doméstica é um ser em definição. Ela não é pública nem privada. Algum progresso se deu pelo fato de que elas agora pedem carteira assinada. Isso parece nada, mas é muita coisa. Mas, em geral, isso leva a uma situação acomodatícia, uma relação de compadre com a comadre. Isso molda a sociedade em geral.

Está na arquitetura brasileira, o quarto de empregada na lavanderia. Existe algo assim em algum outro país?
Não tenho notícia de nenhum outro lugar. Isso [o quarto de empregada] tem um nome científico: edícula (risos). Temos quarto para empregada, né? É realmente fantástico... Nas sociedades que eu conheço, não é assim. Na Europa pode ter tido um período, mas hoje não existe. Nos Estados Unidos, tão pouco. O Brasil é muito especial. Criou uma forma de convivência, um processo com muita força que se reproduz mesmo nas sociedades urbanas.

O senhor acha que os governantes ficaram com medo de verdade?
Não. Ainda não. Mas deu um susto. Teve. Os jornais repercutiram de forma bastante conservadora, né? Mas deu um susto.

Aí a presidente Dilma Rousseff lançou na sequência aquela ideia de Assembleia Constituinte para a reforma política. O que achou da resposta?
Eu achei idiota. Não gostaria de fazer uma avaliação precipitada do governo Dilma para não dar força à direita que está em cima dela o tempo todo. Mas é uma resposta idiota. Ninguém resolve o problema assim com reforma da Constituição. Ela seria importante para encaminhar os novos conflitos. A Constituição deveria ser o que molda as relações no Brasil. Não é. Ninguém dá bola para a Constituição.

O que teria sido uma resposta adequada?
Seria reconhecer que o país está atravessando uma zona de extrema turbulência devido ao crescimento econômico. Não é que o caráter do povo é violento. Isso é uma bobagem. Não é que uma reforma política vai resolver os problemas da violência pública. Isso é outra bobagem. Ela teria que reconhecer o Brasil está atravessando um período de extrema turbulência porque o crescimento econômico é que cria a turbulência, não é o contrário. Todo mundo pensa que o crescimento apazigua. Não é verdade. O crescimento exalta forças que não existiam, o capitalismo é um sistema econômico violentíssimo. Os EUA, que são o paradigma do capitalismo, são uma sociedade extremamente violenta, tanto pública quanto privada. O Brasil vive uma espécie de adormecimento devido a essa cultura que eu estava comentando. De repente, o tipo de crescimento econômico violento e tenso em pouco tempo quebra todas as amarras, e a violência vai para rua.

Mas a presidente Dilma é criticada pelo baixo crescimento, é criticada porque o país não cresce.
Não é verdade. O país está crescendo de forma violentíssima nos últimos 20 anos. Numa perspectiva mais de longo prazo, desde Fernando Henrique, passando por Lula e agora Dilma. Além de quê é um crescimento econômico diferenciado. Não dá mais para crescer no campo. Agora o crescimento é na cidade. E na cidade gera relações público-privadas diferentes. Se o Estado não tem políticas para tal, é melhor ficar calado do que dizer besteira. Reforma da Constituição. E daí? O que a reforma da Constituição faz? Para o que passou, não tem efeito nenhum.

Parte das manifestações dizem muito respeito às polícias estaduais. O que o senhor acho do papel dos governadores?
Esse [Geraldo] Alckmin é uma coisa... Todo mundo pensa que o crescimento econômico influi na política de forma positiva. Isso é uma ilusão. O Alckmin é bem o representante dessa política. Um ser anódino. Já chamaram ele de picolé de chuchu. O José Simão [inventor do apelido] talvez seja o melhor sociólogo brasileiro. Ele de fato não desperta paixões nem ódio. Em geral é assim. Não tem nenhum governador que inspire empolgação, esperança de que um dia desse casulo nasça uma espécie de borboleta bonita. Nenhum deles. Mesmo o Tarso Genro, do Rio Grande do Sul, que é um tipo mais educado. Vai para o governo e se amolda. O Alckmin: pelo jeito a população aprova esse estilo anódino, que não diz nada com nada. Isso é ruim, viu? Ruim porque é o Estado mais importante da Federação, o que poderia dar uma chacoalhada nesse sistema. Mas não dá. E tudo muito conformado. E a imprensa tem um papel horroroso: o que for conformismo, ela exalta; o que for rebeldia, ela condena. Daí que o viés conservador no olhar sobre essas manifestações é a tônica. Ninguém vê nisso um processo de libertação da sociedade. Todo mundo quer a passividade. Eu saúdo essas manifestações como uma amostra de que a sociedade pode e deve manifestar-se sempre que as condições de sua existência sejam tão iníquas como são hoje.

Que avaliação o senhor faz do movimento "black bloc"?
Faço uma boa avaliação. Se eles se constituem como novos sujeitos da ação social, é para saudar. Vamos ver se, com a ajuda deles, a gente chacoalha essa sociedade que é conformista. Parece que tudo no Brasil vai bem. Não é verdade. Vai tudo mal. Porque o Estado não age no sentido de antecipar-se à sociedade que está mudando rapidamente. Você tem uma sociedade como a brasileira em que a questão operária tornou-se central. E aí vem o Lula e ele está fazendo um trabalho sujo, que é aquietar aquilo que é revolta. Essa sociedade não aguenta esse tranco.

Trabalho sujo?
Ah, tá. A questão operária tem a capacidade de transformar o Brasil e ele está acomodando. De certa forma, está matando a rebeldia que é intrínseca a esse movimento. Rebeldia não quer dizer violência, sair para a rua para quebrar coisa. Rebeldia é um comportamento crítico.

Onde o senhor vê isso no Lula?
Em tudo. Lula é um conservador, ele nunca quis ser personagem desse movimento [operário]. Ele foi contra a vontade dele. Mas ele, no fundo, é um conservador. Ele age como. Na Presidência, atuou como conservador. Pôs Dilma como uma expressão conservadora. Porque você não vende uma personalidade pública como gerente. Gerente é o antípoda da rebeldia. Ele vendeu a Dilma como gerente. Uma gerentona que sabe administrar. É péssimo. O Brasil não precisa de gerentes. Precisa de políticos que tenham capacidade de expressar essa transformação e dar um passo a frente. Ele empurrou a Dilma goela abaixo. Não se pode nem ter uma avaliação mais séria dela, pois ele não deixa ela governar. Atrapalha ela, se mete, inventa que ele é o interlocutor. Aí não dá. E ela não pode nem reclamar. É uma cria dele, né?

O sociólogo português Boaventura de Sousa Santos disse que Dilma tem insensibilidade social. Citou problemas com movimentos sociais, indígenas, camponeses, meio ambiente. O senhor concorda?
Eu não diria com essa ênfase. O Boaventura, eu conheço bem, um sociólogo importante. Essa ênfase na questão camponesa... O Brasil não tem camponês. Isso é um equívoco teórico que vem do fato de a gente analisar o desenvolvimento capitalista brasileiro nos moldes europeus. Não é assim. Aqui nunca teve campesinato, nem terá. Porque, basicamente, aqui teve uma propriedade extremamente concentrada do escravismo. Isso se projetou depois numa economia capitalista. O que tem é uma questão urbana grave, pesada, que é preciso resolver. Não tem questão camponesa, isso é uma celebração do passado.

Mas problema indígena tem.
Indígena é um problema. Porque a sociedade só sabe tratar indígena absorvendo e descaracterizando. Para tratar dessa questão é preciso, na verdade, de uma revolução de alto nível. Qual é essa revolução de alto nível? É reconhecer que há um Estado indígena.

Estado indígena?
É. A real solução. Há um Estado indígena. E o Estado capitalista no Brasil não pode tratar essa questão, não sabe tratar essa questão. Ele só sabe tratar indígena atropelando, matando, trazendo para dentro da chamada civilização. Os irmãos Vilas-Boas são os arautos dessa solução. Eles são ótimos, mas a visão deles estava equivocada. A real solução é de uma gravidade que a gente nem pode propor. Trata-se de um Estado indígena. Separa. Separa. E nada de integrar. Deixa. Ajuda até eles a proporem suas próprias... Ninguém tem coragem de dizer isso no Brasil. Então todo mundo quer integrar. Para integrar, você machuca, você mata, você dissolve as formações indígenas. Já a questão camponesa é falsa. O que existe é um assalariado agrícola pesado que sofre os efeitos de um desenvolvimento acelerado. O Estado do Mato Grosso era uma reserva antigamente. Hoje você passa lá e só não tem mato. É grosso, mas sem mato.

E o tema do meio ambiente? Sensibiliza o senhor?
Eu não acredito que o meio ambiente seja uma forma de fazer política. A Marina Silva está aí lançada. Ela não tem nada a dizer sobre o capitalismo? Será? Será que a política ambiental é ruim? Ou é o capitalismo que é ruim? Ela não diz nada disso. Então, para mim a Marina Silva é uma freira trotskista (risos). Cheia de revolução sem botar o pé no chão. Ela juntou com o Eduardo Campos, uma jogada política importante. Mas nenhum deles tem proposta nenhuma. A Marina fica com esse ambientalismo démodé, não diz o que quer. Criticar a política de meio ambiente é fácil. Quero ver ela criticar o sistema capitalista nas formas em que ele está se reproduzindo no Brasil. Aí é botar o dedo na ferida. Mas ambientalismo...

O senhor disse que a política da Dilma é conservadora. O senhor diria que ela é de direita?
Não, não diria. Ela é um personagem difícil, coitada. Ela é uma personagem trágica. Porque ela não pode fazer o que ela se proporia a fazer. Ela tem uma história revolucionária. Mas ela não pode fazer isso porque ela está lá porque Lula a colocou. E Lula não é um revolucionário. Ao contrário, ele é um antirrevolucionário. Ele não quer soluções de transformação, ele quer soluções de apaziguamento. E ela está lá para fazer isso. Ela seria mais para o outro lado. Mas não teria força política para isso. Nem existe força social revolucionária. É preciso a gente combater os nossos próprios mitos. Então Dilma está sendo empurrada para a direita. Pelo Lula. Talvez, se as opções estivessem em suas mãos, Dilma faria uma política mais de esquerda no sentido amplo. Mas ela não foi eleita para isso. Nem tem força social capaz de impor essa mudança. A tragédia brasileira de hoje é que o Brasil precisa de uma revolução social, mas não tem forças revolucionárias. O campesinato não existe. O operariado não é revolucionário, é sócio do êxito capitalista no Brasil. Os principais fundos de pensão são todos eles, entre aspas, de propriedade dos trabalhadores. E todos eles atuam nas grandes empresas capitalistas. A burguesia nunca foi revolucionária. Florestan Fernandes deu xeque-mate quando tratou da revolução burguesa no Brasil. É o melhor livro de Florestan.

O que o senhor espera da eleição do ano que vem?
Mais do mesmo. Com nomes diferentes. Ninguém tem capital político para fazer diferente. Além do que, como dizia Telê Santana, em time que está ganhando não se mexe. Eles estão ganhando. Para fazer o projeto de país e sociedade que eles pensam, eles estão ganhando. Nós estamos perdendo. A esquerda está perdendo. Perdendo suas referências e sua força na sociedade. Então, do ponto de vista deles, eles estão ganhando.

E o que a esquerda pode fazer?
Nada. O Aécio Neves não disse a que veio. E não tem proposta nenhuma, na verdade. A dupla Marina-Campos também não tem proposta nenhuma. O ambientalismo... O que é exatamente? Nem ela diz, nem ela sabe. Ela sabe é ficar nesse floreio, que não resolve coisa nenhuma. A Dilma é o que você está vendo. Ela não faz política porque tem de fazer o projeto do Lula. E o projeto do Lula é isso, é conservador. Então é mais do mesmo. A resultante de tudo será um governo muito parecido com o atual: o pouco de virtude que esse governo tem e a carga de irresoluções que ele reproduz.

O que é o pouco de virtude?
O pouco de virtude é, talvez, dar um pouco mais de atenção à área social. Que eu não gosto, para falar a verdade, porque é um conformar-se em não resolver. O Bolsa Família é uma declaração de fracasso. Não é uma declaração de vitória. Para não morrer de fome, a gente vai dar uma comidinha. Eu não gosto disso. Eu sou socialista há 50 anos. Para mim, a gente tem de mudar. E mudar não é necessariamente por revolução violenta, pois está um pouco fora de moda. Mudar fundo. O Estado brasileiro é detentor das principais empresas capitalistas do país. Não são empresas de fazer favor. A Petrobras não faz favor a ninguém. Agora mesmo que a questão dela está repercutindo muito na imprensa, ela pode dizer "eu não estou aqui para fazer favor". Mas se puder fazer capitalismo e distribuir melhor a renda, essa é a tarefa dela. O Estado brasileiro é muito forte, ao contrário do que se passa na maioria dos países. O Estado nos EUA não é forte. Nem na Europa é mais. Foi [forte] na grande virada social-democrata, mas não é mais. No Brasil ainda é. Portanto é aproveitar isso e fazer uma transformação que vá na direção dos interesses populares. O Bolsa Família não é solução. Ele é uma espécie de conformismo: deixa como está para ver como fica; dá um pouquinho de comida para isso não virar revolta. Eu não gosto desse tipo de política. Acho o Bolsa Família uma política conservadora que atende uma dimensão da miséria popular, mas não tem promessa de transformação.

by Folha de São Paulo

Genoino apela para Chico Buarque em recurso no STF


Cada um tem o herói que quer. O compositor e ícone número um da esquerda caviar brasileira, Chico Buarque, assinou carta em apoio ao réu condenado pelo mensalão, José Genoino. Este, agora, resolveu apelar para a fama do músico em seu recurso no STF, como se o apoio do compositor fosse argumento jurídico:
Em 25 páginas, sua defesa cita Chico Buarque e chama de ingênuo quem acreditou na história de compra de apoio parlamentar no primeiro governo de Luiz Inácio Lula da Silva.
Repleto de palavras de ordem, a defesa de Genoino intercalou frases de efeito sobre a inocência do deputado com versos da música Cancion por la unidad latinoamerica, de Chico Buarque e Pablo Milanés.
“José Genoino Neto não merece a pecha de bandoleiro. José Genoino Neto não integra quadrilha. José Genoino Neto, sem favor algum, merece absolvição”, diz o recurso, pouco depois de citar trecho da música: “a história é um carro alegre / cheio de um povo contente / que atropela indiferente / todo aquele que a negue”.
Mostrando indignação não somente por sua condenação por formação de quadrilha, na qual obteve os quatro votos necessários para apresentar o novo recurso, conhecido como embargos infringentes, Genoino também critica a mídia, para ele “panfletária e reacionária”, e diz que “brigará até o fim de sua existência pela causa de sua inocência” também no crime de corrupção: “(Genoino) não se resigna nem nunca se resignará. Não aceita e jamais aceitará sua condenação (…) brigará hoje e até o fim de sua existência (…) quando for e onde for pela causa de sua inocência”.
É uma vergonha mesmo! Só no Brasil esse tipo de coisa ocorre com essa naturalidade toda. Um réu julgado e condenado pelo STF, ex-presidente do partido que deu aval para Marcos Valério irrigar as contas de políticos com recursos públicos do mensalão, posando de vítima da “imprensa golpista” e recebendo apoio de celebridades.
José Genoino ainda tem a cara de pau de enaltecer seu passado de luta pela “liberdade” e “democracia”. Qual? Só se for aquela liberdade toda e aquela democracia incrível existentes em Cuba! Que Chico Buarque também admira! Teu passado te condena, Genoino! E o teu também, Chico!
Por muito tempo vocês gozaram da blindagem na imprensa, e da intensa propaganda dos “intelectuais” em defesa de um revisionismo histórico ridículo. Mas acabou. Agora há vozes levantando a poeira da desinformação e expondo os fatos como eles são. Vocês sempre defenderam o socialismo, cujo resultado jamais é democracia ou liberdade, e sim miséria e escravidão.
O mais assustador de tudo é pensar que há ministros, ou petistas disfarçados de ministros, no próprio STF que também apelam para essas mentiras históricas. Posso até imaginar um deles endossando a carta e citando a música de Chico para aceitar o recurso e desfazer a justiça.
Seria um soco no estômago de todos os brasileiros decentes, claro. Mas Chico Buarque, lá de Paris, ficaria feliz da vida. Poderiam celebrar, juntos, com um refinado caviar, esse escárnio que somos obrigados a aturar enquanto nossa República ainda engatinha no fortalecimento de suas instituições…
by Rodrigo Constantino

O Brasil não sabe nada sobre seus soldados suicidas


7 de novembro de 2013

...o Exército só sabe se alguém tem um potencial suicida quando ele mesmo se apresenta.


O segundo suicídio de militar brasileiro no Haiti passou sorrateiro pelo radar. Primeiro, foi o ex-comandante da missão, o general Urano Bacellar, encontrado morto com um disparo a cabeça, no quarto do hotel onde vivia em Porto Príncipe, em janeiro de 2006. Agora, no dia 1 de novembro, o soldado Geraldo Barbosa Luiz, de apenas 21 anos, disparou um fuzil FAL 7,62 mm contra si mesmo, quando estava dentro do quartel.


O enterro de Bacellar (foto cortesia ONU).

O Exército Brasileiro pode não ter uma ideia precisa do que vem acontecendo com a mente e a alma de seus homens no Haiti. É uma pena. A Minustah é a primeira grande mobilização operacional brasileira desde a Segunda Guerra Mundial, em 1945. Renderia um ótimo estudo de caso.

Tendências suicidas poderiam ser detectadas mais facilmente se o Exército soubesse quantos de seus homens voltam da missão apresentando Transtorno do Stress Pós-Traumático, Transtorno Depressivo, Transtorno Fóbico, T"ranstorno de Ansiedade, Transtorno de Pânico, Agorafobia e Esquizofrenia. Em abril, questionei o Exército Brasileiro sobre a prevalência desses males entre os "desmobilizados" que voltam para casa depois de cumprir a missão.


O Exército só consegue detectar isso por meio de "autorrelatos padronizados (inventários) em que o respondente indica os sintomas que tem experimentado", é o que a instituição militar me respondeu depois de eu ter usado a Lei de Acesso à Informação. "Nem todos os militares respondem aos itens dos instrumentos psicológicos. O CEP (Centro de Estudos de Pessoal) não conseguiu, pois, alcançar todo o universo do contingente". Especificamente sobre Transtorno de Pânico, não há dados.

Em termos leigos, significa que o Exército só sabe se alguém tem um potencial suicida quando ele mesmo se apresenta. A psicóloga Elaine Alves acha isso "um absurdo". Ela trabalha no Ceped-USP (Centro de Estudos e Pesquisas sobre Desastres), da Universidade de São Paulo. Elaine considera a ferramenta dos "autorrelatos" limitada demais para detectar esses transtornos num ambiente tão particular quanto uma missão militar.

Quem convive de perto com militares no Haiti sabe como a missão é difícil. Recentemente, ouvi longos relatos de um oficial — que se pronunciou unicamente sob a restrita condição de anonimato — de que viu três colegas severamente transtornados quando esteve no Haiti. O primeiro deles se mostrou sobrecarregado com a responsabilidade que tinha, de manter computadores e redes elétricas funcionando. Com uma frequência incomum, ele se ausentava de onde estivesse — fosse uma refeição ou reunião — para verificar repetidas vezes se as tomadas estavam ligadas e a corrente funcionando. Em pouco tempo, o técnico teve de ser afastado do trabalho. No segundo caso, um militar tentou suicídio, foi contido e enviado antecipadamente para o Brasil. Por último, um terceiro colega se tornou obsessivo com o risco de contágio por doenças a ponto de não conseguir mais interagir socialmente nem trabalhar, o que também o obrigou a voltar ao Brasil.

"O afastamento da família é o mais difícil. Tenho de cuidar de minha saúde mental porque vou sair na rua e sei que a população vai me xingar, me jogar pedra, cuspir na minha cara. Eu tenho o poder sobre a vida e a morte nas mãos. Isso choca. Choca muito. Saí de lá [do Haiti] e mandei minha família para Miami. Fomos fazer uma viagem para a Disney. Não dá. Choca", diz coronel José Mateus Teixeira Ribeiro, ex-membro da Minustah, lotado hoje no Gabinete do Comando do Exército em Brasília.

Os dados que o Exército maneja oficialmente são irreais, e se apoiam somente em "auto-relatos". Dos 17 contingentes brasileiros engajados na missão nos últimos 10 anos, apenas quatro militares tiveram transtorno de ansiedade e outros três tiveram depressão, mas, como a própria instituição diz, nunca se saberá da incidência no universo total de militares envolvidos na missão até que os casos aconteçam.

VICE/montedo.com

Chinês processa ex-mulher por ela ter lhe dado filhos feios

8/11/2013 
Marido se sentiu enganado  ao  descobrir que
ela havia feito várias cirurgias para ficar bonita
Do R7
O chinês Jian Feng ganhou US$ 120 mil na Justiça após processar a ex-mulher por ela ter lhe dado filhos feios.

Segundo o The Examiner, o Chicago Now e o Orlando Sentinel, Feng ficou furioso ao descobrir que a ex-mulher tinha investido mais de US$ 100 mil em cirurgias plásticas na Coreia do Norte para ficar bonita. A informação foi dada ao Irish Times.

Ele alegou ter sido enganado por ela, que era “feia” antes de se conhecerem.

Para Feng, a mulher o induziu a pensar que ela era bonita, e ele jamais teria filhos tão feios.

Porém, um teste de DNA comprovou que ele é o pai das crianças.

De acordo com Feng, ele se casou por amor, mas o nascimento da primeira filha trouxe problemas para o casamento.

— Nossa filha era tão feia que eu fiquei horrorizado.
Para o chinês Jian Feng, ele jamais teria tido filhos tão "feios"Reprodução/Orlando Sentinel
Foto mostra o antes e o depois das plásticas da ex-mulher de FengReprodução/Chicago Now

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

“PROFISSIONAL” ACUSADO DE MUTILAR MULHERES COMEÇA A TRABALHAR NESTA SEMANA PELO MAIS MÉDICOS

Ele é irmão de cirurgião descredenciado do programa também por causa de denúncias

Imagem
Yasser Arafat (esquerda) é irmão de Jorge Cury (direita), médico investigado por lesionar pelo menos 15 mulheres no Amazonas
Sem ter registro no Conselho Regional de Medicina (CRM) e investigado por trabalhar ilegalmente no país, Yasser Arafat Salinas Cury, 30 anos, começa a trabalhar esta semana no programa Mais Médicos em Manaus. Ele foi autuado pela Polícia Civil, em fevereiro deste ano, exercendo a profissão em hospital público no município de Anori, no interior do Amazonas. Arafat também é suspeito de participar de pelo menos duas cirurgias em que as pacientes alegam ter sido mutiladas. Em ambos os casos, ele atuava como auxiliar do irmão e ex-deputado federal Carlos Jorge Cury Mansilla, que responde a 15 processos por erros médicos na Justiça do estado. Cury também havia entrado no programa, mas, após denúncia do Correio, no último mês de setembro, foi excluído.
De acordo com a Polícia Civil do Amazonas, Arafat responde em liberdade por atividade médica ilegal no Hospital Darlinda Ribeiro, em Anori — cidade de 18 mil habitantes. A farsa foi descoberta depois de o médico ter sido parado em uma blitz, em fevereiro deste ano. Segundo o boletim de ocorrência, foram encontrados no carro receituários carimbados com o CRM do irmão, Carlos Cury. As assinaturas, entretanto, eram de Arafat.
Depois do incidente, a polícia comunicou à prefeitura, que o exonerou do cargo. Ainda no fim do ano passado, o Conselho Regional de Medicina do Amazonas (Cremam) notificou a polícia que Arafat atuava como cirurgião auxiliar, sem CRM, em uma clínica e havia participado de casos suspeitos de mutilação com Carlos Cury. Uma das pacientes foi a terapeuta Emília Alencar de Souza, 43, que impetrou ação contra Cury e Arafat. “Enquanto Cury me cortava, ele me segurava nos braços. É um falsário como o irmão”, conta.

Não é só no Brasil, que os dementes habitam.by Deise

MORTO ENGRAVIDA MULHER NO NECROTÉRIO

Publicado em  | Categoria: Bizarras
Uma mulher de 38 anos, que trabalha em umnecrotério, foi presa e condenada a pagar uma fiança de 250.000 dólares depois “abusar” de umcadáver de um homem. O suposto crime ocorreu em um necrotério de Lexington em Missouri, Estados Unidos. A polícia acusou Felicity Marmaduke de necrofilia. De acordo com as autoridades competentes, um morto sofreu uma ereção pós morte (muito comum) enquanto era banhado pela funcionária do necrotério Marmaduke.

A mulher então, aproveitou que estava sozinha e passou ter relações sexuais com o morto. Para sua grande surpresa, o morto chegou ao orgasmo depois de alguns minutos de sexo. Algumas semanas mais tarde, ao fazer um exame médico de rotina, foi constatada a gravidez da mulher. A polícia foi notificada pelo médico depois que Marmaduke contou para ele as circunstâncias que a levaram à concepção. Em uma reviravolta bizarra, Marmaduke pretende agora processar os herdeiros do homem morto para tentar conseguir uma pensão alimentícia e apoio à criança.
morto-engravida-mulher-necroterio

É possivel ter uma ereção depois de morto?
É um tipo de ereção pós-morte que ocorre quando um homem morre verticalmente ou de bruços, permanecendo o cadáver nesta posição. Durante a vida, o bombear do sangue pelo coração assegura uma distribuição relativamente uniforme em torno dos vasos sanguíneos do corpo humano. Uma vez que este mecanismo para de funcionar, somente a força da gravidade atua sobre o sangue. Como com toda a massa, o sangue estabelece-se no ponto mais baixo do corpo e faz com que o edema ou inchamento ocorram.
by http://portalatualizando.com.br/

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, adicionou mais um item à sua lista de frases célebres. Autor de expressões curiosas, na terça-feira (27/08), cometeu novo deslize ao afirmar que Cristo “multiplicou os pênis” em vez de pães (panes, em espanhol). Constrangido, Maduro se corrigiu.

Maduro comete nova gafe: ‘Cristo multiplicou os pênis’

O ato falho aconteceu durante um compromisso de campanha, quando fez alusão a uma passagem da Bíblia: " Buscaremos escola por escola, criança por criança, liceu por liceu, comunidade por comunidade e multiplicaremos a arte, assim como Cristo multiplicou os pênis”, afirmou. 

"Perdão, os peixes e os pães. Me perdoem a expressão. Assim como Cristo multiplicou os pães e peixes, devemos multiplicar a arte para que ela esteja em cada escola", tentou emendar.

O deslize do político foi bastante comentado nas redes sociais.

O presidente Nicolás Maduro provocou no domingo (15/09) a colisão de um pelotão de ciclistas que rodava por Caracas quando, ao guiar uma bicicleta ao lado de seus colaboradores, soltou o guidom, caindo e levando vários consigo.


MADURO CAI DE BICICLETA


Maduro, vários de seus colaboradores e simpatizantes percorreram uma ampla zona de Caracas como parte de uma rodada ciclística pelo quinto aniversário das juventudes do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV, no poder).

A queda de Maduro, divulgada no YouTube, foi perceptível apenas para as câmeras da televisão oficial, já que o pelotão de ciclistas era filmado à distância quando, de repente, pode-se ver que o presidente cai de bicicleta e leva vários com ele. A queda não provocou lesões em Maduro ou em seus colaboradores.

Leia mais sobre o Brasil e o mundo em Último Segundo.

Presidente Maduro cria 'Dia do Amor e Lealdade a Chávez' na Venezuela





O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro , incluiu uma nova efeméride no calendário comemorativo do país: o "Dia da Lealdade e do Amor ao Comandante Supremo Hugo Chávez e à Pátria", a ser celebrado no dia 8 de dezembro.





Data será celebrada em 8 de dezembro, dia do último discurso

Reprodução/VTV
Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, mostra imagens feitas por trabalhadores da suposta aparição de Hugo Chávez (31/10)

NY: Maduro diz que cancelou viagem à ONU por temer atentado

Maduro chegou ao poder depois que Chávez, àquela altura já muito doente de câncer, o indicou como sucessor . O presidente socialista morreu em março deste ano, e semanas depois Maduro, que já governava interinamente, foi eleito para um mandato completo.

A nova data comemorativa alude ao último discurso público de Chávez, em 2012, quando ele indicou Maduro como sucessor.

Caracas: Maduro diz que operários viram rosto de Chávez em obras do metrô

Área social: Venezuela cria 'Subministério da Suprema Felicidade'

Chávez "conseguiu transformar a Venezuela, que há 20 anos estava metida nas trevas do capitalismo, para gestar o nascimento de uma pátria plena de esperanças, de sonhos, de dignidade, capaz de traçar para si a meta mais ambiciosa, a consolidação da suprema felicidade para o seu povo", disse o decreto publicado na terça-feira (5) no Diário Oficial.

O decreto determina que sejam realizados eventos comemorativos no país todo para "honrar com ação e pensamento sua herança e seu legado universal".

by http://ultimosegundo.ig.com.br


quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Socorro ONU, OMS, DIREITOS HUMANOS INTERNACIONAIS!!!! Aos demais leitores, divulguem. Passem adiante, denunciem o ESTADO DE CALAMIDADE QUE SE ENCONTRA O PAIS, AS VÉSPERAS DE RECEBER A COPA DO MUNDO. Socorram o Brasil! HELP! ONU, OMS, INTERNATIONAL HUMAN RIGHTS!! To other readers, disclose. Pass it, denounce STATE OF CALAMITY IS THE COUNTRY, THE EVE OF RECEIVING THE WORLD CUP. Succor the Brazil!


 06 Novembro 2013 18:57

Larvas devoram o rosto e a dignidade de idoso largado no HGE há dois dias

por  
Larvas devoram a dignidade do paciente em corredor do HGELarvas devoram a dignidade do paciente em corredor do HGEFoto: Sonar Alagoas

A fala do denunciante, em tom de desabafo, reproduzo na íntegra abaixo:
Paciente com câncer de boca infestado por larvas de mosca- miiase..agonizando no Hge, nos corredores..
Visão do inferno aqui na terra
Alagoas, terra de ninguém
Chamem a polícia, a swat, o Bope , alguma milícia pra fazer algo
Sadam russeim, osama bim ladem!
As larvas estão se mexendo, comendo os tecidos vivos e o resto de dignidade q o paciente ainda tem
Ver isso e nao fazer nada é outro absurdo, outra covardia…
Daí lembrei d vc, com suas palavras e seu poder d comunicação na mao.
Veja o q vc pode fazer q Alagoas agradece.
Abraço!


A cena é de lamentável desrespeito aos Direitos Humanos. O paciente José Amaro da Silva, que deu entrada no Hospital Geral do Estado (HGE) no fim da tarde da última quinta-feira (31), desde então, agoniza em uma maca da unidade de saúde
por Davi Soares, Sonar Alagoas
A cena é de lamentável desrespeito aos Direitos Humanos. E despertou a inércia deste blog (. O paciente José Amaro da Silva, que deu entrada no Hospital Geral do Estado (HGE) no fim da tarde da última quinta-feira (31), desde então, agoniza em uma maca da unidade de saúde administrada pelo governo de Teotonio Vilela Filho (PSDB).
O paciente tem câncer de boca e uma colônia de larvas de moscas se movimentam no ferimento exposto. Não resisti em publicar as fotos sem desfocar sua castigada face, porque a imagem já desfigurada serve para mostrar a realidade da saúde pública no interior e na capital do Estado de Alagoas e deve ajudar a sensibilizar os gestores da unidade de saúde pública que parecem não enxergar tal descaso.
O paciente é proveniente de Jundiá. E, segundo o denunciante, deveria ter sido atendido por um profissional da odontologia, que chegou a examinar o idoso, mas não fez nenhum procedimento de retirada das larvas ou limpeza do ferimento. Em vez disso, encaminhou o caso para especialistas em cabeça e pescoço, que até as 7h da manhã deste sábado (02) ainda não haviam realizado nenhum procedimento. E apesar de sua situação de risco, sua ficha não foi marcada devidamente, no campo “classificação de risco”.
Ficha médica do paciente, que deu entrada na quinta-feira (Foto: Sonar Alagoas)
As imagens foram feitas por um profissional de saúde indignado, que chegou a apelar para estagiários de odontologia para encaminhar o paciente para o setor cirúrgico e amenizar a dor do senhor José Amaro, que tenta chamar por socorro, mesmo sem conseguir ser entendido. Os estagiários disseram que precisariam de autorização do odontólogo, que teria dito que “já fez o que poderia fazer”, ao encaminhar o problema para quem ainda não resolveu.

by a Verdade Nua e Crua

Mulher indígena dá a luz em jardim após ser expulsa de hospital por não falar corretamente o idioma


por  
Mulher indígena dá a luz em jardim após ser expulsa de hospital por não falar corretamente o idioma
Com dores de parto, Irma veio para o Centro de Jalapa Diaz de Saúde, quando ainda era noite,
acompanhada pelo marido.
 A clínica estava parcialmente parada, porém teria uma equipe de emergência. Então para os poucos que estavam trabalhando disse-lhes que estava prestes a dar à luz. A paciente relatou que estava a horas tendo contrações e estava completamente dilatada.

Os médicos fizeram -lhe algumas perguntas , mas não a atenderam argumentando que a indígena não fala espanhol perfeitamente e que não a compreenderam. Ou que , como havia sido assistido por parteiras durante a gravidez , eles não tinham certeza do que estava acontecendo. Como era, eles decidiram que não entendia e ignorou o óbvio : a mulher precisava de ajuda.

Irma López Aurelio esperou mais de duas horas. Tentou obter o apoio de enfermeiros e pessoal administrativo , mas ninguém a internou, ou se quer deu-lhe atenção. Assim, nas primeiras horas da quarta-feira passada , quando o sol tinha acabado de sair , foi para o jardim do centro de saúde , e lá, sem assistência , deu à luz a uma criança de 2 quilos 400 gramas, só então a socorreram .

A polêmica

Um cidadão que estava no local tirou uma foto do que aconteceu, logo após o parto . Ele a vê de cócoras mulher e criança na grama, ainda ligado pelo cordão umbilical.
A partir da sua conta do Facebook, Eloy Pacheco Lopez explicou: " Depois de esperar atenção por duas horas deu à luz no pátio do hospital depois de ser ignorada pela equipe sob a direção do médico curso Adrian Rene Cruz Cabrera " (sic) .

A imagem foi tirada pelo Portal Route 35 e começou a se espalhar no Twitter, onde se multiplicavam comentários a condenar a conduta da equipe médica do hospital eo secretário de saúde , Germán Tenório Vasconcelos .

O governo do Estado , em resposta , emitiu um boletim afirmando que ordenou " uma imparcial e completa equipe médica do Centro de Saúde de Jalapa Diaz, para determinar responsabilidades sobre a suposta negligência médica no processo de Irma cuidado Aurelio Lopez, que deu à luz uma criança na manhã de quarta-feira 03 de outubro . " No entanto, o secretário de saúde tentou voltar-se contra os holofotes. Comunicado do governo diz: "Falha de que este crime tenha sido utilizado para fins de curiosidade por meio de redes sociais, prejudicando a imagem da mulher e de seu filho , em primeiro lugar , e em segundo lugar , afetando a imagem dos trabalhadores da saúde " .

A irritação oficial aumentou porque o internauta que subiu a foto também tinha adicionado em sua publicação : " ENQUETE : Você acha que o governo está cumprindo a sua oferta de mudança para melhorar o sistema de saúde em Oaxaca ? " (Sic). As respostas para a pergunta induzida foram esmagadoramente contra o governo. Os funcionários que trabalharam no Centro de Saúde Rural "C" do município se deu conta da falta de material e humano com quem deve atender às mulheres que vêm para a prestação de cuidados .

Para clínica rural , não têm o suficiente quartos expulsão e muitas vezes drogas escassos como a oxitocina , substância aplicada para iniciar ou acelerar concentrações uterinas. Contrariamente a esta informação , a Secretaria de Saúde informou através de um comunicado de imprensa que a mulher foi apresentada ao Centro de Jalapa Diaz entrega prazo de dilatação e avançado de saúde , resultando na expulsão do bebê antes de entrar na unidade de saúde para atendimento. Ele disse que o incidente ocorreu " na manhã de quarta-feira 03 de outubro ", e não se refere ao meio-dia como usuário do Facebook . O problema é que em 3 de outubro foi uma quinta-feira. "O progresso do trabalho das mulheres e, juntamente com a falta de pessoal noite no Centro de Jalapa Diaz de Saúde fez com que a mãe de ter seu filho em condições precárias . "

Ele explicou que, segundo a equipe de plantão Centro de Saúde de Jalapa Diaz, na quarta-feira a mulher foi com o marido para a unidade médica para ser atendida, pelo qual recebeu instruções precisas para a preparação para o parto, tudo ao apresentar um estado de trabalho muito avançado . "Infelizmente a mulher em desespero, decidiu ir para a parte de trás deste espaço, o que, eventualmente, deu à luz seu filho, que apresentava boa saúde e tinha um peso de 2 quilos 400 gramas e um tamanho de 48 centímetros. "
Só quando isto aconteceu deram atenção ao recém nascido e sua mãe e os levaram imediatamente. As imunizações de menores foram aplicadas e os procedimentos neonatal , enquanto a mãe recebeu os cuidados adequados. Mais tarde, em uma entrevista à televisão Milênio insistiu que a equipe do centro disse a ele para esperar " do lado de fora enquanto se prepara o serviço" , por isso fui para a parte de trás do lugar, mas " quando fui olhar não encontrei" .

A mulher "tem problemas em entender espanhol ", mas " nada disso é desculpa ", ele admitiu, " mesmo nas áreas mais remotas do país isso é uma obrigação com o ser humano " .
Questionado sobre uma suposta paralisação no centro, admitiu que é a suspensão de atividades em algumas unidades , mas ressaltou que o sindicato tem sido "muito responsável " para fechar apenas escritórios administrativos e " sem motivo " para negar atendimento aos cidadãos.

Fonte: rondoniavip.com.br

Quarta, 16 Outubro 2013 23:03

Menina de 13 anos sofre estupro coletivo por colegas de sala

por  
Menina de 13 anos sofre estupro coletivo por colegas de sala
Vítima teve hemorragia e passou por cirurgia no Hospital de Ceilândia

Uma menina de 13 anos foi estuprada por quatro adolescentes com idades entre 13 e 17 anos, em Águas Lindas de Goiás (GO), região do Entorno do DF. De acordo com o agente Brandão Junior, da seção de investigações criminais do Ciops (Central Integrada de Operações de Segurança), tudo começou dentro do Colégio Estadual Paulo Freire, onde vítima e acusados estudavam na mesma sala.
O crime aconteceu no dia 7 de outubro. A menina foi para o colégio, mas, ao chegar lá, soube que não teria aula. Então, um dos rapazes a convidou para ir à casa de um deles no bairro Cidade do Entorno. De acordo com a versão da vítima, eles deram um copo grande de vinho para ela beber. Ela tomou a bebida de uma só vez e, a partir daí, começaram os estupros. Segundo o investigador Brandão, a menina só lembra flashes do que teria ocorrido.
— Ela estava sob forte efeito de álcool e foi estuprada pelos quatro adolescentes.
Após estuprar a jovem, segundo a polícia, os adolescentes perceberam que ela sangrava muito. Então, eles deixaram a menina na rua. Um conhecido encontrou a menina já alcoolizada e a levou para casa. Quando a mãe chegou, encontrou a filha tomando banho e sangrando muito.
De acordo com a mãe da menina, ela tentou atendimento no Hospital Municipal de Águas Lindas, mas não conseguiu porque não tinha ginecologista. A mãe então seguiu para o HRC (Hospital Regional de Ceilândia), onde a menina teve de ser operada. A mãe ficou horrorizada com a situação da menina.
— Minha filha teve que levar cinco pontos. Ela quase morreu de tanto que sangrou. Agora, graças a Deus, ela está bem.
A menina se recupera em casa e já voltou a frequentar a escola. A mãe preferiu transferi-la de horário para evitar contato com os agressores. O irmão mais velho a leva e busca após as aulas.
Ainda segundo a mãe da menina, os acusados não foram presos porque, de acordo com a polícia, o IML (Instituto Médico Legal) não fez exame de corpo de delito. Apenas após o laudo será possível apreender os acusados que já foram identificados.

com R7, Paulo Mondego

DST pouco conhecida preocupa especialistas

A 'Mycoplasma genitalium' (MG), bactéria causadora de doença sexualmente transmissível, já tem mostrado resistência aos antibióti...