sábado, 2 de novembro de 2013

Salada no vidro, genial!

Você quer reeducar a sua alimentação mas não tem tempo de preparar algo saudável? Ou simplesmente não tem disposição para cozinhar todos os dias?? 

Pois pelo menos com a salada eu posso te ajudar.


A salada é com certeza um item indispensável para quem quer perder peso ou comer de
maneira saudável. Hoje eu vou te ensinar a fazer a “Salada de Vidro”, uma dica sensacional 
que a galera da academia me ensinou. Se trata de uma salada normal, com tudo aquilo que
 você gosta, com a diferença de que ela será guardada em potinhos de vidro, já temperada, e
 pode ser conservada na geladeira por até 7 dias sem o menor risco de estragar ou murchar. 
Olha só:


primeira camada a ser colocada no vidro é o tempero: azeite, limão, vinagre, enfim, o tempero
 que você mais gostar.


Agora é a vez de formar uma segunda camada com ingredientes que podem ser conservados 
pré-cozidos como grão de bico, soja, quinoa, tofu, champignon…

terceira camada é de legumes mais consistentes como cenoura, tomate, cebola, pepino e outros.

quarta camada é feita de outros elementos que ajudam a reforçar o gosto do tempero que
 você usou. Pode ser azeitonas, milho, ervilha, palmito, frutas (para quem curte uma salada 
agridoce), cebolinha e etc.

E a quinta e última camada é formada por folhas: alface, espinafre, rúcula…

Dicas:
* O tempero da primeira camada não pode ultrapassar a grossura do seu dedo ou a salada vai
 ficar muito encharcada.
* As folhas formam a camada mais generosa e devem chegar até a metade do pote de 
vidro. Importante: as folhas só duram bastante quando lavadas e colocadas no vidro no mesmo 
dia em que você as comprou. Aquela folha que já está há 3 dias na sua geladeira, com certeza 
não vai durar os 7 dias dentro do vidro.
* Na hora de comer, você pode agitar tudo antes de servir (isso intensifica o sabor) ou misturar
tudo no prato.
* Potes de plástico não são recomendados porque fazem as folhas murcharem depois de 2 dias.
* Se você deseja colocar atum, frango ou outro tipo de carne, o melhor é cozinhar e conservar
 à parte, misturando apenas no prato.
* Qualquer legume ou grão, deve estar cozido e sem sal, antes de ser colocado no vidro para
que durem mais.

Essas saladas são uma ótima maneira de comer bem e economizar tempo. Você pode preparar
tudo em um único dia e dá até para levar para o trabalho. É a sua chance de reciclar aquele
vidrinho de palmito ou de molho que você não sabia o que fazer com ele. Viciei na saladinha de
vidro!

Dica da Page: Receitas Saudáveis. 

Veja quais são os "monstros" do seu ambiente de trabalho


O Halloween pode não ser uma festa tipicamente brasileira. Contudo, alguns monstros lembrados nesta época do ano têm características bem semelhantes a alguns colegas de trabalho de empresas, possivelmente, bem próximas de você. O Catho, site especializado em empregos, montou uma lista divertida com as "espécies" de profissionais e dicas para lidar com eles.

Confira alguns tipos corporativos bem comuns:

Colega Múmia

Profissional que faz da empresa seu sarcófago. Parado no trabalho e estagnado na carreira, está sempre acomodado.
Como lidar? Evite este tipo de colega ou se tornar um deles. Seja proativo e procure participar das atividades para crescer em sua carreira.

Colega Bruxa
 Adjetivo comumente ligado a chefes autoritárias ou colegas de trabalho desagradáveis, a bruxa é uma figurinha comum em quase todas as organizações.
Como lidar? Se for um colega, tente ser cordial e falar estritamente o necessário. Se for o seu chefe, tente dialogar para vocês conseguirem ter uma boa convivência.

Colega Fantasma

Colaborador que está sempre ausente nas decisões de uma equipe, ou até mesmo na empresa!
Como lidar? Não se sobrecarregue pela ausência do colega, chame-o para o trabalho, peça a opinião e o envolva nas atividades realizadas, mostrando que no trabalho em equipe cada um participa com sua parcela.
 

Colega Vampiro 

É o funcionário sanguessuga, aquele que gosta de roubar boas ideias e projetos.
Como lidar? Não compartilhe informações importantes com este colega. Se for necessário, registre por e-mail ou oficialmente para que você não tenha dor de cabeça.


Colega Cabeça de abóbora

Profissional com a cabeça vazia, e que não colabora com novas ideias.
Como lidar? Não se contagie com este tipo de postura, exponha sempre suas ideias e respeite as ideias dos outros. Se possível, estimule o colega para que opine ou auxilie no aprimoramento de alguma ideia apresentada.
 by ZH

Conheça a ilha dominada por porcos nadadores




Quando pensamos em Bahamas, uma das primeiras coisas que surge na nossa cabeça é o mar azul-turquesa, que oferece aquele brilho único às paisagens. O que nós nunca adivinharíamos é que, num desses cenários idílicos, poderíamos ter a companhia de porcos nadadores. Seja bem-vindo à Ilha dos Porcos.

Não que os bichos representem uma evolução da espécie. A explicação parece ser a de que um grupo de marinheiros os deixou na Big Major Cay, nome oficial da ilha, no arquipélago de Exuma Cays, para que na volta pudessem ser abatidos e comidos. Acontece que os marinheiros nunca voltaram e os porcos tiveram, provavelmente com algum sofrimento, que aprender a nadar.

Hoje eles estão estabilizados na ilha que, claro, já ganhou apelido de Ilha ou Praia dos Porcos. Em 2009, os fotógrafos Eric Cheng e Jim Abernethy passaram por lá e espalharam a palavra – desde aí, os inusitados animais viraram atração turística.




























Foto @ Calumet Dreams



Foto @ Katlin Dougherty

by Hipeness.com.br

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Caiado afirmou que foi Lula quem criticou os programas transferência de renda antes de chegar ao poder, em 2003. “Lula na época falava que transferir renda era assistencialismo, compra de votos. Lula diz uma coisa diferente hoje, mas o que ele realmente pensa sobre transferência de renda é fácil de comprovar”, disse, ao citar programas eleitorais de Lula que estão no YouTube. Em um desses programas, o ex-presidente dizia que “assistencialismo conduz a pensar com o estômago”

 | 

Lula foi radicalmente contra programas de 

transferência de renda, afirma Ronaldo Caiado
















Chumbo trocado – Líder do Democratas na Câmara dos Deputados, Ronaldo Caiado (GO) rebateu as acusações do ex-presidente Luiz Inácio da Silva de que adversários políticos criticaram de alguma forma o programa Bolsa Família. “A tensão pré-eleitoral toma conta do governo do PT. Hoje, nos 10 anos do Bolsa Família, uma mentira atrás da outra”, disse.
Caiado afirmou que foi Lula quem criticou os programas transferência de renda antes de chegar ao poder, em 2003. “Lula na época falava que transferir renda era assistencialismo, compra de votos. Lula diz uma coisa diferente hoje, mas o que ele realmente pensa sobre transferência de renda é fácil de comprovar”, disse, ao citar programas eleitorais de Lula que estão no YouTube. Em um desses programas, o ex-presidente dizia que “assistencialismo conduz a pensar com o estômago”.
Ronaldo Caiado disse ainda que Fernando Henrique Cardoso criou o piloto do programa Bolsa Escola, mas o falecido senador Antônio Carlos Magalhães, então no PFL, elaborou o fundo contra a pobreza, que permitiu a expansão dos programas sociais, que mais tarde foram unificados com o nome de Bolsa Família. Caiado citaartigo de Gilberto Dimenstein, publicado pela Folha de S. Paulo, em 4 de outubro de 2006.
De acordo com o líder do Democratas, o governo do Partido dos Trabalhadores perdeu todo o seu discurso. “O PT dizia combater a corrupção, mas o Mensalão provou o contrário. O governo do PT se disse contra as privatizações. É só ver algumas estradas e aeroportos para comprovar mais uma falácia. O governo do PT fazia terrorismo contra a privatização da Petrobras. Semana passada, o Campo de Libra quebrou mais um discurso O governo do PT dizia o mesmo sobre o Banco do Brasil, que hoje tem 30% de capital estrangeiro. Na época de FHC, não passava de 12,5%”, disse.
De acordo com Ronaldo Caiado, a perda de discurso “tira o sono dos petistas”. “O ano 2014 está aí e Dilma e Lula estão sem ter o que apresentar e propor. O Brasil acordou”, disse.

by Ucho.info

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Dilma irritada

quarta-feira, 30 de outubro de 2013
Dilma: irritada
Dilma Rousseff odiou com todas as forças a ideia de Renan Calheiros de botar para votar até dezembro no Senado um projeto que fixa mandato para o presidente e diretores do BC (leia mais em Avanço no BC). Não quer ouvir falar disso.
De acordo com um bem-humorado assessor, “nunca antes na história Dilma ficou tão  irritada”.
Aliás, a nota oficial de Lula, divulgada hoje de manhã, negando que o ex apoiasse a medida, foi feita a pedido de Dilma.
Por Lauro Jardim

Direito de advogado dirigir-se diretamente a juízes sem horário marcado é constitucional, diz PGR


Publicado por Patricia Francisco -
6
Para Rodrigo Janot, dispositivo questionado pela ADI 4330 privilegia o princípio da oralidade e possibilita maior celeridade processual
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao SupremoTribunal Federal (STF) parecer pela improcedência da ação direta de inconstitucionalidade (ADI) 4330, proposta pela Associação Nacional dos Magistrados Estaduais (Anamages). A ação questiona o artigo , incisoVIII, do Estatuto da Advocacia e da Ordem dos Advogados do Brasil (Lei8.906/1994), que trata do direito do advogado de dirigir-se diretamente aos magistrados judiciais, independentemente de horário marcado com antecedência ou outra condição. 
Para a Anamages, há inconstitucionalidade formal, pois essa questão seria matéria reservada a lei complementar, conforme o artigo 93, caput, da Constituição. A associação ainda sustenta que a lei também apresenta inconstitucionalidade material, por violar os princípios da ampla defesa, do contraditório, da razoabilidade, da duração razoável do processo e da eficiência.
A ação pede a suspensão cautelar da expressão "independentemente de horário prévio marcado ou outra condição". E, no mérito, a declaração de inconstitucionalidade formal do dispositivo e, sucessivamente, a de inconstitucionalidade material com redução de texto, para excluir a expressão, no intuito de que os advogados sejam recebidos "mediante prévio agendamento e com comunicação da parte contrária, exceto nas hipóteses que reclamem urgência".
Para o procurador-geral da República, o pedido é improcedente. Segundo ele, não há vício de inconstitucionalidade formal. Rodrigo Janot explica que o artigo 93 da Constituição – o qual exige lei complementar para dispor sobre o Estatuto da Magistratura - deve ser compatibilizado com outras normas constitucionais que preveem lei ordinária para reger o exercício da advocacia. "Portanto, não é correta a interpretação, pretendida pela requerente, de que seria necessário lei complementar para dispor sobre os direitos do advogado que tenham como contrapartida a imposição de deveres aos magistrados", comenta.
Rodrigo Janot acrescenta que a exigência do artigo 93 "é de que a lei especial acerca do regime jurídico da magistratura judicial tenha a forma e o rito de lei complementar, mas isso não exclui que outras normas jurídicas contenham preceitos aplicáveis aos juízes". Ele ainda destaca que a própria Lei Orgânica da Magistratura Nacional (Lei Complementar35/79) prevê que o magistrado tem o dever de "atender aos que o procurarem, a qualquer momento, quanto se trate de providência que reclame e possibilite solução de urgência".
De acordo com o parecer, também não há inconstitucionalidade material. Para o procurador-geral, o direito assegurado aos advogados condiz com a igualdade de tratamento entre os profissionais que atuam no universo judicial, uma preocupação constante do legislador presente em diversas normas, como o Estatuto da Advocacia (Lei 8.906/94), a Lei Orgânica do Ministério Público da União (LC 75/93) e a Lei Orgânica da Defensoria Pública (LC 80/94). 
Rodrigo Janot sustenta que a pretendida igualdade busca preservar adequada defesa, em juízo, dos direitos e interesses representados por esses profissionais, cujo ofício é essencial à defesa da democracia e dos direitos individuais. "Nesse contexto, justifica-se a previsão legal de que o advogado tenha direito de dirigir-se diretamente ao magistrado, sem condicionamentos que dificultem indevidamente seu mister", afirma.
O procurador-geral ainda argumenta que a norma não viola os princípios da razoabilidade, da duração razoável do processo nem da eficiência. Para ele, "o dispositivo impugnado privilegia o princípio da oralidade e possibilita maior celeridade processual".
Por fim, Rodrigo Janot conclui que a garantia prevista no artigo 7.º, inciso VIII, justifica-se "pelo fato de que é dever do juiz estar nas dependências de sua unidade judiciária no horário habitual de expediente - ressalvadas, naturalmente, necessidades diversas, do próprio ofício, que podem levá-lo a outros locais". Por outro lado, Janot esclarece que esse direito dos advogados não lhes permite deixar os juízes à sua disposição todo o tempo, pois muitos atos processuais e o próprio trabalho judicial podem impedir o atendimento imediato aos advogados.
O parecer (confira aqui a íntegra) será analisado pelo ministro Luiz Fux, relator da ação no STF.
Secretaria de Comunicação Social
Procuradoria Geral da República
(61) 3105-6404/6408
Fonte: http://www.migalhas.com.br/Quentes/17,MI188282,21048-Direito+do+advogado+dirigirse+a+juizes+sem+horario+marcado+e

Cidade norueguesa recebe luz do sol graças a espelhos gigantes


Habitantes comemoram instalação dos equipamentos no local que não vê o sol de setembro a março




Moradores comemoraram em cerimônia em praça da cidadeFoto: Krister Soerboe / AFP


Privada de sol durante metade do ano devido às montanhas que a circundam, a cidade norueguesa de Rjukan inaugurou nesta quarta-feira espelhos gigantes que deverão trazer luz para os sombrios dias de inverno.

Após certo tempo de espera, alguns tímidos raios de sol iluminaram a praça onde se reuniram centenas de pessoas, com olhos fixos nos três enormes espelhos de pé sobre um cume de 400 metros.
Os espelhos em Rjukan
Foto: Tore Meek, AFP

Localizada em um vale íngreme do sul da Noruega, a pequena cidade de 3,5 mil habitantes não vê o sol por cerca de seis meses, de setembro a março.

Até que um artista, Martin Andersen, teve a ideia de refletir a luz solar a partir do ponto mais alto da localidade.

— Uma ideia de cem anos que se tornou realidade hoje — comemorou o prefeito Steinar Bergsland antes de uma orquestra local tocar Let the sun shine.

— Rjukan é um município onde o impossível se torna possível — disse ele.

Apesar das fortes reservas iniciais sobre o uso de fundos públicos para tal projeto, as 5 milhões de coroas (610 mil euros) necessárias para a sua implementação foram finalmente reunidas, 80% graças a patrocinadores.

Controlados por computador para acompanhar a trajetória do sol, os três espelhos de 17 metros quadrados cada agora formam uma elipse de luz de cerca de 600 metros quadrados, o equivalente a três campos de tênis, na praça do mercado.

Além de trazer sorriso aos rostos dos habitantes, a cidade de Rjukan, muito procurada por esquiadores, espera que o projeto fortaleça seu apelo turístico. Ela espera ser incluída pela Unesco em 2015 na lista de Patrimônio Mundial, como testemunha da engenharia industrial humana.

Este vídeo da Honda vai virar seu cérebro do avesso



COMERCIAL


28 OUT, 2013 - 21:00 -
POR: Leonardo Contesini


Se há algo que a Honda aprendeu a fazer muito bem além de motores giradores, foram vídeos com potencial viral. Lembra do comercial “Cog“? Tudo começou com ele. Depois tivemos aquele do “espírito sonoro” do McLaren do Senna, aquele outro das mãos criando a história da marca, e o cortador de grama mais rápido do mundo. Agora eles lançaram uma viagem visual fodástica que vai enganar seus olhos e derreter seu cérebro.

Este novo anúncio usa perspectivas forçadas e ilusões de óptica anamórficas para te deixar maluco por alguns segundos. Aparentemente não há nenhum tipo de computação gráfica no vídeo, apenas um belo trabalho de câmera e algumas pinturas no chão.

Agora que assisti ao vídeo nove vezes, preciso de uns minutos de repouso para meu cérebro voltar a funcionar. Vão vendo aí, logo voltaremos com nossa programação normal.


domingo, 27 de outubro de 2013

PESQUISA DATAFOLHA MOSTRA QUE 95% DOS PAULISTANOS DEPLORAM O TERROR COMUNISTA MASCARADO



Nada menos do que 95% dos paulistanos desaprovam a atuação dos chamados "black blocs" --manifestantes que praticam o confronto com as forças policiais e a destruição de agências bancárias, lojas e prédios públicos como forma de protesto.
É o que mostra pesquisa Datafolha feita na sexta-feira com 690 pessoas. A margem de erro máxima da amostra é de quatro pontos percentuais para mais ou para menos para o total da amostra.
Na mesma sexta-feira, durante manifestação promovida pelo Movimento Passe Livre no centro de São Paulo, "black blocs" agrediram o coronel da Polícia Militar Reynaldo Simões Rossi --a arma dele também desapareceu.
A ação dos vândalos incluiu a destruição de caixas eletrônicos, ônibus e de cinco cabines de venda de bilhete único, além de pichações.
Quanto maior a faixa etária, maior a reprovação aos métodos dos "black blocs".
Assim, se 87% dos jovens de 16 a 24 anos os desaprovam, entre os mais velhos (60 anos e mais) o índice atinge virtualmente a totalidade dos entrevistados (98%).
Quando se pergunta se as manifestações foram mais violentas do que deveriam ser, violentas na medida certa ou menos violentas do que deveriam ser, três quartos (76%) dos paulistanos cravam a primeira alternativa: mais violentas do que deveriam ser.
Apenas 15% julgam que os manifestantes foram violentos na medida certa e 6%, menos violentos do que deveriam ser.
O Datafolha pediu aos entrevistados que avaliassem a atuação da PM segundo os mesmos critérios. Para 42%, a polícia se excedeu. Mas 42% consideram o grau de violência adequado e 13% dizem que a polícia foi menos violenta do que deveria.
APOIO EM QUEDA
O resultado é que o apoio dos entrevistados às manifestações de rua em São Paulo desabou.
No final de junho, 89% eram favoráveis aos protestos. Em setembro, o índice já caíra para 74%. Nesta semana, são 66% os apoiadores.
Do outro lado, a taxa dos que são contrários às manifestações quase quadruplicou. Eram 8% em julho, 21% em setembro e, agora, 31%.
Apesar de focalizarem causas "dos oprimidos", como a melhoria do transporte público, as manifestações têm conseguido taxas mais altas de apoio entre os mais ricos --80% entre os que possuem renda familiar mensal de mais de cinco a dez salários mínimos e 80% dos paulistanos com renda maior do que 10 salários mínimos.
Contra os protestos disseram-se 18% dos mais ricos.
Entre os mais pobres, com renda até dois salários mínimos, a taxa de apoio aos protestos é de 54%, 26 pontos percentuais a menos do que entre os mais ricos.
Contra os protestos disseram-se 42% dos mais pobres, 24 pontos percentuais a mais do que o índice observado na parcela rica.

 Da Folha de S. Paulo deste domingo







e não temos nenhum FILHO DA MÃE candidato com propostas de direita!!!

Traduza-se black bloc para português: bandido

Centro de São Paulo, noite de sexta-feira (25/10): mais depredação e muito mais violência
Em junho, quando as ruas ferveram, eles eram chamados de “minoria de vândalos”. Infiltravam-se nos protestos e, do meio para o final, transformavam pacíficas manifestações em surtos de desordem. Eles eram poucos. Mas foram ganhando a adesão de uma legião de desocupados. Gente que enxergou na algazarra uma oportunidade para realizar saques e pequenos furtos.
A violência foi ganhando ares de rotina. Eles investiam contra policiais e jornalistas, incendiavam ônibus, depredavam estações de metrô, atacavam agências bancárias, destruíam caixas eletrônicos, estilhaçavam vitrines de lojas, lançavam coqueteis molotov em prédios públicos… Aos pouquinhos, foram migrando dos rodapés de página para as manchetes.
Com o passar dos dias, verificou-se que eles macaqueavam ativistas europeus e americanos. Imitavam-nos nas vestes, no gestual e nos métodos. Ganharam apelido chique: black blocs. E a destruição passou a ser justificada como “protesto consciente de inspiração anarquista”. Supremo paradoxo: disfarçados de inimigos do capitalismo, estudantes bem-nascidos tornaram-se um estorvo para a gente simples das cidades.
Exaltados pela imprensa dita alternativa, do tipo Ninja, eles ganharam a cena. Intimidada, a polícia assistiu, por vezes passivamente, ao recrudescimento da violência. Amedrontada, a rapaziada pacífica voltou para casa. O ronco do asfalto virou lamúria. Numa visita às ruas de São Paulo, os pesquisares do Datafolha acabam de verificar que 95% dos paulistanos não suporta mais a anarquia.
Já passou da hora de definir melhor as coisas. Está nas ruas uma estudantada corpulenta, de cara coberta e violenta. Esse grupelho adquiriu o vício orgânico de tramar contra o sossego alheio. Vândalos? É muito pouco! Black Blocs? O escambau! Traduza-se para o português: bandidos, eis o que são.
Num instante em que a sociedade se escandaliza com os PMs que torturaram e mataram Amarildo numa unidade pseudopacificadora da favela do Rio, convém abrir os olhos para as atrocidades cometidas pela bandidagem que faz Bakunin revirar no túmulo. Repare nas duas cenas que se seguem:
Cena 1: A selvageria
“Pega, peeega, peeeeeega!” Estamos no centro de São Paulo, no meio de mais uma manifestação promovida pelo Movimento Passe Livre, cujo objetivo declarado é o de zerar as tarifas de ônibus, metrô e trem. É sexta-feira (25/10), 20h20.
Selvagens com os rostos cobertos cercam o coronel da Polícia Militar Reynaldo Simões Rossi. Passam a agredi-lo com pauladas e pontapés. Imprensado contra uma pilastra, o soldado cai.
“Eu me recordo que eu fui projetado ao solo a partir de uma pancada na cabeça que eu levei”, Reynaldo contaria depois. No solo, ele ainda tenta proteger a cabeça com as mãos. Inútil. Intensificam-se os golpes.
Zonzo, Reynaldo se levanta. É empurrado pelas costas. À sua direita, um dos agressores o atinge com uma chapa metálica bem na cabeça. Ele corre. Os algozes o perseguem. “Na segunda onda de agressões, eu já estava perdendo um pouco a lucidez”, diria depois da surra. Foi então que, empunhando o revólver, um soldado metido em roupas civis resgata o coronel Reynaldo, livrando-o dos seus torturadores.
Cena 2: A sensatez
Já sob a proteção de seus soldados, o coronel Reynaldo faz cara de dor. Antes de se enfiar no banco traseiro da viatura policial que o levaria para o hospital, ele pronuncia uma derradeira ordem. Em meio à insensatez, o coronel diz algo sensato: “Não deixa a tropa perder a cabeça!”
Reynaldo passou a noite no hospital. No dia seguinte, com um dos braços na tipóia, ele contabilizou os prejuízos: “Eu tenho os dois omoplatas fraturados: um, integralmente; outro, parcialmente. Tenho lesões na perna, no abdômen, e tenho duas lesões na cabeça.”
Tardiamente, as polícias do Rio e de São Paulo começam a lidar com a tribo dos sem-rosto de maneira mais profissionalizada. Para evitar o moto-contínuo das prisões que duram menos de uma noite, reúnem provas que permitirão aos juízes impor aos criminosos penas compatíveis com os seus crimes.
Até Dilma Rousseff já acordou: “Agredir e depredar não fazem parte da liberdade de manifestação. Pelo contrário”, ela escreveu no Twitter. “Presto minha solidariedade ao coronel da PM Reynaldo Simões Rossi, agredido covardemente por um grupo de black blocs em SP”, acrescentou. Alvíssaras!

by blog do Josias

PT = Full Torture

sábado, 26 de outubro de 2013


Por Carlos Parrini

Cadê a Comissão da Verdade? Na boa, sou contra ditadura, censura e qualquer tipo de tortura. Mas uma coisa não se pode negar: Muitos gaiatos e covardes ou parentes, entraram nessa onda de dizerem que foram torturados, para terem ótimas indenizações. Criaram uma Comissão que deveria ser da Verdade mas que só trouxe depoimentos de mentirosos. Na realidade, essa comissão só serviu para remexer no passado dos Militares e não dos assassinos, sequestradores, terroristas e assaltantes de bancos, que mataram Militares. Inclusive, muitos deles hoje estão no poder porque foram anistiados pelo próprios Militares que chamaram de torturadores.

PT

Não quero defender ninguém, apenas mostrar que isso tudo não passou de uma farsa. Gente que se disse torturada, recebeu indenização milionária e hoje tem salário e pensão que jamais receberia se fosse trabalhadora.
Mas é assim que funciona e que os criminosos conseguem se manter: MENTINDO.
A Própria Dilma, suposta vítima de tortura que saiu ilesa, gorda de saúde do calabouço, sem nenhum arranhão ou cicatriz, usa essa tática, como seu criador o Gepeto Lula, lhe ensinou.

Não sei quem mente mais: o gepeto ou a pinochio

Veja que são tão dissimulados que Festejaram a Privataria da Petrobrás como se fosse sucesso vender no valor mínimo e para um grupo só, inclusive a própria Petro tendo de pagar pelo petróleo que já é seu. Mentem como se o Brasil estivesse lucrando ao doar uma Bacia que custa Trilhões, mas que na realidade estará recebendo apenas 15 Bilhões.
Gente, esse povo é mentiroso, além de criminoso. CUIDADO! Quem acreditou neles e comprou as ações da OGX de Eike Batista por R$ 23,00, hoje só tem alguns centavos.

Graças ao PT, Eike Batista ganhou um lote do Pré-sal.
Ações foram a R$ 23,00, o povo caiu direitinho e comprou quase tudo.
O Poço não valia nada e ações despencaram para alguns centavos.
Restou o poço vazio, ou melhor, cheio de brasileiros.

Assim como eles enganaram e deram prejuízos gigantescos aos pobres investidores (Os grandes sairam fora quando os pequenos e abobalhados entraram), eles mentiram dizendo que foram torturados, quando na verdade nós é que estamos sendo torturados todo o tempo por essa cambada de FDP. Somos torturados nos hospitais, na falta de educação, na corrupção, na insegurança, com a inflação que escondem,  nas falsas promessas de campanhas, em ações do pré-sal que eles nos oferecem sem dó e até mesmo  indenizações que tiram de nossos bolsos para distribuir para esses safados que mentiram durante anos, de que foram torturados.
Cadê a a cambada da comissão da verdade que ainda não chamou essa e outros falsos torturados para pelo menos estancar essa sangria dos cofres públicos?
Só gostaria que essa Comissão da Mentira provasse que os supostos Torturadores roubaram e foram corruptos como os que hoje estão no poder que, além de nos torturarem, nos roubam.
Falar mal de quem já está morto é fácil.
Não acreditam? Vejam essa confissão de uma torturada mentirosa, mas que teve a coragem de confessar, enquanto outras continuam sendo covardes.

O PT acabou com a Eletrobrás, Petrobrás, Pré-sal, tá colocando Chineses no Banco do Brasil 
e em breve vai acabar com a Vale e com os Correios, escrevam isso.

by Por Carlos Parrini

DÁ PRÁ ACREDITAR? JORNALISTA DIZ QUE MENTIU POR 30 ANOS SOBRE A TORTURA

O longo texto de Miriam, dizendo que foi orientada a mentir durante anos e que a maioria dos que se dizem torturados nunca foram sequer tocados na prisão, é uma verdadeira bomba atômica no discurso de tantas pessoas, que hoje são tratadas quase como heróis e heroínas, pelo que teriam sofrido nos porões da ditadura.

Um choque para o Brasil, uma bomba que preferiríamos, nunca viesse a público, surge agora, na imprensa brasileira. É uma confissão. Feita pela jornalista Miriam Macedo (foto). Três décadas depois, ela, que durante anos denunciou que foi torturada e assistiu torturas em prisões da ditadura militar, escreveu simplesmente: “Menti descaradamente durante 30 anos!”. 
O relato, feito em seu blog (blogdemirianmacedo.blogspot.com), é inacreditável. Ela escreveu: “Que teve gente que padeceu, é claro que teve. Mas alguém acha que todos nós que saíamos da cadeia contando que tínhamos sido barbaramente torturados falávamos a verdade? Não, não é verdade. Noventa e nove por cento das barbaridades e torturas eram pura mentira! Por Deus, nós sabemos disto! Ninguém apresentava a marca de um beliscão no corpo. Éramos barbaramente torturados e ninguém tinha uma única mancha roxa para mostrar! Sei, técnica do torturadores... Não, técnica de torturado, ou seja, mentira.Mário Lago, comunista até a morte, ensinava: ´quando sair da cadeia, diga que foi torturado. Sempre". Miriam, até com alguma ironia, diz que a confissão é sua contribuição para a Comissão da Verdade, instalada para trazer à luz os milhares de casos denunciados de tortura durante a terrível ditadura militar.

O longo texto de Miriam, dizendo que foi orientada a mentir durante anos e que a maioria dos que se dizem torturados nunca foram sequer tocados na prisão, é uma verdadeira bomba atômica no discurso de tantas pessoas, que hoje são tratadas quase como heróis e heroínas, pelo que teriam sofrido nos porões da ditadura. “Era mentira? Era, mas, para um revolucionário comunista, a verdade é um conceito burguês, Lênin já tinha-nos ensinado o que fazer”, concluiu a jornalista no confessionário público. E agora?

CASOS CONCRETOS

O caso agora denunciado pela jornalista Miriam Macedo, certamente é uma exceção. Há documentos e testemunhos não só de torturados como até de torturados, contando o que acontecia a muita gente nos porões das prisões durante os governos militares. Mas é importante que tudo seja esclarecido. A Comissão da Verdade tem obrigação de chamar a jornalista para depor, até para demonstrar sua imparcialidade. Houve tortura no Brasil? Claro que houve. Mas houve e ainda há muita história contada por pseudos heróis, que na verdade amarelavam e denunciavam companheiros antes mesmo de sofrerem alguma ameaça.



Símbolo da tortura que praticamente não existiu.

by Opinião de Primeira

DST pouco conhecida preocupa especialistas

A 'Mycoplasma genitalium' (MG), bactéria causadora de doença sexualmente transmissível, já tem mostrado resistência aos antibióti...