quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Jefferson rebate Dirceu e diz que julgamento foi 'democrático'


Para o delator do esquema, que aguarda em casa a expedição do mandado de prisão, não se pode definir caso como 'político' ou 'de exceção'
21 de novembro de 2013

Adriano Barcelos - enviado especial a Comendador Levy Gasparian (RJ)
RIO - Condenado a sete anos e 14 dias por envolvimento no mensalão, o delator do esquema, o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ), rebateu na manhã desta quinta-feira, 21, as declarações do ex-ministro José Dirceu, para quem o julgamento foi "de exceção". Jefferson aguarda em sua casa em Comendador Levy Gasparian a expedição do mandado de sua prisão.

Veja também:

À espera de ordem judicial, Jefferson define prisão como 'exílio político'
No Congresso e em manifesto, petistas e apoiadores fazem ataques a Barbosa
Em vídeo, Pizzolato promete comprovar inocência 'até último segundo'

Jefferson fala aos jornalistas em sua casa, em Comendador Levy Gasparian (RJ)  - Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão
Jefferson fala aos jornalistas em sua casa, em Comendador Levy Gasparian (RJ)
Para o ex-deputado, o julgamento no STF foi democrático, o que não significa que tenha sido justo ou que concorde com o resultado de condenação. "Foram juízes que ele [Dirceu] indicou. Pode não concordar com a decisão, mas dizer que é político, de exceção, não dá. Falar de elites, que elites?", afirmou, pregando respeito às instituições e assinalando que o Brasil não é "Cuba ou a Venezuela".

Jefferson disse acreditar que a partir das condenações dos réus no processo a política do País passará a viver um novo momento. "A política mudou, já há alterações no comportamento, muito em função de vocês (imprensa). Vocês mudaram o Brasil", afirmou.

Perguntado sobre a expectativa de julgamento pelo Supremo do caso do mensalão mineiro, que envolve políticos do PSDB, ele preferiu se abster. "Não sou promotor. Tenho apreço a Eduardo Azeredo (PSDB-MG) como pessoa. Foi um bom governador", pontuou.

Bem humorado, o ex-deputado chamou jornalistas para tomar café da manhã com ele. Na refeição, adotou um tom descontraído e abriu as portas de sua casa, mostrou os cômodos, apresentou os animais de estimação - seis cachorras e cinco pássaros - e não se furtou em falar de política. "Sou político", justificou, dizendo não ter saudades de Brasília, uma "cidade árida e de passagem", segundo sua visão, mas disse sentir falta da convivência diária do Congresso.

Ao lado da mulher, Ana, ele ordenou aos empregados da casa que oferecessem acesso aos banheiros e água em uma das residências contíguas do condomínio familiar.

by Folha de São Paulo

Nenhum comentário:

O INTERESSANTE ESTADO DE DIREITO

Fernando Gabeira Há coisas que não entendo no Brasil. Ou melhor, coisas que me esforço para entender. O STF, por exemplo, ne...