quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Jefferson: Dirceu não é vítima de julgamento 'político'


Mensalao

21 de novembro de 2013 | 19h 33

ADRIANO BARCELOS, ENVIADO ESPECIAL A - Agência Estado
Para o delator do mensalão, o ex-deputado federal Roberto Jefferson (PTB-RJ), o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu (PT-SP) erra ao se dizer vítima de um julgamento "político" ou de "exceção". Condenado a sete meses e 14 dias mais multa de R$ 720 mil por seu envolvimento no esquema, Jefferson acredita que o processo julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) foi "democrático", ainda que discorde do veredicto que o condenou.
A postura de Dirceu, seu desafeto, não é cabível para o petebista. "Foi um julgamento democrático, o que não quer dizer que tenha sido justo. Você pode não concordar com a decisão, eu também não concordo em relação a mim, mas dizer que foi um julgamento político, de exceção, em favor de elites... que elites? O presidente é do PT, o ex-presidente é do PT, os ministros nomeados pelo PT. Aqui não é Cuba nem Venezuela", afirmou o ex-deputado. Com relação aos petistas condenados, Jefferson usou de ironia: "Só três que foram condenados politicamente, Genoino, Delúbio e Dirceu".
Jefferson aguarda em sua casa em Comendador Levy Gasparian (RJ), cidade a 140 quilômetros da capital fluminense, a expedição do mandado de sua prisão.
Perguntado sobre a expectativa de julgamento pelo Supremo do caso do mensalão mineiro, que envolve políticos do PSDB, ele preferiu abster-se. "Não sou promotor. Tenho apreço a Eduardo Azeredo (PSDB-MG) como pessoa. Foi um bom governador", pontuou.
Bem humorado, o ex-deputado chamou jornalistas para tomar café da manhã. Na refeição, adotou um tom descontraído e abriu as portas de sua casa, expôs sua moto Harley Davidson, mostrou os cômodos, apresentou os animais de estimação - seis cachorras e cinco pássaros - e não se furtou de falar em política. Disse ter dificuldades em voltar a viver no Rio de Janeiro, por conta do trânsito complicado na Barra da Tijuca, onde tem propriedade. Afirmou não ter saudades de Brasília, mas sim da convivência com os ex-colegas do Congresso. "Eu não suporto Brasília, uma cidade sem esquinas, onde não tem conversa. Do Congresso sim, eu sinto muita falta. Sou um ser eminentemente político", afirmou. 

Nenhum comentário:

Quatro réus, entre eles o pai e a madrasta da criança, respondem por homicídio e ocultação de cadáver. Eles estão presos desde 2014

Caso Bernardo: quatro anos depois, como vivem os acusados de matar o menino EDUARDO MATOS Aos 11 anos, Bernardo morreu após ingerir alta dos...