É o fim dos asteriscos. Comentários com impropriedades serão sumariamente deletados. VEJAM A ATUALIZAÇÃO DAS REGRAS DO BLOG PARA COMENTÁRIOS


Pare para observar as novas regras de comentários do blog
Parem e, por favor, leiam a atualização das regras para comentários no blog
Amigas e amigos, depois de anos à frente de nossos blogs, com muitos milhares de posts publicados e um número de comentários que, somados, chega perto do meio milhão, o Augusto Nunes e euacumulamos experiência suficiente para aperfeiçoar as regras aplicáveis aos comentários dos leitores daqui por diante.
Os comentários, na sua esmagadora maioria, só enriquecem o blog, promovendo o debate de ideias e a livre manifestação do pensamento.
Mas um número considerável deles precisa de nossa intervenção, com asteriscos ou outros recursos — quando não são diretamente deletados –, para evitar ofensas, grosserias e mesmo a possibilidade de sérias consequências legais para os comentaristas, os colunista e a Editora Abril. É sempre bom lembrar que os colunistas são responsáveis, civil e criminalmente, por todos os textos publicados em seus blogs, incluídos os comentários de leitores.
Augusto e eu gastamos, no trato com comentários indevidos, um tempo que seria muito mais bem aplicado no exame dos assuntos que interessam aos leitores e no aperfeiçoamento do conteúdo dos posts.
De agora em diante, os comentários que contenham as impropriedades constantes da relação abaixo e que, em muitos casos, vimos substituindo por asteriscos, não mais serão publicados.Repetimos: não mais serão publicados.
Os princípios abaixo seguem as regras existentes para o site de VEJA, com alguns acréscimos, a saber:
APROVAMOS comentários
* em que o leitor expressa a sua opinião, ainda que divergente das apresentadas pelo blog e por autores e/ou entrevistados em reportagens, artigos, vídeos, fotos e demais conteúdos do site de VEJA, desde que os pontos de vista sejam formulados em linguagem civilizada.
NÃO aprovamos comentários que
* critiquem outros colunistas de VEJA ou posts por eles publicados; as críticas devem ser dirigidas aos próprios colunistas;
* críticas à revista VEJA, que dispõe de espaço próprio para isso, on-line e na edição impressa;
* configurem qualquer tipo de crime ou incitação ao crime;
* configurem ódio ou preconceito contra pessoas em razão de origem, descendência, religião, simpatia partidária, cor da pele, aparência física ou orientação sexual; críticas que generalizem – a toda uma comunidade ou a um povo, por exemplo – serão deletadas;
* utilizem o espaço para promover convocações — de greves, passeatas, manifestações, assembleias de categorias profissionais e similares — ou abaixo-assinados de qualquer tipo;
* contenham ofensas e grosserias dirigidas a personalidades públicas de qualquer segmento, a outros leitores, a repórteres, colunistas, entrevistados e veículos da mídia (inclusive blogs e blogueiros), incluindo, naturalmente, o site de VEJA e a revista VEJA.
Lembramos que CRÍTICA não é ofensa. São considerados ofensivos comentários que, de alguma forma, visem desqualificar, diminuir, denegrir, humilhar ou agredir a pessoa do criticado, e não suas ideias; críticas, mesmo duras, serão publicadas.
* contenham agressão ou ameaça;
* contenham qualquer tipo de material publicitário;
* incluam informações pessoais do autor ou de terceiros (e-mail, telefone, RG etc.)
* sejam ininteligíveis. (Atenção: os erros de português não impedirão a publicação de um comentário – a menos que as incorreções o tornem ininteligível. Os erros de português não serão corrigidos para publicação.)
* sejam escritos apenas em maiúsculas.
* cuja extensão ultrapasse mil palavras.
Para finalizar, lembramos que a clonagem de nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome deles pode configurar crime de falsidade ideológica, sujeito a pena de cadeia (artigo 299 doCódigo Penal).
Ricardo Setti e Augusto Nunes
by Veja

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PALETES E CAIXOTES DE MADEIRA NA SUA CASA JÁ!

Reencarnação e Alma dos Animais por Chico Xavier

A flor mais rara do mundo