Deputados visitam áreas destruídas pelas chuvas em Petrópolis, RJ


26/03/2013 16h36 - Atualizado em 26/03/2013 16h47


Parlamentares querem a desburocratização no envio de recursos.
Temporal dos dias 17 e 18 de março deixou 33 mortos.

Deputados visitam uma área do Quitandinha onde 20 pessoas morreram (Foto: Felipe Carvalho/G1)Deputados visitaram a área do Quitandinha onde 20 pessoas morreram (Foto: Felipe Carvalho/G1)
Uma comitiva composta por oito deputados federais estiveram em Petrópolis, Região Serrana do Rio, nesta terça-feira (26) para visitar os locais destruídos pelo temporal dos dias 17 e 18 de março. Os parlamentares criaram uma comissão externa para acompanhar a recuperação e os investimentos em prevenção de desastres na Região Serrana.
Pela manhã, os deputados se reuniram com o prefeito da cidade, Rubens Bomtempo, e com o coordenador de Defesa Civil, o tenente-coronel Rafael Simão. Logo em seguida, a comitiva visitou os dois bairros mais castigados pelas chuvas da última semana: Quitandinha e Alto Independência.
Após a visita, os parlamentares apontaram a burocracia no envio dos recursos federais e o baixo investimento em prevenção como os principais problemas enfrentados pela cidade neste primeiro momento.
"Em 2010 e 2011 nenhum centavo em prevenção foi repassado pelo governo federal para Petrópolis. Em 2012, apenas R$ 32 milhões. Não é à toa que nenhuma casa popular foi entregue. Desburocratizar é o nosso grande objetivo. É preciso trabalhar para que estes recursos cheguem com mais celeridade", disse o deputado federal Otávio Leite (PSDB-RJ).
Nos últimos quatro anos, nenhuma casa popular foi entregue. Estima-se que 15 mil famílias vivam em áreas de risco em Petrópolis. O temporal da última deixou 33 mortos e mais de mil desabrigados. Oito pessoas ainda permanecem internadas, duas em estado grave. Um levantamento divulgado pela Defesa Civil aponta que 31 casas foram destruídas totalmente, 155 residências tiveram danos parciais e ainda outras 200 foram interditadas.
"Esta conversa é importante para entendermos que a formalidade não pode ser maior que o objetivo das coisas. Não adianta ter o recurso liberado, mas que esteja de alguma forma represado. É preciso que estes recursos se traduzam em benefício público. Ainda existem alguns gargalos para serem trabalhados", afirmou o prefeito de Petrópolis, Rubens Bomtempo.
No início da tarde, a comitiva seguiu para Niterói, Região Metropolitana do Rio de Janeiro, para visitar o Morro do Bumba, onde, em 2010, 50 pessoas morreram em um deslizamento.
Verba emergencial liberada pelo estado ainda não chegou
Bomtempo confirmou que o recurso emergencial ainda não chegou (Foto: Felipe Carvalho/G1)Bomtempo confirmou que o recurso emergencial
ainda não chegou (Foto: Felipe Carvalho/G1)
O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, anunciou no último dia 18 de março a liberação de R$ 3 milhões para repasse imediato para a recuperação das áreas atingidas na cidade. No entanto, quase 15 dias depois, o dinheiro ainda não chegou aos cofres de Petrópolis.
"Nós ainda estamos trabalhando para resolver algumas pendências burocráticas. Acredito o recurso chegue ainda esta semana. Estamos trabalhando com contratações emergenciais para resolver os problemas iniciais", disse o Bomtempo.
by Chandy Teixeira
Do G1 Região Serrana

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PALETES E CAIXOTES DE MADEIRA NA SUA CASA JÁ!

Reencarnação e Alma dos Animais por Chico Xavier

A flor mais rara do mundo