Postagens

Mostrando postagens de Julho 15, 2012

Façamos igualmente a lição. Para pelo menos emparelhar. by Deise

É neguinhos, têm almoço grátis não. by Deise

Tem coisas que a gente não precisa explicar. Basta publicar e perguntar. by Deise

“THAT’S ABSURD. I LOVE IT.

"Sumi porque só faço besteira em sua presença, fico muda quando deveria verbalizar, digo um absurdo atrás do outro quando melhor seria silenciar, faço brincadeiras de mau gosto e sofro antes, durante e depois de te encontrar. Sumi porque não há futuro e isso não é o mais difícil de lidar, pior é não ter presente e o passado ser mais fluido que o ar. Sumi porque não há o que se possa resgatar, meu sumiço é covarde mas atento, meio fajuto meio autêntico, sumi porque sumir é um jogo de paciência, ausentar-se é risco e sapiência, pareço desinteressado, mas sumi para estar para sempre do seu lado, a saudade fará mais por nós dois que nosso amor e sua desajeitada e irrefletida permanência.". by Martha Medeiros

Ao rever alguns amigos no RS, um deles me mostrou este poema. E acabei me emocionando, pois lembrei que entre os 12 e 14 anos, eu disse em algum momento esta poesia na Escola Imaculada Conceição, na cidade de Dois Irmãos. Em algum dia festivo, como dos pais, das mães, aniversario do prefeito, do padre ou qualquer outro motivo. Era a declamadora oficial da escola. Cargo de muita importância e motivo de inveja para algumas colegas. Mas também de admiração de outros. Talvez porque os meninos notassem minha presença. Minha memória era responsável por esta tarefa, nem sempre revebida com um tudo de bom. Era menos tempo para fazer o que eu quisesse, dentro do pouco que se tinha para isso. E eu sabia que deixaria para decorar dois dias antes. Era como se eu precisasse desta angústia, pois nem sempre os poemas eram tão curtos. O grande barato, era por que era "decorado". algumas vezes a memoria traia. E aprendi então a ter sangue frio, de olhar para a Irmã Marilene, (a maioria das vezes ela me escalava para tão “importante” missão), tínhamos um código: se eu esquecesse, ela apenas deveria me olhar e calmanete me dizer a próxima palavra. E quando acontecia, pela minha pequena vida que até então não conhecia elogios e incentivos. A mim que tentaram tornar tão insegura, conseguia me manter no controle da situação. Para isso tive que aprender a ignorar que estava sendo assistida pela cidade, pois so tinha aquela escola no centro da cidade. E lotava o pavilhao em dia de festa. Eu precisa pensar que estava sozinha, e precisa fazer o meu erro quase não ser percebido. Aprendi a também que medo é normal. E que coragem é passar por ele, não fugir dele. Foi uma época de três anos no colégio tipo internato. Por mais que eu fizesse por mim mae e pai, jamais poderia pagar esta benção a mim concedida. Estes três anos me salvaram. Foram os anos que me fortificaram. Entre as regras r[igidas que me ensinaram o necessário de disciplina e a maldade das companheiras de problemas familiares, causa principal que nos proporcionou o encontro, aprendi que ser sózinha seria a única forma de sobreviver naquela pequena selva. Conheci o deboche, a inveja, a perda. Foram anos de muito aprendizado. Aprendi a ficar forte, aprendi que se eu caisse, ninguem me levantaria, aprendi que saudade dá e saudade passa. E vontade também. Que ha pessoas e coisas que as vezes vão e nao voltam mais. Agradeço todos os dias esta parte de minha vida. Foi quando eu comecei a andar com minhas pernas. Com o passar do tempo aprendi a direção e a ir polindo minha vontade. A paciência não foi adquirida por vontade. Sempre me foi imposta a exigência. Aprendi então a me adaptar as situações ou momentos. E fui vendo que bancar a Cinderela assustada, jamais me faria menos vítima. Aprendi a me impor. Viver no meio de 70 crianças e adolescentes, todas com problemas de uma lado, a rigidez imposta pela época )e não foi demais, foi na medida) aliada as exigências familiares (ótimo era a nota exigida. Bom, o castigo era aplicado), foi meu treinamento para a guerra. Eu pensava: se sobreviver a esta batalha, sobrevivo a qualquer coisa. Eu não estava errada. A minha determinação em ser feliz apesar de, é prova cabal disso. by Deise

E a gente vai continuar assistindo de camarote, nos iludindo que NAO nos diz respeito? Vamos continuar engolindo o que nos empurram feito primatas domesticados, que por uma migalha nos ajoelhamos e nos anulamos? Basta da banalização da vida humana. Neste momento, falo nao da fome do mundo. Mas da fome do povo brasileiro. Fome, cujo genocidio emocional, psicologico e financeiro, está sendo o agente esmagador de milhões de brasileiros. Crime hediondo praticado contra a populução brasileira pelos atuais govenantes. Chega de manipulação. Chega de descaso. Chega de omissão. Chega de discursos vazios e de representantes que é já sabemos pelas andanças serem como "túmulos caiados". Basta da conivência com o errado, o torto e o inverso. Cadeia aos oportunistas e corruptos na falta de permissão legal para a forca. O quadro atual brasileiro nos mostra, que é preciso passar a borracha. E começar do começo. Dando igualmente basta aos remendos e as juntada de cacos. by Deise

A soma e o resto: um olhar sobre a vida aos 80 anos

Viu como pregam mentiras para manterem o gado no cabresto???? Alguem alem dos moradores das duas cidades, sabia disso???? CLARO QUE NAO. Manter o povo sob o dominio, sempre vai prevalecer. Uma população educada e conhecedora dos deveres e direitos impostos pela lei e sociedade, se tornará exigente demais quanto a seus governantes. E isso é tudo que os politicos nao precisam. by Deise

Como a Delta e Cacheira pagaram propina a Marconi Perillo

Juristas veem com perplexidade retorno de Demóstenes ao MP

Desembargador é suspeito de privilegiar frigorífico

Google Voice já funciona — bem! — para usuários brasileiros

Por outro lado, ha coisas que nao mudam em Elizabethtoow. by Deise

O Caminho de Volta

A idade nos ensina a fazer as melhores escolhas!!

Mandela celebra 94 anos com centenas de atos por toda a África do Sul

Ah! Se todos fossem iguais a voce....The BEst. by Deise

Decisões judiciais contra blogueiros pautam a discussão da blogosfera nacional

"Oh, Tu! Presença Majestosa, Criador Infinito de tudo o que existe, "Grande 'EU SOU'", visível e invisível, manifestado e não manifestado! Nós nos regozijamos em Tua Grande e Poderosa Presença por nos teres dado a consciência de Teu Ilimitado Poder, de Tua Inteligência Infinita, de Tua Eterna Juventude e Beleza. Nós Te rendemos louvor e graças por nos terdes tornado tão conscientes da Tua Grande Opulência, da Tua Grande Abundância, a ponto de A sentirmos qual rio poderoso em Nossas Mãos, para nosso uso. Tu, Poderosa Fonte Infinita! Corrente Incessante, que nos deste a consciência de que: "EU SOU 'EU SOU', o imenso Poder de Precipitação"! Inclinamo-nos diante de Ti em adoração e plena aceitação de Tua Poderosa Presença e Poder. Trago-vos saudações da Grande Hoste e a notícia de que a Grande Luz dos Seres Iluminados aumenta rapidamente." "Saint Germain" ps.: Trecho extraído do livro: "O Livro de Ouro de Saint Germain", autor: Grupo Esotérico Ponte Para A Liberdade; Gráfica Calabria. Namastê!

Simples assim. by Deise

Mais geada no Sul do Brasil nos próximos dias

Em minha visita pelo RS, andando por algumas cidades da Regiao metropolitana de Porto alegre e Vale dos Sinos, pude perceber a prosperidade do meu Rio Grande. Fruto de um trabalho contínuo e com certeza árduo, quando falamos de 5o, as 6h da manha. Ninguem se queixa, a não ser as turistas como eu, que por anos optou em sair da "Europa" riograndense e optou pelo "Hawaí", me referindo as praias por onde morei nos ultimos 16 anos. O choque cultura é inevitável. E a certeza de que as formas de vida citadas são completamente antagônicas. Andando pela cidade de Dois Irmãos, alguns aspectos me chamaram atenção. Para o lado ruim, o que me deixa fula. Meus desgostos tem inicio mais uma vez no lixo na cidade. Porem desta vez fui beber na fonte e acabei entendendo o porque da quantidade de lixo nas ruas. Me senti em alguns momentos parte do jogo "Banco Imobiliária". Inúmeras placas de obras com verba federal, obras ficticias até o momento. Paranoides eu diria, e de outra sorte obras descaradamente superfaturadas. Não posso deixar de citar o desvairio do prefeito, para não dizer crime de improbidade administrativa, ao distribuir a "REvista do Prefeito Miguel".Uma revista sem expediente, sem responsavel, sem tiragem. Sem valores. Sem patrocinio. Uso da maquina administrativa, para promoção pessoal do prefeito que ultrapassa o abuso. É caso de tratamento da doença maldita do PT: a megalomania. Isso tudo foi compensado com o encontro de alguns conhecidos de periodos felizes de minha vida. Horas de conversa e o aprendizado que nao cessa nunca, Graças a Deus fui poupada de encontros desagradaveis. Os menos felizes, ainda assim foi por escolha minha. De qualquer forma concluo que entre a Alemanha e o Hawai, eu amo mesmo é o Rio Grande do Sul. Minha futura República dos Pampas.