Postagens

Mostrando postagens de Janeiro 1, 2012

Quarta feira à tarde, Baia de Guaratuba, Ferry, "Nas Pedras". Viajar é preciso... by Deise

Imagem

O grande barato de Drummond é que nos sentimos intimos dele. É como se ele falasse aquilo que a gente não consegue. E quando fala, parece tão simples e tão perfeito. Tão adequado à todos momentos e a todas ás pessoas. b y Deise

Imagem
O ELEFANTE


Fabrico um elefante

de meus poucos recursos.

Um tanto de madeira

tirado a velhos móveis
talvez lhe dê apoio.
E o encho de algodão,
de paina, de doçura.
A cola vai fixar
suas orelhas pensas.
A tromba se enovela,
é a parte mais feliz
de sua arquitetura.
Mas há também as presas,
dessa matéria pura
que não sei figurar.
Tão alva essa riqueza
a espojar-se nos circos
sem perda ou corrupção.
E há por fim os olhos,
onde se deposita
a parte do elefante
mais fluida e permanente,
alheia a toda fraude.

Eis o meu pobre elefante
pronto para sair
à procura de amigos
num mundo enfastiado
que já não crê nos bichos
e duvida das coisas.
Ei-lo, massa imponente
e frágil, que se abana
e move lentamente
a pele costurada
onde há flores de pano
e nuvens, alusões
a um mundo mais poético
onde o amor reagrupa
as formas naturais.

Vai o meu elefante
pela rua povoada,
mas não o querem ver
nem mesmo para rir
da cauda que ameaça
deixá-lo ir sozinho.
É todo graça, emb…

Porque achei bonitinho. by Deise

Imagem

Durma com este barulho. Constante, repetitivo, cansativo, enfadonho. Desprezivel e vergonho. (e antes que me perguntem, NAO SOU IDOSA PROPAGANDA DA VEJA.. Apenas encontrei o que queria e o melhor: estava pronto) by Deise

Imagem
by Lockerz Escândalo
Conheça as origens do caso, siga seus desdobramentos - e a reação do país Reportagem de VEJA revelou em setembro de 2010 uma loja familiar de negociatas funcionando no coração do governo, a Casa Civil, sob a tutela da então ministra Erenice Guerra. Israel Guerra, filho de Erenice, e seus sócios usavam a influência da ministra para favorecer empresários em troca de uma certa “taxa de sucesso”. Saiba mais Escandalômetro
Este 'termômetro' mede a gravidade do escândalo (de 1 a 5), com base no destaque editorial que recebeu de VEJA. Quanto maior o número de chamadas de capa e reportagens ao longo do tempo, maior a ‘temperatura’ do caso. O grau máximo se refere a casos como o do mensalão, com 21 capas. O mínimo, a casos como o dossiê da pasta rosa, sem nenhuma capa, mas três reportagens. Acervo digital
Confira o que foi capa de VEJA EDIÇÃO 2182 - 15 de Setembro de 2010O polvo no poder
Bem próximo do gabinete presidencial, o filho da ministra Erenice Guerra, chefe da C…